Comercial de Doritos causa polêmica entre homossexuais

256
notas
0
likes
0
Tweets
0
Pin it
256
notas
0
likes
0
Tweets
0
pin it

A nova campanha brasileira de Doritos vem sendo motivo de protestos na internet. Acusados de homofóbicos, os filmes receberam diversos pedidos para serem tirados do ar através do CONAR (Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária).

Quando um dos caras dentro do carro começa a dançar “YMCA” do Village People, a marca sugere que você não divida isso com os amigos, e sim divida Doritos. Em outro comercial, “Hélio”, um garoto aspira um balão de gás hélio e começa a cantar “Like a Virgin” da Madonna, a assinatura diz novamente “Quer dividir alguma coisa com os amigos, divide um Doritos”.

Entrei em contato com a AlmapBBDO, responsável pela campanha, que me colocou para conversar com a Edelman, agência de relações públicas da PepsiCo, que declarou: “Nunca aceitaríamos o risco de veicular qualquer mensagem discriminatória, muito menos ofensiva a qualquer público, e desrespeitar os homossexuais seria inaceitável tanto para a Pepsico quanto para sua agência de propaganda. Especificamente no caso do YMCA, a dancinha é tratada, de forma irreverente, como algo fora de moda e não faz nenhuma menção ao homossexualismo. É uma coreografia antiga, engraçada e ultrapassada.”

Depois do jump, você pode conferir o comunicado na íntegra da PepsiCo. E você, o que acha dessa polêmica?

COMUNICADO

Campanha Doritos

Um dos pilares defendidos pela PepsiCo é a diversidade e inclusão. Nunca aceitaríamos o risco de veicular qualquer mensagem discriminatória, muito menos ofensiva a qualquer público, e desrespeitar os homossexuais seria inaceitável tanto para a Pepsico quanto para sua agência de propaganda.

Neste sentido, a nova campanha de Doritos, lançada no dia 08 de Março deste ano, tem como conceito demonstrar como é gostoso consumir Doritos entre amigos. A linha de criação foi baseada em dados de pesquisa que mostram que o consumo da categoria de salgadinhos ocorre principalmente quando a pessoa está sozinha, indicando uma grande oportunidade de explorar o consumo compartilhado. Para se apropriar deste momento de consumo coletivo, foi desenvolvido um plano de comunicação completo colocando Doritos como uma boa alternativa para dividir com os amigos. Utilizando a assinatura “Quer dividir alguma coisa com os amigos? Divide um Doritos.”, foram criados filmes, sites e materiais para ponto de venda que materializam esta assinatura através de uma divertida campanha que lembra, de forma descontraída, que todos nós já pagamos algum mico entre amigos, como uma dancinha ultrapassada ou uma imitação embaraçosa. Os filmes YMCA e Hélio mostram justamente isso, como todos já passamos por situações em que achávamos que estávamos sendo engraçados, mas na verdade estávamos pagando um grande mico. A brincadeira continua no site www.doritos.com.br, onde é possível colocar fotos que comprovem momentos engraçados e esquisitos da história de vida de cada um.

Todos os materiais e filmes desenvolvidos para esta campanha foram aprovados pelo público, em pesquisa, antes do início da veiculação, justamente por trazer à tona lembranças engraçadas que compartilharam com os amigos – o próprio Orkut conta com comunidades como “Eu Já cantei no karaokê”, “Eu já fiz dancinha do YMCA”, entre outras, comprovando como é mesmo engraçado. Os filmes estão agradando muitos consumidores, que têm se manifestado sobre a graça da situação. Da mesma forma, o site da campanha está com um grande número de participações e muitas fotos de pessoas que entraram no espírito da brincadeira e quiseram dividir e se divertir com os micos postados no site.

Especificamente no caso do YMCA, a dancinha é tratada, de forma irreverente, como algo fora de moda e não faz nenhuma menção ao homossexualismo. É uma coreografia antiga, engraçada e ultrapassada. Daí o olhar de estranhamento dos amigos para o mico do menino ao fazer a dancinha no carro.

Respeito, compartilhamento e inclusão foram e sempre serão valores indispensáveis para a Pepsico.

LEIA TAMBÉM
COMENTE
  • http://www.contraditorium.com cardoso

    O comercial da Volks então vai incitar uma guerra Brasil-Alemanha…

  • http://fullcircle.com.br/blog Danilo Idman

    Eu achei normal.
    Viado adoro criar polêmica… não tem nada de preconceituoso.

  • http://www.agenciaginga.com.br Naomi Covacs

    macarena não é uma dancinha ultrapassada?

  • http://twitter.com/tiagosx Tiago Rosa

    baaaaaahh kd o senso de humor do povo ? jesus…

  • http://www.fabiochaves.net Fabio Chaves

    Eu não vi homofobia descarada não. Achei bem ambíguo, dá pra entender dos dois jeitos: “dancinhas brega” e “gays pro armário”.

  • http://liveninja.blogspot.com Leonardo

    É isso aí!

    Achei infeliz esta interpretação feita pelo Phelipe Cruz.

    Tanto que eu estava achando que estava tudo tranquilo, todos que conheço estão comentando o anúncio divertindo-se, ficando curiosos para visitar o site e participar.

  • Jordan

    @Danilo Idman:
    Acho que faltou uma vírgula no seu comentário. Não seria “Viado, adoro criar polêmica…”?

  • http://twitter.com/diegogoes Diego Goes

    Ahh, fala sério. Se quisessem tratar de uma “dancinha fora de moda”, por que não usar o moonwalk, a macarena, etc. Pq justamente o YMCA?

    E mais: Like a Virgin no outro comercial? Outra música que todos identificam logo com o público gay?

    Fala sério.

  • Lucas

    Não conheço nenhum gay que dance YMCA dentro do carro, nem que fiquei imitando a Madonna cantando like a virgin depois de ter dado umas baforados em gás hélio! hahaha! nao tem nada de preconceituoso no comercial, é descontraído, aposto que muitos gays vão rir desse comercial!!

  • http://frufru.wordpress.com flavia

    gente, hello.
    não acredito que ninguém aqui pensou que o cara tava se revelando gay com as dancinhas.
    só a frase “quer dividir algo com alguém?” já tem relação com isso de sair do armário. pra quê alguém ia querer dividir que simplesmente gosta de dançar YMCA?
    claro que é preconceituosa.

  • http://fullcircle.com.br/blog Danilo Idman

    Concordo com o Leonardo.
    Só foi um cara que reclamou… aí pegaram essa reclamação e fizeram dela uma nova notícia em cima da propaganda…
    Espertinhos… mas já tá ficando chato essa coisa de “especulação”…

    Quando vamos voltar a fazer propaganda que honre as calças sozinha???

  • http://www.adblog.com.br Yuri

    Essa polêmica é uma grande besteira

  • Sabrina

    Essa questão aí de ficar enxergando preconeito em tudo é uma putice!

  • http://blog.ricardoaum.com.br Ricardo Aum

    Sério. Achei ridículo o bafafá.

    O interessante é que os 4 caras estão no carro ouvindo a música na boa. Inclusive o dono do carro, que está dirigindo está ouvindo a música na boa. OU seja, se fosse menção a alguma coisa de homosexualismo todos seriam. E mesmo sendo, eles acham ridículo alguém dançar isso, assim como seria ridículo dançar a macarena.

    Portanto, isso é coisa da cabeça de gente que não tem o que fazer. Mas é akele lance, tem alguns públicos dos quais vc tem que ter MEDO, por que eles tão sempre aí pra fazer barulho onde não deve.

    Depois o pessoal critica e é por preconceito. A atitude de fazer farofa com isso foi ridícula, sendo quem fez a farofa toda homosexual ou não. Só que com certeza, por eu ter criticado isso eu sou preconceituoso.

    Denunciem o meu comentário no CONAR tb. ¬¬

  • Fabrício

    O que importa mesmo é que os filmes são uma bosta.
    Tinham que ser tirados do ar pq são muito ruins.
    Aliás, devia haver algum critério que fosse mais relevante do que grana, na hora de veicular alguma coisa na TV. Saca? Mínimo de Relevância, ou algo assim?
    Qual é o sentido de colocar no ar uma merda dessas? Taí uma razão clara e óbvia pra que as concessões de transmissão de TVs sejam revistas. Mas é claro que vamos discutir só se é preconceituoso ou não, o que não chega ao cerne da questão.

  • Tiago

    Conceitualmente, não vejo problema algum nos exemplos utilizados nos comerciais… O humor está no core business da Doritos, essa é apenas mais uma ação que reforça o dna da marca. Aliás, acho quer esse comercial referencia excessivamente a campanha da Fiat para o novo Palio Economy, “Amigos para Sempre”.

  • http://jaderubini.net Jader Rubini

    Polêmicas a parte, os comerciais são uma merda.

  • maria tereza dias

    Afe. Eu achei preconceituoso. E achei pior tentarem tirar o deles falando que não é uma menção a homessexualiDADE, pelamoooordedeus. Por que não colocaram uma música sertaneja brega? Ou então do tiririca. Tinha que colocar Madonna e YMCA, por coincidencia. O do like a virgin passa, utiliza a referencia, mas o menino fica só ridiculo mesmo, não há insinuação que ele seja gay. No do ymca, o mocinho está claramente gogo-dancing, não quer parecer legal nem nada, só se jogando. Sim. A mensagem é: evite conflitos, evite parecer ridiculo, evite sair do armário, divida um doritos!

  • Luís Pereira

    Vamos fazer a lista de posts preconceituosos do Papel Pop. Desde quando mostrar “vergonha alheia” em propaganda é ter preconceito?

  • gregory

    tá meio na cara que o que a campanha aborda é a pagação de mico. dividindo o traseiro com os amigos ou não, ambas as situações são ridículas. talvez a escolha das músicas tenha sido meio tendenciosa, podia trocar like a virgin por born to be wild ou sweet child o’ mine algo assim, pra ficas mais macho.
    o cara do papel pop é fofoqueiro de plantão e faz barulho, por isso, merece atenção.

  • gean roriz

    Eu acho que existe uma conotação homofóbica. Mesmo de “zuação”, há sim. O fato é que sempre quando “alguém” do sexo masculino canta alguma música como YMCA – Village People ou Like a virgin – Madonna é taxado como “gay, boiola e etc.” Observamos isso quando os amigos do cara que canta YMCA olham para ele com um certo repúdio do que ele está fazendo. Esse tipo de comportamento, é o mesmo que fazemos quando criticamos ou repudiamos algo desse tipo na nossa cultura. Claro que, a intenção do comercial foi retratar um bom humor. Porém caiu para outros lados.

  • Júlio César

    O BRASIL é um preconceito.

  • http://www.psynation.com Fernando

    Os comerciais sao uma merda, mas nao tem nada de discriminaçao

    Viado gosta de chamar atençao isso sim e fazer papel de injustiçados

  • Lucas

    Hoje em dia tudo é preconceito. O politicamente correto domina. Acho chatíssimo. Sou gay e não vi nada demais nos comerciais.

  • Augusto

    Preconceito é achar que quem gosta de “YMCA” ou Madonna é gay.

  • gean roriz

    @Fabrício: Concordo. Quero só ver se os conteúdos que assistimos, irão continuar do mesmo jeito quando entrar de vez a TV Digital.

  • http://www.tiagovaz.com Tiago

    Tão criando caso a toa… se todo mundo que dançar YMCA em festa de 15 anos, formatura, casamento, etc for GAY… putz o mundo todo deve ser então!

  • Alysson

    Acho que o mundo está ficando muito chato.

    Qualquer coisa hoje em dia é motivo pra processo, reclamação e o C****** . Putz acho que hoje em dia se tivesse um programa tipo TV Pirata, e até mesmo os trapalhões das antigas (o Mussum em específico) seria motivo de uma guerra civíl. Coisa impressionante.

    Reclamar que está sendo ofendido desse jeito é o mesmo que ter o movimento dos canhotos excluídos, ou o movimento dos sem orelha ou qualquer coisa do tipo.

    Preconceito parte de quem se acha diferente.

    Abaixo todo tipo de movimento segregador.

    Viva o politicamente incorreto!

    PS. A qualidade dos comerciais (como tal) é realmente fraca.

  • Bruno Andrade

    Fresno, NXZERO… é muito mais gay que as músicas das propagandas!

    Isso sim é preconceito! =)

    Opinião pública sempre tenta achar pelo em ovo, mas nos problemas do país nínguem quer botar lenha na fogueira né!?

  • Gabriel Santos

    Agora lembrei pq dificilmente leio comments nos blogs: tem muita gente babaca fazendo comentários piores ainda.

  • http://liveninja.blogspot.com Leonardo

    No final de 70 e início de 80 muitos dos jovens da época, inclusive nossos pais, dançaram YMCA nas danceterias.

    Preconceito é, justamente o que já disseram aí, falar que quem ouve, gosta ou dança Village People ou Madonna é homossexual.

    Que eu saiba apenas um integrante do Village People era gay…

    Enfim… as pessoas gostam de causar, só isso!

  • Lucas Marçal

    Todo viado gosta de uma confusão ! a propaganda ta legal sim, o que eles queriam ? que mostra-se 2 viados dando beijo na boca no horário nobre ?

    Tem mais é que zuar esses caras mesmo!

  • J

    Tiago,

    kkkkkkkkkkk e a da Fiat foi a PRIMEIRA a usar amigos dentro de um carro, né?

  • https://www.queijoevinho.com Alien in White

    Segundo o comercial, se você for “sair do armário” (seja lá o que isso signifique), não o faça em público.

    Surpreendeu até a mim que sou humanophóbico!

    Se bem que, polemizar com o preconceito enraizado, é como a resistência de vocês, humanos a nós… inútil!

    LCARZ falou!

  • Renato

    Só quem é gay (exceto pelos gays homofóbicos, que só enxergam o que quer) sentiu ofensa na pele, é isso que importa.
    Ofendeu, acabou, não tem papo: TEM QUE TIRAR DO AR.
    Hétero-piadinha-homofóbica-de-agência-cabecinha-anos-90 nem enxerga isso, não adianta teimar.
    Foda morar nesse país.

    ps, qdo virar lei, quero ver esse monte de gente falando ‘viado’ ir pra cadeia, assim como acontece com aqueles que hoje xingam os negros. Babacas.

    • Fabian Olivie

      Bem dito Renato! Como o ditado diz: "pimenta nos olhos dos outros e' refresco"". Moro fora do pais em parte por causa desse tipo de ignorancia. Aqui no Reino Unido esse tipo de comercial ou comportamento e' inadimissivel e seria banido com aplicacao de multa. O brasileiro e' que tem mania de fazer piada de tudo o que acha diferente: mulher, idosos, negros, deficientes fisicos, gays etc e acha que isso tudo e' ok. Nessa sociedade onde o machismo reina e e' extremamente "heterocentrica" quem nao bebe cerveja, nao assiste futebol e nao desrespeita mulher e' discriminado.

  • http://www.lucianoribeiro.com Luciano

    Pra mim tava completamente normal, quando assisti pela primeira vez nem me passou pela cabeça alguma relação com homossexuais…

  • http://www.guilhermeboschi.com.br Tatu

    Não conheçe nenhum hetero que foi ao show da madonna?
    Vamos meter processo em todas as festas de casamento que acabam tocando YMCA e Macho man, pois são uns homofobicos!!!!

    Se o babaca é complexado e se ofende o problema é dele. O preconceito esta na cabeça de quem vê!!

    Preconceito é falar que madonna é de gay e dançar no carro também.
    Se fosse com sertanejo como outro ai sugeriu, ia repercurtir que o doritos é contra o sertanejo.
    O mundo tem que sair da defensiva, tudo ofende os liberais.
    Não quer brincar não desce pro play!

  • Leandro

    Comerciais ruins isentos de preconceito, ao contrário do senhor Phelipe Cruz, que considera YMCA e Madonna como produtos de desgustação exclusiva do público gay. Preconceituoso, neste caso, foi ele.

  • João Paes N

    Não achei sacanagem com gays, a não ser que existão gays tão toscos que façam essas coisas totalmente descoladas e inoportunas.

    O cara que citou o comercial da Volks tá certo!

    cardoso:
    Sexta-feira, 13 de Março de 2009 – 18:05

    O comercial da Volks então vai incitar uma guerra Brasil-Alemanha…

    ou achar que Resident Evil é racista por conta do jogo ser na Africa e talz, pelo amor de Deus, parem com isso.

  • Rocco

    Se fosse sertanejo, ia ser preconceito com o pessoal do interior. Se fosse uma musica com alguma raiz afro, racismo… e por aí vai. Agora os homossexuais são donos da Madonna e do Village People? Ser homossexual provoca alguma mudança de conduta em relação ao convívio social?

    Que eu saiba, ser homossexual é simplesmente ter atração pelo mesmo sexo e só. De resto, um homossexual não deveria ser distinguido na rua de qlqr outra pessoa hetero. Qualquer coisa além disso é afetação, problemas de afirmação de personalidade e até atentado ao pudor. Daqui a pouco alguém fica dançando e pulando no meio do trabalho de forma ridícula e vão dizer: “Deixa ele. Ele pode, é homossexual.” “Ah, tá…”

  • http://www.lucianoribeiro.com Luciano

    No mínimo, exagero da parte do Phellipe Cruz. Já vi comerciais bem mais apelativos passarem batidos ou serem encarados com muito mais humor…

  • http://linked-o-rama.blogspot.com cynthia

    Ai, para com isso.
    Não vi nada de gay nesse anúncio.
    As pessoas estão muito paranóicas.

    Porque os homens não podem cantar essas músicas, just for fun!

    O preconceito é quem acha que isso só gays poderiam cantar.
    Blé!!

  • http://www.juliosevero.com Lucas Santos

    Gay pode tudo no Brasil! Até dizer que isso é HOMOFOBIA! Pra falar a verdade nem 1% da população do Brasil é homofóbica (que quer dizer pavor/panico de gays!) – Quem vc quenhece que tem isso???

    O cara pode não gostar, assim como ele pode não gosta de feijão, aí vão chamar ele de FEIJÃOFÓBICO também??? Peraí!!! Ele só não gosta e pronto, mas não quer dizer que tem panico de feijão ou sei lá do que!!!

    Os gays tem sua causa, tudo bem, mas dizer que tudo que falam deles é homofobia é mais criminoso ainda!!!

    Vamos abrir o olho pra essas atitudes de CENSURA!!! Ditadura GAY não! Por favor!

  • Away

    @Renato: E quem chama os outros de babaca? Vai pra cadeia tb? Se sempre q alguém “se sentir ofendido” com alguma coisa isso for tirado do ar, sempre o concorrente vão plantar alguma minoria qualquer pra se sentir ofendida com a comunicação e tirar do ar o comercial do outro. O humor é baseado no escárnio de alguém. Seja de uma categoria ou de uma pessoa específica. Sem isso não há humor.

    “Só qm sente é qm sabe”? Então se vc diz q tá com dor e seu médico fala q é problema da tua cabeça ele é um boçal, pq é claro q vc está certo e tem q tomar um analgésico? Deixa isso pra qm entende, filho.

    Neste caso, sua opinião e merda são a mesma coisa. A justiça e a lei são quem falam mais alto. Não viaja na sua revolta.

    PS: Vários conhecidos meus foram presos depois de falar “criolo” na rua. É impressionante mesmo… Uma loucuuuura.

  • Walter Siqueira

    @Fabio Chaves:
    @cardoso:

    Concordo. Dependente muito do ponto de vista do observador. Quem está pra se doer, vai se doer.

    Assim como a Folha apoia a ditadura por ter comparado três da América do Sul, e ter dito que a brasileira foi a mais branda. Todos na Folha são militares.

    Todos na Pepsico são homofóbicos.

    Todos na Volkswagen são nazistas.

    Me poupe! Que falta do que fazer, viu…

  • Renata

    É preconceituosa sim.
    O preconceito já está na cabeça de todo mundo, a maioria acha “engraçadas” piadas preconceituosas, é piada pronta… a maioria nem se dá conta de que está sendo preconceituoso quando faz essas piadas. mas está sim. e isso é errado.

  • Matheus Sanchez

    Não achei nada ofensivo.
    Agora todo gay tem que cantar YMCA daquele jeito?
    Gay pode ser uma pessoa que não é ligada nessas coisas de meninhha, só gosta de dá o cu mesmo.
    E nem mulher faz esse tipo de coisa tosca.
    Nao é pra voce ficar no armario, é pra voce nao fazer coisas estupidas como as do comercial.

  • Luiz

    O comentário do Phelipe Cruz só faz reforçar o preconceito e o esteriótipo. Desde quando YMCA e Madonna são exclusividade dos gays?

    Como já disseram, o que eu entendo como o que não se deve dividir com os amigos são esses micos, de fazer uma coreografia ridicula dentro do carro ou cantar uma musica com essa vozinha fina.

    Pra alguem que escreve um blog que só faz tirar sarro de celebridades ele devia ter um pouco mais de bom humor.

  • Jonas

    Isso é preconceito dos próprios GAYS… Ou então estão fazendo pra se aparecer como sempre…

  • fred

    não é por nada não, mas democracia é isso: cada um defende o seu.
    não sei se você sabem, mas, apesar de pagarem impostos como todo cidadão comum, os homossexuais não desfrutam dos mesmos direitos que o restante da população: são cidadãos de segunda classe.
    se os gays estão achando a propaganda ofensiva, eles têm todo o direito de reclamar. ou será que criaram uma lei da mordaça para evitar que eles falem?

  • Léo

    Os filmes não são nenhuma brastemp e também não vi nada de gay. Se vc usa musica “gay” vc ta sendo preconceituoso com os homosexuais, se vc põe um sertanejo ta sendo preconceituoso com os sertanejos… Sei lá… se o cliente aprovou e ta no ar que se fo….. Sempre vão existir aqueles que acham um problema em tudo. Já ta virando modinha reclamar de comercial.

  • http://estou-sem.blogspot.com/ Andarilho

    Se eu fosse gay, não acharia nada demais nessas propagandas.

  • http://www.nownloading.com.br André Majim

    Eu sou homossexual e não vi nada demais nesse comercial.

  • http://twitter.com/cloudSon claudson

    Não tem nada a ver
    nós gays somos tão “alegres” apesar dos pesares
    pow “pessoal” tem que relaxar um pouco.
    ;D

  • http://tcelestino.com.br Tiago Celestino

    Hoje em dia, se você fala que gay é isso, que um gay é aquilo, já é taxado de homofóbico ou preconceituoso.

    Vai entender!!!

  • Fulvio Ramos

    Homofóbico seria dizer que homosexuais deveriam morrer.

    Na minha opinião, deveriam morrer apenas os homosexuais que acham esses comerciais (bem mais ou menos, diga-se de passagem) homofóbicos.

    O preconceito está com quem reclama nesse caso.

  • guilherme

    ah, preconceito porra nenhuma.

    até os gays brincam com os gays, é só ver o concorrente do papel pop, o TE DOU UM DADO.

    eles mesmo falam que “é tudo puta e viado” e nunca vi esse carinha ai do papel pop reclamar.

    saicu.

  • http://www.brunopieroni.com Bruno Pieroni

    E o Brasil vai ficando cada vez mais que nem os Estados Unidos… Tudo ofende alguém. Triste.

  • http://www.dezigncomz.com.br Mônica

    Em nenhum momento do comercial podemos identificar que os personagens são gays. Essa afirmação de preconceito é completamente sem fundamento!! Mesmo porquê, há muitas pessoas que gostam das músicas e dançam suas coreografias famosas e NÃO SÃO HOMOSSEXUAIS!
    À propósito, achei o comercial muito bom!

  • http://www.propagandaprosaepoesia.com Leonardo Araujo

    Eu achei bacana os videos e não vi nada demais aí. O povo é que gosta de procurar cabelo em ovo!

  • Pedro

    O preconceito esta nos olhos de quem ve.

  • http://avidasecreta.com B.

    Achei preconceituoso sim, não há graça nenhuma em insinuar (e eles insinuaram sim) que a homossexualidade só é aceita se não for evidenciada.

    A grande verdade é que a homofobia é passada de geração em geração exatamente assim, implícita, disfarçada de brincadeira. E sem perceber a gente começa a achar tudo normal, as brincadeiras de mau gosto, as agressões verbais, como a galera que comentou acima.

    Eu denunciei ao CONAR, fiz buxixo no Twitter tudo a partir do comentário de uma menina em uma das listas de discussão que faço parte e denunciaria novamente. Eu e muitas outras pessoas. Exultei hoje, quando recebi a resposta dizendo que o comercial será examinado. É o mínimo que se pode esperar.

    Sinceramente, até acredito que a agência não teve intenção, não seriam loucos, mas de boa intenção…

  • http://www.espaco.com Jonas Rafael Rossatto

    Eu acho que gays, são algum tipo de anti-humano, porque TUDO, exatamente TUDO que os HUMANOS NORMAIS fazem, eles são contra, criticam e nos insultam. E o pior, SEMPRE com o mesmo pretexto, descriminação.

    Mas nesse caso eu falo o que falava no antigo IRC (internet relay chat) quando precisava banir ou um outro FDP gay que entrava encher o saco do resto da galera.

    Eu sou agnostico, mas no SEU caso (exclusivamente para gays) eu sou católico, e o váticano condena o homosexualismo, então adios.

    Quanto mais tentam “conquistar” um espaço, mais são repelidos, por agirem com babaquices e prejudicarem pessoas idoneas e que não GANHAM porra nenhuma ofendendo eles.

    • Fabrizzio

      Vc e' o que demonstra atitude anti-humana ao enteder que gays nao sao humanos e que so' os heterossexuais sao "normais". Pro seu governo escreve-se discriminacao nesse caso. E' por causa de pessoas de mentalidade como a sua que o Brasil se encontra em estado precario na defesa dos direitos humanos. Nem todos os gays que aqui se manisfestaram entenderam que o comercial foi ofensivo e mesmo assim vc generalisa e rotula todos os homossexuais de anormais. Vc nao passa de um intolerante ignorante e mal educado que nem se quer domina o idioma portugues de forma correta e ainda assim vem aqui cheio de julgamento e preconceito. Adios e' pra vc, pessoas como vc deveriam sumir da face da terra.

  • Carlos

    Pois é, por que é sempre assim uma minoria que se acha dona da verdade causa uma polemica desnecessaria só porque se acharam ofendidos. Onde está o verdadeiro preconceito ???? Por isso temos que ter muito cuidado ao nos calarmos quando esses grupos falam. Vamos prestar mais atenção a essa lei “contra a homofobia” que querem aprovar, por isso vamos ficar atentos, porque ninguem merece mesmo tanta frescura.

  • http://poisbem.com.br Fábio Buchecha

    Tá Merigo, mas e você? O que você acha disso?

  • Rodrigo Teixeira

    Homofobia é a palavra da vez. E alguns os próprios homossexuais interpretam como se fosse descriminição.

    @Lucas Santos: Perfeita sua tese! Eu também não gosto do Calypso. Então sou um Calypsofóbico?

  • http://www.meachando.com.br/blog Beto

    Mimimi Mimimi Mimimi, boiolagem, MimimiMimimi homossexuais, Mimimi Mimimi desculpa, MimimiMimimi Tempestade em copo dágua.

  • Rodolpho

    Há coisas que servem de carapuças, outras não. O que realmente importa é que Karl Marx faria 126 anos :o
    Aliás, parabéns ao ator que canta Like A Virgin.

  • Timóteo

    Bebes chorões.

    Vai dizer que aquilo não era ridiculo mesmo pra época? Todo mundo sempre gostou de zoar com essas coisas, especialmente os 2 exemplos usados no video.

    Não tem nada a ver com o publico gay ou não. Eles querem ter a liberdade de escolha deles, mas tirar o direito dos outros de falar qualquer coisa a respeito.

    Suponhamos que o comercial realmente dissese pro gay ficar dentro do armario? QUAL O PROBLEMA? Não vai ta ofendendo ninguem, é m ponto de vista que merece ser respeitado da mesma forma que o gay quer ser respeitado.

    Uma coisa é ofender, a outra é defender o seu ponto de vista.

  • Tuta

    O vídeo é que diz: É feio se divertir. O legal é ficar sem expressão, ficar bancando o cool para os amigos, pra não ser acusado de nada, é isso?

  • Pedro Almeida

    quanta babaquice…

    ele num vai processar o Didi (dono dos direitos dos Trabalhões) e a Rede Globo tb por colocar no ar durante anos a fio um programa altamente preconceituoso?

    num vai caçar os cds do mamonas e proibir as vendas deles tb não?

    ahhhhh essa merda de “politicamente correto”, nada mais preconceituoso!

  • Marcelo

    Não acredito que exista mensagem homofóbica nos comerciais… nem do YMCA, tampouco a do hélio. O comercial retrata uma situação entre amigos, e a “mancada” que eles deram, mas não por parecerem gay´s.
    O problema, nos dias de hoje, é que qualquer coisa que alguém faz, pode ter algum cunho homofóbico, ou antissemita, sempre tem alguém procurando alguma coisa pra dizer que foi desrespeitado etc.
    Tá complicado!

  • Téo Marcus

    Concordo com um comentário lá em cima. Eles usaram o duplo sentido. Tá beirando o preconceito, sim. Se não fosse para ter conotação com homossexualismo por quê não usaram outros tipos de brincadeiras? … muito suspeito isso. Pior foi a justificativa.

    Mas, afinal de contas, o que os personagens estão querendo dividir nesses 2 comerciais? … o que o senso comum interpretaria? … seja lá o que for, a Pepsico e a AlmapBBDO acham inadequado.

    E, pra piorar, os comerciais são MUITO RUINS … péssimos. Não são engraçados como a Pepsico e a AlmapBBDO acham, são constrangedores. Nenhum personagem estava achando graça, todos estavam reprimindo. Deixa uma sensação de constrangimento que colabora com a acusação de homofobia (que não é pavor ou medo de homossexuais, é aversão ou ódio)

    Acho que a AlmapBBDO e a Pepsico deveriam rever o grupo de pessoas que participaram da tal pesquisa qualitativa antes do comercial ser veiculado. Pessoal de gosto duvidoso.

  • Rodrigo Lopes

    Haha
    Se a propaganda é homofóbica, então porque os caras estão ouvindo YMCA no carro?
    O estranhamento é com a dança, não com a música, pelo amor de Deus…

  • http://www.cocuruto.com leo seabra

    Quanto exagero, os homossexuais estão parecendo os negros, ou melhor AFRODESCENDENTES. alarmados demais, isso se chama auto-preconceito.

  • Vanessa Stehling

    PelamordeDeus. Nunca vi tanto comentário pra um assunto tão redundante. Não tem fundamento algum a campanha ser destinada a algo que satirize os gays, a ofensa estão naqueles sem o que fazer da vida ou que querem ver a agência ferrada de alguma forma, daí começam a inventar.

  • Mário

    Se essa propaganda incita a homofobia, a da Skol para o carnaval incitava a traição e o desprendimento de valores básicos durante o período do carnaval.

    E ninguém reclamou.

  • Leandro

    GRANDE BOSTA, eu sou gay e to me cagando de rir até agora do comercial.
    O preconceito está nos olhos de quem vê.
    O problema é quando ele está nos olhos dos formadores de opinião.

    Mas é aquela coisa; a carapuça serviu. Fazer o quê!?

  • http://actividade008.blogspot.com Tais Oliveira

    Nossa quando vi o filme pela primeira vez, também partilhei da mesma idéia da Pepsico…em nenhum momento vi preconceito pelos gays….
    Tem gente que vê cada coisa!!!

    Bjs

  • http://actividade008.blogspot.com Tais Oliveira

    Mozilla Firefox dominando….rsrsrs

  • http://miscelanea9l.blogspot.com Carla Noveli

    Preconceito, discriminação?
    Na boa, eu não ví o comercial com esses olhos.
    Achei muito engraçado!
    Prá mim quem “disse” isso tem o mesmo pensamento de quem disse que o comercial do primeiro sutiã inscita pedofilia e erotismo!!!
    Por favor…

  • http://xandrelima.blogspot.com Xandre Lima

    Eu não sou gay, respeito e já tive amigos e amigas homossexuais, e posso dizer ques os próprios homossexuais fazem piada com estas situações. O problema é que a resposta da Pepsico não convence nem um pouco, e a conotação é clara para qualquer um com um pouco de cérebro. Claro que os amigos ficam estranhando o “comportamento gay” do colega em ambos os videos (principalmente no primeiro).

    O problema é que não estamos mais nos anos 80 e não basta ser um tecnocrata para criar uma boa propaganda, tem que ser criativo e politicamente correto. O que temos hoje em dia é uma classe de publicitários que trabalham “by the book” da mesma forma que engenheiros e advogados, eu sei por que eu trabalho na área criativa e sei como funciona… Infelizmente o profissional brasileiro está cada vez mais burrinho, sem cultura e com muita informação burocrática. Uma pessoa criativa teria pensado duas vezes antes de colocar isso no ar.

  • Eduardo

    Quem não é homossexual, quem nunca teve dúvidas sobre se abrir ou não com os amigos ou com a família, quem nunca teve medo de ser expulso de casa e de virar piada na escola, quem não sabe o que é viver na sombra, quem nunca penseou em se matar ou sumir da face da terra porque é algo que a maioria dos seus amigos faz piada a respeito, realmente vai achar que as denúncias de homofobia são puro exagero.

    Assim como parece exagero falar de preconceito contra negros ou contra mulheres no Brasil. Para quem nunca sentiu na pele, é só brincadeira.

    No mínimo é uma propaganda que, como disse um colega aí acima, incita você a guardar para si mesmo o que seus amigos não vão achar “cool”. O que por si já deveria ser suficiente para a crítica. Mas ela vai além e SIM, é homofóbica. Homofobia não é só agredir gays ou matar travestis. Essa parte é só o final de um processo que começa na mensagem que acha normal as pessoas ao invés de divir o que são com os amigos, dividirem um doritos.

    • Fabio Polastrini

      Ainda bem que nem todos aqui tem a mentalidade de um gato morto! Como vc disse so' quem nao enfrentou preconceito e nunca foi alvo dessas piadas que acha que tudo e' brincadeira e nao ofende ninguem. Esperem ate quando eles tiverem um filho gay ai sim vao mudar de opiniao.

  • http://coisasemanal.com.br Cláudio

    Amigos, procurar algum tipo de ataque aos gays nesses filmes está parecendo o pessoal do http://jurisdiquez.blogspot.com/ que vê satanização em tudo.

    Aposto que os gays realmente ocupados na vida não ficaram pirando com teorias bizarras. Devem ter achado engraçado e pronto. O conceito dos filmes é ótimo. Parem de procurar chifre em cabeça de cavalo, como se diz no interior.

  • http://www.labomboneracriativa.blogspot.com Paulo Caldas

    Nada demais. Muito piti para pouca coisa.
    E lembrando que saiu também a nova campanha argentina da Doritos. Vejam se existe alguma xouyfobia: http://labomboneracriativa.blogspot.com/2009/03/doritos-campanha.html

  • vanessa

    de boa comercial peeeeesssssiiiiimoooooooo
    achei a “piadinha” de mal gosto…


    até mesmo pq é assim q nos divertimos com os amigos
    falando bobeiras e fazendo bincadeiras
    …quanto a resposta a pepsico não é das menhoes…

    e outra gente, amigo é pra dividir tudo !!!
    a propaganda devia se basear em coleguismo então e não em amizade

    pessima pessima….0(zerooooooo) pra propaganda, nem compro mais doritos
    prefiros dividir cerveja e e rir bastante com as nossas bobeiras
    riduculas ou não…. gays ou não…..

    viva a diversidade e a liberdade

  • http://www.sensitive.com.br Fernando Machado

    Isso significa que o tal Phelipe Cruz acha que todos que dançam YMCA e gostam de madona são homosexuais? Não curto Madona mas ja dancei YMCA devo me assumir? :(

  • http://6duzia.blogspot.com/ Zeca Bral

    Este tipo de humor é banalizado no Brasil. Segue a linha do infeliz “Zorra Total” da Rede Globo que se apóia em estereótipos pra fazer os mais imbecis rirem do gordinho, do zarolho, do anão, do viadinho, da loira burra.

    Acredito que piada politicamente correta não tem graça, afinal ninguém fica rindo em missa, em velórios, em tribunais de justiça, mas uma piada deve ser feita em segredo de amigo, numa mesa com chopp e descontração e muita afinidade entre os presentes. Daí uma marca querer fazer uso deste tipo de piada para uma imensa maioria, sem fazer distinção de público é altamente desrespeitoso, irresponsável e passível de que alguns se sintam ofendidos.

    Acho sim o comercial homofóbico, e acho ainda mais que os gays estão certos de criticarem este tipo de postura de uma marca.

    Avante!
    Abracao,
    Zeca Bral

  • Maurício Pinheiro

    Não vejo uma linha preconceituosa nos comerciais. Tb n acredito que a marca, sabendo do potencial desse mercado, faria algo para perde-lo. O que vejo eh uma vontade de se colocarem como vítima de uma piada que, no máximo, é ambígua. Sejamos diretos, a única coisa que esse tipo de manisfestação sem próposito irá conseguir é aumentar o alcance da mensagem.

  • http://www.bizrevolution.com.br Ricardo Jordão Magalhães

    Essa discussão não tem nada a ver. O comercial é uma droga, a piadinha é um lixo de velha, propaganda da pior espécie.

    Ninguém tem nada melhor para fazer do que ficar levantando a bola dessa droga?

    Ricardo

  • gay î

    ótimos comerciais!

  • Daniel

    Tão enojante quanto essa propaganda são os comentários igualmente preconceituosos desse site. É engraçado como essa cambada de imbecil se sente autorizado a se referir a homossexuais da forma mais pejorativa possível e depois ainda vem posar de vítima ao ser apontado como homofóbico. Deixem de ser hipócritas.

    Esse comercial é indefensável. O preconceito nele é mais do que evidente. E o preconceito não reside no fato de o dançante ser ou não gay, mas na atitude discriminatória de seus “amigos” babacas que acham que, por algum motivo idiota, deve manter para si o que ele gosta, e dividir apenas o que eles gostam: o lixo do doritos. E ainda chamam isso de amizade? Qual é a graça do comercial que ninguém até agora disse?

    E quem determina o que deve ficar no armário e o que deve ser divido? Isso é uma clara reprodução do senso comum que força a pessoas a se manterem na sombra em prol dos seus preconceitos. É essa a mensagem da propaganda: “Não demonstre que goste do que seus amigos podem não gostar; não seja desinibido; faça o gosto das outras pessoas e ignore os seus; não seja espontâneo”. Em resumo: SEJA TÃO CHATO E TRAVADO QUANTO NÓS E FIQUE NO ARMÁRIO. E a propaganda pega todas essas mensagens e audiovisualmente a relacionam com duas músicas e artistas bastante conhecidos por ter na comunidade LGBT seus maiores apreciadores. Dessa forma, a homofobia está configurada.

    E quem discrimina homossexuais deve ir é para a cadeia mesmo. A homofobia não é apenas violência física. A violência simbólica também é muito recorrente e tem grande potencial destrutivo. E essa propaganda é uma delas. Como o colega acima disse: “Homofobia não é só agredir gays ou matar travestis. Essa parte é só o final de um processo que começa na mensagem que acha normal as pessoas ao invés de dividir o que são com os amigos, dividirem um doritos.”

    E o comunicado da PepsiCo é risível de tão falso. A última coisa que defendem é a diversidade e inclusão. Se defendessem nunca iria veicular uma propaganda que estimula o ocultamento de tudo que não é “cool” e hétero o suficiente para os tais “amigos”. Alguém pode me apontar onde está a diversidade e inclusão enquanto “um dos pilares defendidos pela PepsiCo”?

  • AFFFF

    Cara eu acho q na real ele num ta dividindo o fato ser ser gay… ou naum q nem viria ao caso.

    Eu acho q eh pelo fato da daça ser ridicula mesmo!

    legal.. eh como a imaginaçao das pessoas eh boa pra coisa pequena.
    tanta coisa acontecendo no mundo e a comunidade gay se importa com doritos!

    vai muda mta coisa mesmo!
    continuem na luta contra o doritos..boa causa mesmo…

  • Kyrodes

    Pior do que supostamente serem preconceituosos, é usarem o português errado.
    Do jeito que eles usaram, uma frase está na terceira pessoa (você) e a outra na segunda pessoa (tu):
    “(Você) Quer dividir alguma coisa com os amigos? Divide (tu) um Doritos.”

    O certo seria usar a segunda pessoa em todas:
    “(Tu) Queres dividir alguma coisa com os amigos? Divide (tu) um Doritos.”
    Ou, mais coloquialmente, usar somente a terceira pessoa:
    “(Você) Quer dividir alguma coisa com os amigos? Divida (você) um Doritos.”

    Veja a conjugação do imperativo do verbo Dividir:
    http://www.conjuga-me.net/verbo-dividir

  • http://www.cauemadeira.com/ Cauê Madeira – www.cauemadeira.com

    É homofóbico. Ponto.
    Leia o comentário 92 do Daniel, achei um dos mais elucidativos.

    Só um comentário: alguém comentou sobre o “direito de ser contra alguém sair do armário”. Não existe esse direito, isso é, justamente, o preconceito: querer influenciar a decisão ou modo de vida de um terceiro sobre seus próprios direitos.

  • http://www.edubrand.net63.net/ Edu

    Chamar de homofóbico? No final das contas acho que é procurar pêlo em ovo.

    Esse negócio de proibir é meio complicado; mas que é polêmico, é.

  • Judas

    Agora que Milk ganhou o Oscar, os gays se empolgaram pra reclamar de tudo.

  • http://twitter.com/puella ana

    A Pepsico foi infeliz em aprovar uma coisa tão tosca como essa. É preconceituosa, sim, e não tem a mínima graça. A campanha toda é um lixo.

  • Cacau

    Particularmente não achei nenhum preconceito explicito. Achei até uma brincadeira sem conotação nenhuma, mas as duas de muito mal gosto.
    Enfim, cada um vai interpretar de uma maneira.

  • Fabio Maia

    Os homossexuais deviam deixar de viadagem…
    Quer ser viado então aguenta…
    O fato de ser viado não faz com que sejam café-com-leite e que não podem ser sacaneados como todo mundo.

    • Michelle Larrouse

      Seu ignorante! Ninguem "quer" ser "viado" como vc diz.. Nao se trata de uma escolha… va se informar primeiro e ai sim venha dar sua opniao. Conforme demonstram estudos recentes a homossexualidade e' registrada no cerebro do feto dentro do utero sem escolha alguma do individuo. Da mesma forma que ninguem escolhe ter olhos verdes ou ser canhoto. Ja estou de cansado de tanta ignorancia e preconceito do povo brasileiro.

  • Brenner

    Imbecil foi o cara que lançou essa polêmica, esse cara do papel pop lançou uma discussão maior do que ele pode imaginar.

    Tipo, eu fui dar uma olhada nos fóruns do Orkut pra ver a repercussão, cara, tem gente ameaçando os gays que defendem esse conceito de que a campanha é preconceituosa, igual discussão sobre time de futebol.

    Tem dó meu…

    A campanha não tem nada de preconceituoso.

    Onde é que ta o senso de humor desse povo?

  • http://www.twitter.com/robsoncrusoe Robson

    Acho que quem bolou a propaganda conseguiu o que queria. Comentários, rebuliço, buzz e etc em cima do comercial “tosco esteriotipado” que nos leva ao cômico e que me fez dar boas risadas. Não, não tenho preconceito contra os homossexuais.

    Se ser viado é uma coisa normal, é um “direito de ser quem você quiser ser”, parem de achar que tudo é preconceito.

    Gays, vivam. E parem de encher o saco. Tá igual aquelas discussões de cota pra negros. Negros que defendem cotas para si mesmos, dizem indiretamente que são inferiores – o que não são. De igual modo, gays que brigam e batem o pé por conta de uma propagandinha qualquer de TV que não muda em nada a vida deles, é porque é tão preconceituoso ou até mais preconceituoso que muitos “conservadores” por aí.

    Valha-me Deus. Vou comer um Doritos.

  • http://www.twitter.com/robsoncrusoe Robson

    Esqueci de dizer. Aposto que os gays no mundo inteiro continuam comendo Doritos.

  • Lécio

    A ideia de coibir o compartilhamento de experiências ou pensamentos é, antes de qualquer coisa, infeliz.

    Nota zero pra essa campanha.

  • http://www.hfae.com.br Alexandre

    Já estou cansado desses gays reclamando de tudo. Vivam sua vida, transem com quem vocês querem, mas não me venham com essa história de que tal coisa é preconceituosa, ou aquilo é hostil a nossa classe.

    Esse povo chato e de minoria, quando se junta, só sabe falar abobrinha … ( MST, Gays, Movimento feminista, etc.. )

    Já enjoei dessa conversa. Se você achou preconceituoso, o problema é seu. Não tem nada a ver com preconceito a bendita propaganda, estão fazendo tempestade num copo d`água.

    Povo sem juízo !

    • Muriel

      Comentario tipico e ate mesmo comico, pois so viria mesmo de alguem que nao pertence a alguma minoria e nem se quer simpatiza ou tenta entender sobre as causas deles. Quem sabe um dia quando vc perder a sua casa e tiver que morar na rua, ou se tiver um filho gay, ou sua mae ou mulher sofrer alguma forma de prconceito ou violencia, quem sabe assim vc ira parar de olhar para o proprio umbigo e comecara a enxergar o proximo.

    • Flavia Carter

      Pois e' aqui na Inglaterra, pais onde as pessoas nao se preocupam so' com futebol e cerveja, esse tipo de propaganda e' absolutamente proibida (recentemente tiveram um caso semelhante aqui onde o comercial foi banido no mesmo dia e a empresa responsavel foi multada) ate porque os ingleses respeitam a tudo e a todos ao contrario da maioria dos brasileiros como o Sr. Alexandre aqui que so' porque nao teve e nao tem que enfrentar preconceito em todos os dias de sua vida, separa e faz despir de humanidade a minoria quando os chamam de chatos por estarem apenas defendendo o direito de viver sem ser objeto preconceito e de piadinhas como esta do doritos.

  • Felipe

    “Brasil, um país sério”. O anúncio da F/Nazca explica direitinho isso. Frescura (sem trocadilho) da porra.

  • Brenner

    Kkkkkkkkkkk

    O Robson e o Alexandre disseram tudo que nós (a maioria) pensamos, mas não temos coragem de dizer…

    Apoiado!

    • Fabio Picardo

      Outro acefalo!

  • Brenner

    @Judas: RT Agora que Milk ganhou o Oscar, os gays se empolgaram pra reclamar de tudo.

  • Bel

    Bafafá à toa. Não vi nada de preconceituoso nesses anúncios. Povo adora causar, mel dels.

  • http://alsimoes.blogspot.com André Simões

    Acho hipocrisia, quase toda novela, independente da emissora, tem um gay esteriotipado e ninguém se mobiliza por causa disso. Penso que as novelas tem poder de formar opinião umas cem vezes maior que comerciais.

    Se deve haver alguma mobilização gay que seja contra as novelas. Comerciais só ficam na nossa memória quando são engraçados ou causa polêmica, pelo jeito esse será um deles.

  • Lucas

    Salvo meia dúzia de situações, o CONAR é um instrumento de censura absurdo. Não é a primeira vez que esse tipo de coisa causa polêmica, e acho que o preconceito vem mais pelas pessoas que veem algum tipo de ambiguidade de mau gosto do que pelo conceito que é transmitido pela campanha.

    Não achei ruim e acho muito barulho por nada.

  • Juliana Sampaio

    Eu não sei o que é pior: a homofobia do comercial ou a ignorância dos argumentos que tentam negá-la. Patético, gente, vamos cair na real. Se não houvesse uma insinuação de homossexualidade esse filme do YMCA simplesmente não faria o MENOR sentido, então pra que tenta negar o que é óbvio?! Sugiro três excelentes posts sobre o assunto que li por aí, de gente que não tem preguiça de pensar:
    http://farinhada.blogspot.com/2009/03/sobre-campanha-de-doritos.html
    http://beauvoriana2.zip.net/arch2009-03-01_2009-03-31.html#2009_03-09_11_30_03-127299368-0
    http://beauvoriana2.zip.net/arch2009-03-01_2009-03-31.html#2009_03-15_21_46_25-127299368-0

    • Fabian Olivie

      KKKKK Gostei do seu comentario…. foi na lata!

  • http://twitter.com/joelzanette Joel

    Viado adora criar problema… achei essa otima…
    Realmente, a campanha eh otima e nao tem malicia…

  • Renato Veiga

    Ambigua e pensada pra causar!

  • marco carvalho

    matem os argentinos!!!!!

    hahah, sem preconceito, mas como disse o amigo ali, como veado adora criar polêmica. a mesma liberdade de expressão é o que precisamos na propaganda.

  • http://www.papodebuteco.net Leow

    @cardoso: Assim acaba com a criatividade, tudo vai ser um tipo de preconceito…

  • http://cinemaeafins.com/ Felipe

    Preconceito é achar que quem gosta de “YMCA” ou Madonna é gay.[2]

  • pipoca

    A AlmapBBDO é uma agência extremamente criativa e por isso mesmo muito cuidadosa ao utilizar o humor em suas criações. Tanto é que a propaganda brasileira já é extremamente polida em todos os sentidos.
    Uma discussão como esta só prova o quanto somos fechados em relação ao senso de humor. Em nenhum momento vi nada relacionado a qualquer tipo de discriminação. Penso que a publicidade está ficando cada vez mais chata por causa de discussões vazias como esta. Nunca vi uma geração tão reacionária e sem senso crítico como esta em que somos obrigados a conviver…extremamente sem graça.

  • http://twitter.com/diegogoes Diego Goes

    O que eu acho mais absurdo são os comentários altamente preconceituosos que li por aqui.

  • Mauro

    Daniel comentario 92 disse tudo !
    :]

  • http://tunaomediguer.blogspot.com Marcelo Pereira da Silva

    Definir a preferência sexual de alguém baseado em seu gosto musical ou seu gosto por dança é a própria definição de preconceito. Pra mim, a reclamação dos homossexuais esbarra nisso.

    São equívocos como esse que acabam manchando toda a luta de uma classe por uma causa.

  • João Flávio Almeida

    A propaganda e a arte são assim: permitem interpretações diferentes partindo dos conceitos e cultura do espectador.
    Faltou pesquisa e bom senso para esta campanha. Só o fato desta discussão tomar tal proporção já é prova de que se deveria ter tido mais cuidado.
    Se tem ou não teor homofóbico, depende mais de quem vê do que de quem produziu, mas penso que deve haver respeito de ambas as partes em não impor sua impressão na opinião do outro.

  • http://alsimoes.blogspot.com André Simões

    Para mim o comercial faz referencia sim a homosexualidade, mas para mim o que falta no Q.I. de qual assiste é a capacidade de contextualizar a situação do comercial.

    É o mesmo de quando ouvimos um amigo ao telefone dizer “Cara, você me gou de jeito!” e todo mundo em volta dele solta aquele “HUMMMMMMM, úi!”. É preconceito isso também?

    Quando a bancada do CQC faz alguma piada relaciona a homosexualismo e todo mundo diz “UUUUUUUUUUUUU” com as mão para cima, é preconceito também?

    Se encarar estas situações com bom humor é preconceito, então desculpem porque sempre vejo graça nisso. E os gays dos programas humorísticos, estes não são preconceito? Em programa de humor pode, em comercial não? E no cinema, como fica?

    Cansei de assunto, vou esperar a próxima polêmica.

  • Sandra

    talvez o conceito correto seria…Quer pagar mico? Come Doritos.
    hehehehe
    O posicionamento não ficou legal. Quer dividir alguma coisa com os amigos?
    O que o carinha do primeiro comercial queria dividir? Que ele é ultrapassado?
    Que é brega? Que é gay? Realmente dá margem a várias interpretações e sendo assim, para muita gente pode parecer preconceituoso. E no mais, se a única coisa que você pode dividir com os amigos é um doritos, para que servem os amigos?????

  • juliana

    Nossa tá lindo isso aqui. Gays são burros. Gays só querem aparecer. e a pérola gays são anti humanos. Mas ninguém aqui é preconceituoso. Nossa.

  • Ludwig

    jesus, quanta gente imbecil comentando aqui.

  • Carolina

    A questão do dividir aí é a dança e a música, onde os dois se empolgam e pagam um mico. É o famoso “Eu não precisava ter visto isso!”. Não vi nada de discriminatório ai, os caras é que não entenderam.. ahaha

  • Luizinho

    Sou gay e também não vi nada de mais nesse comercial da Doritos. Até liguei para parabenizá-los e cumprimentá-los pelo comercial.

    Acontece que “gente que vê preconceito em tudo” mal se dá conta que já está sendo preconceituoso.

    Liberte-se!

    Abaixo a hipocrisia que reina no mundo Gay!!

    Só falta agora o Luiz Mott ir fazer um beijaço na frente da Doritos, para completar a desgraça e “combater o preconceito”…

    Nojo dessa gente que faz de tudo para aparecer!

    nojo!

  • Saulo Nardelli

    Quer dizer então que os gays são tão preconceituosos que os heteros não podem fazer dancinha nem palhaçada para os amigos?
    Essas duas músicas são esclusivas do público gay? Não sabia disso…
    Outra coisa; daqui a pouco não poderemos anunciar mais nada, de tanta retaliação que sofremos… Pelo amor de Deus, gente? Cadê o senso de humor?
    Não vi conotação gay em nenhum dos vídeos e achei engraçado demais!

  • http://flickr.com/shumiski Advan Shumiski

    Sabe o que eu acho engraçado?

    Quando alguém ofende um negro…ninguém se manifesta desse jeito.
    Quando alguém ofende um mendigo…ninguém se manifesta desse jeito.
    QUANDO ALGUEM FAZ OFENSA AO BRASIL…NINGUÉM SE MANIFESTA DESSE JEITO!

    TODO SANTO DIA, os políticos desse país ofendem o povo brasileiro, e NINGUÉM faz merda nenhuma pra mudar!

    Agora, porque os homossexuais se sentiram ofendidos, o mundo tem que parar!

    Eu não defendo os homofóbicos, mas pelo amor de DEUS, ta virando palhaçada já!

    Se for pra se manifestar sobre tudo que tiver referência implícita nos comerciais a gente vai ter que acabar com a TV.

    O @André Simões foi perfeito no comentário dele.
    Uma coisa é fazer referência como algo engraçado, a outra é ofender, difamar.

    Ta virando palhaçada, PALHAÇADA!

    • Marcus

      Bom, nesse caso os negros deveriam se defenderem muito mais, da mesma forma os mendigos tambem e nos o povo brasileiro deveriamos nos espelhar nos gays e defendermos nossos direitos como a determinacao que eles tem e nao que o contrario aconteca como algums aqui pensam que os gays deveriam ficar acomodados como nos estamos.

  • doo

    pra mim o cara do 92 é gay, boiolásso mermo, tipo um líder dos boiola!
    e esse comercial não tem nada a ver com preconceito, quando eu assisti, achei realmente chato por ser uma música ultrapassada e engraçada, pena que ela é muito popular entre os gays e talvez por isso, tenha gerado essa histeria toda, por parte dos simpatizantes que comentaram aqui!
    se começarem a reclamar de tudo a propaganda no mundo vai ficar chata!!!e realmente gente, viado adora arrumar polêmica com coisas pequenas, gays de verdade são pessoas sérias, que levam a vida numa boa, e merecem ser respeitados e dar respeito, preconceito mesmo está sendo contra a excelente propaganda que nosso país tem!!
    eu sou a fovor da liberdade de expressão!!!

  • http://www.vamosfalarmal.com.br Nivaldo

    O preconceito é dos homossexuais com as boas propagandas. Que o CONAR não divida essas tristes opiniões.

  • fabio

    O comercial é uma passeio no parque perto das asneiras homofóbicas que dezenas de neandertais comentaram aqui.

    Mas a grande pergunta é: Qual, é sua posição, Merigo? Vai se esconder atrás do Phelipe?

  • Kaio

    Acho que não teria problema nenhum o uso das músicas “gays” e da conotação gay nos filmes. O problema é que o conceito do filme se fecha em “dividir algo com alguém” o que incomoda completamente esse publico pq relaciona o fato de assumir e sair do armario, coisas completamente sérias numa fase bem conturbada na vida de um gay.

    E essa fase TODO gay teve q passar ou está tendo que passar. E mesmo com a sociedade com a cabeça mais aberta nos dias de hoje, é ainda problema para muitos meninos e meninas que descobrem a sua sexualidade e tem q lidar com a diferença. Dai imagino um individuo com essas duvidas assintindo a um filme desses na sala com a familia..

    Mta gente acha que esse filme não teve problema nenhum, mas só o gay que passou por essa fase dificil da vida sabe o quanto a piada é impertinente e infeliz, do mesmo nível pobre das piadas do Casseta & Planeta e Zorra Total.

  • Gustavo Don

    Não imagino um comercial do gênero aqui na Espanha atual. Não que todas as pessoas sejam liberais e não tenham preconceito ou porque este seja um país onde homossexuais podem se casar e não são cidadãos de segunda categoria, como é no nosso – pagamos os mesmos impostos e não podemos fazer sequer uma declaração de renda única, dois homens ou duas mulheres, por exemplo. Aqui empresas do porte, incluindo a própria, sabem que se mandam ao ar um réclame aparentemente inofensivo, mas que nefastamente esconde mensagens de reafirmação do preconceito, haverá, sim, indignação, protesto e boicote já no dia seguinte. Por isso, não entendo a atitude de alguns gays no Brasil de querer tapar o sol com a peneira dizendo que não viram nada de mal no comercial Doritos YMCA – e, como se sabe, olhar fixamente para o sol pode cegar. Basta ver os comentários no You Tube ou em blogs de pessoas abertamente homossexuais, como este que vos escreve. Diante disso, me pergunto: por que todo gay que usa mais de sua criticidade é visto como bicha amarga ou rançosa?

    Nós brasileiros contemporizamos tudo. Não gostamos de discussão, de confronto de ideias, de debate com fair play – e até por isso, por falta de treino, começamos a falar mais alto pra ver quem ganha ou a depreciar a visão alheia como inferior a nossa, quando não partimos para a ignorância mesmo. Esta nossa alma de povo cordato nos faz pensar que isso é coisa que destroi e desagrega. Jogamos sempre um pano quente encima de tudo. Por isso, o apelo ao “senso comum” e à “convergência” do “gente, cadê o senso de humor”, “ai, esse bate-boca é viadagem” e “não vi nada demais”. Quem acha este comercial engraçado – e não é, é muito chato! -, o debate irrelevante e sinal de frescura e não vê nada senão o que se vê na tela plana – provavelmente na chiquééééééérrima Samsung Armani de R$ 30 mil -, está ajudando a passar mais uma camada de verniz na cara hipócrita que ostentamos cotidianamente, que tampa o mofo do preconceito, intolerância, desrespeito e discriminação.

    Já não fazemos isso com o racismo, de uma maneira quase que profissional? E da mesma maneira não dissimulamos o ódio e rejeição aos homossexuais? Reconheço que já avançamos muito em pouco mais de uma década, mas seguimos sendo um país homofóbico, que mata gays como se fossem patos em estação de caça e que vê de forma natural achincalhar o adolescente ou o jovem “diferente”, “estranho”ou “esquisito”. Nós bem sabemos o dano que isso nos causou. Vamos contemporizar uma vez mais e fazer de conta que o comercial é divertido, inocente e inofensivo, tal qual as caricaturas de bichinhas com foulards da atual d’A praça é nossa e d’Os trapalhões de antanho? Quantos adolescentes e jovens ainda terão de passar por situações de rechaço e exclusão pelo fato de serem tidos como “esquisitos”?

  • Gustavo Don

    Se fosse para mostrar o garoto passando algum mico pela sua dança colocariam macarena ou gretchen… pq Village People ? – Todo mundo associa a música como uma música gay, e um amigo deles dançando essa música, eles acharam que era coisa de “viado” como todo mundo diz… Ninquem v~e preconceito no comercial, pq não convive com o preconceito, não sabe oq eh ser discriminado pela sua orientação sexual.

    E nós só nos manifestamos desse jeito pq somos organizados, somos o unico segmente da sociedade que coloca 3milhões de pessoas em uma Avenida ! Se não sofressemos tanto preconceito, nós não iriamos nos únir contra…

  • Almeida Jr.

    Tão enojante quanto essa propaganda são os comentários igualmente preconceituosos desse site. É engraçado como essa cambada de imbecil se sente autorizado a se referir a homossexuais da forma mais pejorativa possível e depois ainda vem posar de vítima ao ser apontado como homofóbico. Deixem de ser hipócritas.

    Esse comercial é indefensável. O preconceito nele é mais do que evidente. E o preconceito não reside no fato de o dançante ser ou não gay, mas na atitude discriminatória de seus “amigos” babacas que acham que, por algum motivo idiota, deve manter para si o que ele gosta, e dividir apenas o que eles gostam: o lixo do doritos. E ainda chamam isso de amizade? Qual é a graça do comercial que ninguém até agora disse?

    E quem determina o que deve ficar no armário e o que deve ser divido? Isso é uma clara reprodução do senso comum que força a pessoas a se manterem na sombra em prol dos seus preconceitos. É essa a mensagem da propaganda: “Não demonstre que goste do que seus amigos podem não gostar; não seja desinibido; faça o gosto das outras pessoas e ignore os seus; não seja espontâneo”. Em resumo: SEJA TÃO CHATO E TRAVADO QUANTO NÓS E FIQUE NO ARMÁRIO. E a propaganda pega todas essas mensagens e audiovisualmente a relacionam com duas músicas e artistas bastante conhecidos por ter na comunidade LGBT seus maiores apreciadores. Dessa forma, a homofobia está configurada.

    E quem discrimina homossexuais deve ir é para a cadeia mesmo. A homofobia não é apenas violência física. A violência simbólica também é muito recorrente e tem grande potencial destrutivo. E essa propaganda é uma delas. Como o colega acima disse: “Homofobia não é só agredir gays ou matar travestis. Essa parte é só o final de um processo que começa na mensagem que acha normal as pessoas ao invés de dividir o que são com os amigos, dividirem um doritos.”

    E o comunicado da PepsiCo é risível de tão falso. A última coisa que defendem é a diversidade e inclusão. Se defendessem nunca iria veicular uma propaganda que estimula o ocultamento de tudo que não é “cool” e hétero o suficiente para os tais “amigos”. Alguém pode me apontar onde está a diversidade e inclusão enquanto “um dos pilares defendidos pela PepsiCo”?

  • julio

    Acho que as conotações de prenconceito estão justamente nos detalhes mais sutis. Ninguém é afetado, ok, ninguém é exageradamente caricato, ok, mas a expressão dos colegas, essa consternação generalizada ao ver o outro assumir uma postura afeminada, revela muito da intenção do comercial. acho péssimo a agência dizer que não existe intenção nenhuma, porque a gente sabe que tem. mania essa de tratar o público como massa amorfa idiotizada. todo mundo nesse meio é malicioso, se fazer de desentendido é uma postura covarde. não sou de movimento gay, nao levanto bandeiras nem concordo com a histeria dessas organizações em prol das ‘minorias’ (rá!), mas acordem: há sim uma conexão e ela não é saudável. e não é saudável justamente porque é sutil, porque está estampada na cara de reprovação dos amigos, e ninguém mais precisa desse tipo de atitude hoje. publicidade saudável não tem que ser idiota e só passar mensagens positivas, edificantes. mas quem é gay sabe o que é ter passado por esse tipo de reprovação. e acreditem: não é legal. exercitem um pouco a sua sensibilidade (e pra isso nao precisa ser viado), ponham-se do outro lado da coisa e tentem entender o porquê desse comercial não ser saudável pra ninguém, nem em termos de respeito ao outro, nem em termos de nutrição.

  • Guilherme

    Gente, vamos parar de achar pêlo em ovo? Sou gay e não vi nada de ofensivo na propaganda. Essa mania de tomar as dores com tudo o que pode ser mais ou menos relacionado com o público gay é terrível! Oi? A gente não quer igualdade? Então vamos começar a agir iguais, parando de querer que fiquem cheio de não-me-toques ou pensando duas vezes antes de falar alguma coisa porque pessoas podem se ofender.
    Todo mundo reclama que estereótipos incomodam e limitam mas já pararam pra pensar numa coisa? Ninguém nem mencionou o fato de os personagens do comeriais serem gays ou não, mas só de terem atribuído músicas que a maioria relaciona ao público homossexual… pronto, é motivo pra alarde.
    Se essa auto-piedade imensa não parar… então não devemos esperar que a sociedade vá nos tratar com igualdade, se o que exigimos parece ser o completo contrário.

  • http://www.heloisabiagi.com Heloisa

    Os que estão processando a campanha têm mais preconceito do que a campanha em si (se é que ela tem algum), pois partem do princípio de que todo homossexual obrigatoriamente ama Madonna, Village People e é esteriotipado.

    Parafraseando Freud: “Às vezes um comercial de Doritos é só um comercial de Doritos”

  • Ramon

    Não é que estejamos dizendo que o menino que dançou YMCA é gay. Mas sim que, por ele dançar uma “musiquinha gay”, os “amigos” já olham pra ele com desprezo, tipo “sai dessa, mano; coisa de viado do carai”. Coisa que boa parte dos homens héteros faz o tempo TODO, ficar vigiando e coibindo comportamentos tidos como “gays” por parte dos outros homens. Já viram como “amigos” héteros chamam uns aos outros de “viado” o tempo inteiro?

    Se fosse só uma questão de o menino estar dançando uma coreografia tosca e ultrapassada, os anos 80 têm infinitas possibilidades de música pra isso. Escolheram logo YMCA?

  • Priscila

    Tô com o Daniel.
    Não é só contra os homossexuais. É contra tudo que não é convencionado como “cool”.

  • Eduardo

    @Alexandre: Tá cansado dos “viados” reclamando do preconceito? Problema seu!

    O “viado” aqui vai continuar reclamando, gritando e sendo chato. Só assim para gente ignorante como você e a corja que se vê nesse fórum compreender que atitudes individuais de preconceito, como estas, é o que alimenta atitudes mais graves, como espancamentos e assassinatos. Afinal, a diferença entre você, que acha que viado tem que ficar calado, e um nazista, que efetivamente calou milhares de homossexuais, é só um pouco de poder.

    Se não gosta de minorias, vá morar no Sudão.

  • Fernando

    “Quem tem preconceito é quem acha que YMCA é musica só para gays!”

    Eu adoro a lógica distorcida que as pessoas criam para justificar uma falta de respeito, seja ela acidental ou não.

    “Viado adora criar polêmica”, “O preconceito é dos viados que tem preconceito com boas propagandas!”

    “Viado”, “viados”, “homossexualISMO”. O povo nem percebe o que escreve e acha o preconceito tudo bobagem, over-rated, ou que o mundo está ficando muito sem-graça. Bla bla bla.

    A propaganda usa, sim, o estereótipo, o senso-comum, piadinhas que reforçam o deboche de uma cultura, de uma minoria que merece respeito.

    O mundo é maior que o próprio umbigo.

  • José Freitas

    Os filmes são muito engraçados.
    Nada contra os homossexuais – excelente casting.

    E concordo com algumas pessoas que mencionaram: se o preconceito é porque o cara dança a música YMCA e não uma outra qualquer, então não existe preconceito, pois todos estão ouvindo numa boa e ninguém reclama.

    Eu relaciono à mesma situação do Vampeta dando cambalhotas na rampa do Palacio do Planalto em Brasília, depois de ganhar a Copa de 2002. É o tipo de coisa que é fora de contexto. Só isso.

  • cottonboy

    “Comunicação não é o que voce diz, mas sim, o que os outros entendem.”

    – Duda Mendonça –

    Sem mais.

  • cottonboy

    e voces ainda se dizem comunicólogos.

  • Rodrigo Lopes

    @José Freitas: Obrigado cara, acho que você foi um dos poucos que leram meu comentário. Caso contrário todas as críticas à Campanha seguintes a ele não teriam sido postadas.

    @marco carvalho: Parabéns por postar o comercial do Fernet Cinzano, juro que também lembrei dele com essa polêmica toda do Doritos haha

    Outra coisa que eu lembrei também (só pra escrachar):

    http://www.malevole.com/mv/misc/tribute/
    UH! É O ESQUELETO DANÇANDO YMCA! Talvez a mensagem deste tributo a Ray Harryhausen tenha sido a de que os gays sejam seres execráveis e malignos, quem sabe?

  • Luiz Fernando

    Gente, adorei os comerciais, muito mas muito engraçados mesmo!
    Não vi nada demais sinceramente, gente então se for assim vamos ter lojas pra vender musicas de gays e musicas de heteros! Qualquer hetero com um grupo de amigos pode cantar YMCA e coreografar, e qualquer gay pode começar a cantar snoop dog de uma hora pra outra, coisa mais nada haver essa discussão!

    Beijosnãomeligaseforsobresseassunto

  • http://osdiasprovisorios.wordpress.com Filipe

    o mais engraçado dessas desculpas posteriores ao escândalo é a forma descarada com que são feitas. o interlocutor sabe que não está convencendo aqueles que o cobram uma explicação, mas torce veementemente para isso que aconteça. eles fingem que explicam, a gente finge que acredita.

    no final, acho essa história de homofobia um grandioso exagero. as campanhas dizem aquilo o que elas quiseram dizer mesmo: não faça esse tipo de coisas na frente dos seus amigos. é engraçado? com certeza que sim. é preconceituoso? só se forçar bastante. hoje em dia não se pode fazer mais graça de nada. pois se, sempre que formos dar umas risadas estaremos ferindo o próximo, ele que pense numa boa piada para nos ferir amanhã.

    F.F.R.

  • Johny

    A Doritos pisou no tomate. polemica ou nao a propaganda é bem clara que se trata de exclusão. Uma ou outra pessoa pode ter reclamado. porem muitas pessoas podem ter se ofendido com a propaganda. Que publiciotarios, sera que nao estudao o publico alvo deles, jovens e adolescentes que estao em formação. Querem mesmo passar a imagem de Doritos o salgadinho da exclusão?

  • http://fernandoluz.wordpress.com fernando Luz

    Não achei nada preconceituoso. Mas também não apresentaria uma ideia como esta para o cliente, jamais.

  • Jose Carlos

    O que tem de gente sofrendo de mania de perseguição aqui, é impressionante.

    Deviam procurar ajuda psicológica para tentar combater esse trauma.

    A propaganda bem humorada e inocente, não tem nada de “homofóbica” nem “heterofóbica”. Tudo paranóia galopante dessa gente que vê preconceito em tudo e em todos.

    Vão se tratar.

  • Alessandra

    Sou lésbica e AMEI o comercial. Inteligente, bem humorado e nada homofóbico.
    Precisamos para de ver preconceito nos outros e olhar mais para nós, pois muitas vezes o preconceito está mais em nós do que nas coisas.

    Fik-a-dika.

    Beijos.

  • http://www.twitter.com/beatrizmorgado Beatriz Morgado

    Não vi nada demais no comercial!
    Twittei sobre isso e algumas pessoas me responderam!
    Vou retwittar aqui o que um amigo me mandou:

    renao@beatrizmorgado se trocassem a música pra macarena, por exemplo, ia passar a mesma idéia e não teria um monte de viado chato enchendo o saco

    Me desculpem por ele pelo palavreado mas concordo totalmente.
    A macarena teria o mesmo sentido…

  • leonardo

    o preconceito está nos olhos de quem vê. ou seja, quem procura, acha.
    tá na cara que quando os caras criaram isso, pensaram na pagação de vale.
    eu pensaria, pelo menos. acho que faltou um advogado do diabo pra dar a morta
    do duplo sentido, alguém como o diretor de criação. realmente poderiam ter escolhido
    outras músicas, mas de qualquer forma, é ridículo categorizar que todo mundo que dança
    YMCA ou Madonna é taxado de puto numa festa. Francamente, vão procurar o que fazer.
    No mundo onde eu vivo, quando tem uma festa e toca essa música, TODO MUNDO entra na dança
    pra pagar o vale OITENTÃO, década que, por si só, já foi um mico pra todos que dela fizeram parte.
    Madonna era palha nos anos 80. Village People era palha. Vanilla Ice era palha. A Xuxa era palha (bom, continua sendo, na real).

    como diretor de criação, não aprovaria essa campanha, embora acho que valha pro desencannes.

  • http://www.lemelao.com Marco Centenaro

    Eu concordo com a maioria. Não é possível que tem gente que ainda não percebe. Digam pra mim: Que gay usaria uma polo listrada em marrom e bege? Nenhum, é totalmente out! Logo, não há preconceito nenhum.

    Quanta bobagem viu…

  • http://flickr.com/shumiski Advan Shumiski

    “O fato de ser viado não faz com que sejam café-com-leite e que não podem ser sacaneados como todo mundo.”

    A real é…alguns homossexuais acham ofensa até chamar de viado. TUDO É OFENSA!

    E na boa…eu conheço muito gay que não tem jeito de biba-doida. SER GAY NÃO TEM NADA A VER COM SER RIDÍCULO!

    E acreditem, eu não tenho nada contra os gays, tenho contra as pessoas sem noção do mundo.

  • Daniel

    Depois de todos esses comentários eu começo a entender a lógica dos publicitários que criaram a campanha. Parece que a maior parcela dos telespectadores é burra demais para perceber a real mensagem que se está passando.

    No final das contas quem entende a mensagem é… “mal humorado e paranóico”

  • Gustavo Miranda

    Como fazem tempestade em copo de água. Pior que não percebem que isso só serve para tirar a credibilidade e seriedade desses grupos e movimentos.

    Poxa, ninguém vive sem um pouco de humor, ninguém está sendo denegrido, degradado ou ridicularizado na propaganda, não deveriam levar tão a sério isso.

    Mó lol…

  • http://tudo-aquelaverdade.blogspot.com Camila

    Adorei d este blog. Parabéns! O problema é que no meu trabalho n consigo visualizar os vídeos, bloqueado!

    Sucesso!

  • Guilherme

    Para quem não toma parte da cultura GLBT e o que seu universo comunica, realmente não há homofobia no filme. Para uma empresa que realiza um comercial de abrangência nacional, deveria incluir todos os tipos de consumidores, inclusive a comunidade gay. É claro a reprovação e discriminação.

    YMCA não é apenas uma dancinha ridícula e ultrapassada, é uma música que serviu como hino e luta dos gays pela liberdade de expressão e igualdade. É isto que ela representa na década de 70 e 80. Por isto está aí até hoje, para quem não sabe…

    Os publicitários que escolheram “YMCA”, sabiam muito bem do que tratava a canção. O comercial mostra um rapaz se rendendo a um hino gay, seus amigos (um bando de reprimidos) o condenam por isso, e o comercial toma o partido dos amigos – o pacote de Doritos no rosto do rapaz é um selo de reprovação.

    HOMOFOBIA É CRIME! E ESTE FILME DEVE SER COMBATIDO! Fiz minha reclamação ao CONAR!

  • Jonny

    Putz…
    eu já dancei YMCA…isso faz de mim gay???

    Que porra esse pessoal que olha tudo com maldade.
    Tá tri massa esses comerciais.

    Não é assim que se combate preconceito!
    Elegendo algum demonio assim. O preconceito pode estar muito mais perto. Até em vcs que estão indignados com esse VT.

  • http://tunaomediguer.blogspot.com Marcelo Pereira da Silva

    Entendo as reclamações dos gays, mas acho que eles devem refletir um pouco antes de sair crucificando o Doritos.

    O fim do preconceito significa apenas uma coisa: igualdade. Igualdade no tratamento de gays e heteros e igualdade no respeito, claro. Mas também igualdade no senso de humor e em piadas.

    Ninguém reclamou da outra propaganda. Todos acham perfeitamente normal um cara hetero ser excluído por causa da dancinha ridícula. Mas quando é um gay, a situação ganha contornos de militância. De repente, não é a dancinha que constrange os amigos; é a escolha sexual – mesmo que ela fique apenas implícita.

    O fato da maioria dos gays encararem as coisas dessa forma mostra como eles não estão preparados pra igualdade que tanto procuram. O

  • http://www.ivanbogar.com Ivan Bogar

    Merigo, sei que o assunto já ta ultrapassado mas queria expressar minha opinião. Eu vi esse comercial e não vi nada de ofensivo. A polemica criada sobre esse assunto é muito complicada, pois os homoxessuais vao sempre se achar discriminados. É a porra do politicamente correto esta acabando com o humor.

  • http://www.lemelao.com Marco

    @Jonny: Jonny, Dançar YMCA não faz ninguém ser gay. Já um nick desses e gírias do tipo “tri massa”….

    …brincadeira…é só pra manter o tal bom humor que todo mundo está falando.

  • Alexandre

    @Fabrício: Cara, sinceramente eu achei um pouco demais… “concessões de transmissão de TVs sejam revistas”. Primeiro que comerciais não são de responsabilidade da concessionária, é um espaço publicitário que é locado… e se formos barrar os comercias ‘sem sentido’ mto mais pessoas irão reclamar de falta de liberdade de expressão, da volta da censura.. bla bla bla… vai virar uma bola de neve.
    Quero deixar claro, estou dando reply no teu comentário Não pra criticar, na verdade p/ tentar expandir o foco do problema em sí!

    Imagina o que seria da MTV se fôssemos exigir coerência nos espaços publicitários dela… ia ficar uma tela preta durante os comerciais!
    Acho q como tudo nessa vida, existem as ruins e as boas, portanto isso reflete na campanha publicitária em sí com o aumento ou não da venda do produto… e certamente com aquele comercial “sem noção” da Doritos não vão me atrair como consumidor ! hehehe… não pelo fato de preconceito ou mensagens subliminares.. mas pelo simples fato do comercial ser uma droga!

  • Marcelo

    Poutz, tô de saco cheio de tanta hipocrisia nesse país.

    Mudando um pouquinho de assunto, sem sair do contexto, poderíamos considerar o seguinte…Já que a propaganda é sempre a culpada de tantos “milindres”, podíamos cogitar tbm a possibilidade de vetarmos propaganda política, afinal, mentem mto mais sobre tais produtos e vendem “materiais” de péssima qualidade. (Infelizmente o PROCON não poderia fazer nada. rs).

    Tô falando de política pq acho mto engraçado esse bando de deputado se preocupando em criar leis que vetam certos tipos de publicidade, ao invés de se preocuparem com coisas mais importantes, como redução de impostos, saúde, entre outros.

    A gordinha do Zorra Total é o arquétipo de grande parte dos brasileiros, especialmente os políticos: “Mulher com o menor tapa sexo do mundo rebolando na frente da câmera da GLOBO no Carnaval PODE!…Mulher gostosa de biquini em comercial de cerveja NÃO PODE! Filmes nacionais com nego se entupindo de cigarro e vendedores de cigarro envenenado na Sé PODE! Propaganda de cigarro NÃO PODE! Criança assaltando, matando e roubando nas ruas e usando celulares, bonecas, entre outros nas novelas PODE! Em propaganda NÃO PODE!

    Se é pra ser radical vamos viver na caverna, longe do mundo e da civilização. A maioria das pessoas tentam culpar a propaganda por não resolverem seus próprios problemas. Crianças mimadas devem ser tratadas com REFORÇO EDUCACIONAL! Ou será q a propaganda ensina índole aos filhos? Será que temos mais controle que os pais ou o governo? Apenas criamos desejos e necessidades, mas quem tem o livre arbítrio para dizer o que é certo ou errado, são eles mesmos. Será que temos o poder de formar opiniões mais fortes do que a de um pai que ensina ao filho que ser preconceituoso é legal?
    Cigarro deve ser uma questão de EDUCAÇÃO e SAÚDE. Ou tbm devemos proibir os pais de fumar próximos a um filho? Ou destinar parte da verba do cliente em prol do sistema falho de saúde? É bem capaz mesmo…

    Conclusão(Pq eu estou cansado de escrever e vcs de lerem…rs)

    Nós, publicitários, estamos fu*&#@! Somos culpados por crianças desobedientes, pessoas com câncer de pulmão, homens tarados por gostosas, poluição visual, entre outros.

    É melhor se preparar, pois de agora em diante as “brainstorms” serão realizadas em salas de reuniões especiais. Trancadas a sete chaves contra a concorrência, com iluminação artificial e grades bem resistentes para os clientes não fugirem.

  • http://www.gustavodon.zip.net GUSTAVO DON

    Os publicitários que escolheram “YMCA”, sabiam muito bem do que tratava a canção. O comercial mostra um rapaz se rendendo a um hino gay, seus amigos (um bando de reprimidos) o condenam por isso, e o comercial toma o partido dos amigos – o pacote de Doritos no rosto do rapaz é um selo de reprovação.

    Piadas com orientação sexual e cor de pele, não tem graça alguma !

  • Marcelo

    Na boa…Estamos nos tornando chatos demais!
    Na Alemanha, país que, culturalmente, não possui o mesmo “oba-oba” tipicamente brasileiro, existem comerciais com nu frontal.

    Parece até que vivemos em Marte. Isso aqui é Brasil, país tropical, fábrica de talentos em diversas áreas, exportador de matéria-prima, que inspira e respira sensualidade, pow…Uma das maiores festas voltadas ao público GLS acontece aqui no Brasil. Não é possível que só agora isso seja alardeado dessa forma infantil e babaca.

    A Índia e a Indonésia, culturalmente e religiosamente, são bem diferentes do Brasil. Estão detonando em propaganda, estão na moda em vários quesitos e aposto que ninguém lá fica com essas frescuras sobre os “danos causados pela mensagem publicitária”.

    Como fora dito por um dos executivos do próprio cliente, “YMCA” é um hino de uma geração, não de um determinado nicho. Pagaram os direitos para usarem em um comercial e pronto. Agora vamos ficar com essas “melindragens” de “ai, me senti ofendido pela propaganda por causa da trilha”?

    Sabe o que dá a impressão? De que algumas pessoas ficam o tempo todo prestando atenção em campanhas publicitárias, procurando brechas para moverem ações por danos morais, entre outros.

    Quer mais imoralidade do que na política brasileira?

    Agora, Gustavo Don, me diga uma coisa…Se houver um comercial aloprando um portuga, insinuando que ele é burro, ou fazendo associação entre um oriental e “preços pequenininhos”, como já foi feito, se não me engano, pela Marabraz, tá tudo bem? Gays e negros são exceção, é isso? Então, meu amigo, acho que quem tá sendo preconceituoso é vc.

    Pensando um pouco além, talvez até viajando, sabemos que o público gay tem grande potencial de consumo. Em outros países a segmentação a este público não é latente como no Brasil. Será que uma agência séria e conceituadíssima como a AlmapBBDO, que tá careca de fazer pesquisas de mercado, não seria idiota de fazer algo desprezando esse tipo de público?
    Eu acho que o objetivo principal deles e o do cliente foi alcançado.

    Fazer uma campanha usando um mote que tem a ver com o mundo dos jovens, essa coisa da alopração, de adolescente, de ficar colocando apelidos e brincando, chamando os amigos de bichinha só pq usam camiseta rosa faz parte da nossa vida. A comunicação absorve o que acontece na vida das pessoas e usa isso como conceito até mesmo pra que haja empatia com o público. Apóio a Almap e especialmente o cliente, que teve a “ousadia” de aprovar e entender que o público alvo compreenderia e se identificaria com a mensagem.

    Encaro toda essa repressão à publicidade como uma babaquice que só acontece por aqui. Na hora de nos revoltarmos contra impostos absurdos como o IPVA, essa tal de inspeção veicular, entre outras coisas, o povo brasileiro fica pianinho. Agora pra detonar a propaganda todo mundo se une.

    Propaganda se faz com seriedade, encarando a nossa profissão como uma maneira de fazer parte da cultura popular, como o Olivetto fez tão bem em suas campanhas, usando, inclusive, um personagem classificado por muitos como “afeminado”, delicado, pra se aproximar das consumidoras de Bombril.

    Pra terminar…Ninguém mandou processar a Globo pelo incidente numa novela de grande audiência, em que o ator que interpretava um homossexual usava a camisa do São Paulo, não é? Se isso fosse uma propaganda, com certeza teria sido exterminada e massacrada por todos.

    Bom, vou dormir que eu ganho mais.

  • Marcelo

    Esqueci de mais uma coisa…Em resposta ao post 112, da Juliana, gostaria de dizer que já no primeiro link sugerido, de um site chamando Farinhada, o cara já se equivoca dizendo que não vendemos políticos e que tudo o que é feito em torno da comunicação não é capaz de ganhar uma eleição.

    Acho que ele e vc precisam ler um pouco mais sobre o que foi feito com o Lula, brilhantemente assessorado por Duda Mendonça, além da campanha do Barack Obama, com tópicos excelentes do Merigo cobrindo uma das campanhas mais brilhantes de todos os tempos.

    Que ironia, não é? Um negro e um analfabeto(não me processe, não estou sendo preconceituoso, ele mesmo se classifica dessa forma) eleitos por propagandistas de primeira. Isso só reforça o que já foi dito sobre todo essa babaquice em torno da publicidade. Quando é feita de forma a atender interesses VALIOSÍSSIMOS, ela é perfeita, qdo feita para clientes comuns, marcas que gostam de revolucionar e que trazem reais benefícios ao povo e à economia, ela é preconceituosa.

    OBS: Não estou criticando os links q vc colocou, mas as opiniões deles têm o mesmo peso das nossas e são passíveis de discussão. Da forma como vc colocou, parecem que são fontos inatingíveis, totalmente donos da verdade absoluta…

    E outra…Ninguém nega o preconceito. Apenas não quer ser hipócrita a ponto de afirmar que apenas a publicidade é nociva à sociedade. Que reinvidiquem a história, a própria sociedade e a politicagem em torno de assuntos totalmente fora da realidade. Devemos acordar sim, mas para o país legítimo em que estamos vivendo. Ninguém aqui faz como certos políticos que gastam o nosso dinheiro em verba publicitária pra afirmar que crise só existe nos EUA. E que o Governo vigente é maravilhoso e tudo mais.

    Preguiça de pensar tbm não temos. Não é à toa que estamos discutindo um assunto de suma importância para o futuro da publicidade e, pq não, da sociedade brasileira. Preguiça o povo brasileiro tem, aliado ao medo, de reinvindicar direitos essenciais à nossa sobrevivência. Tá na hora de começar a enxergar a raiz de todo o problema. De perceber que o problema vem lá de baixo e que foi plantada há muito tempo atrás sem adubo…mas com merda mesmo.

    (x¿x)

  • Marcelo

    Sem querer ser chato…rs

    Ao Fabrício do post 15.

    Sei que algumas questões sobre gosto são subjetivas. Que vc tem todo o direito de não curtir a campanha e tal…Mas vir num post sobre determinado assunto e ficar detonando os filmes de possíveis colegas de profissão, é algo “meio” sem noção. Propaganda tem de agradar ao público-alvo, não a jurados de Cannes. Que nem aquele povo que critica propaganda “varejão”(Casas Bahia, entre outros), mas quero ver ser bom o bastante pra criar algo criativo, vendedor, com deadline estourando e aprovar de boa.

    Se vc é da área, e deve ser daqueles criativos “fodões”, você bem que poderia sugerir algo mais criativo e pertinente ao produto. Pq quando alguém critica o trabalho de um colega de profissão, é pq tem algo melhor a oferecer.

    Uma porrada de gente(de fora da PP), especialmente grande parte do pessoal que faz facul pra ter diplominha pro papai, acha que fazer propaganda é fácil. Que vão pegar uns puta clientes, tipo, Coca, Apple, entre outros, criar uma puta sacada, um texto com vários trocadilhos, uma arte digna de Cannes e jogar para os caras aprovarem.

    Não tô puxando o saco dos caras e nem faço parte do staff de criação da Almap, mas bem que podíamos parar com esse papinho amador.

    É fácil criticar. Difícil é criar e aprovar agradando a todos.

    Voltando ao assunto da Doritos, concordo com o Lucas do post 24(nº sugestivo, hein – sem preconceitos, por favor, apenas coincidência.rs). Essa coisa de politicamente correto irrita. Aliás, o termo “políticamente correto” deveria ser slogan dos nosso políticos. rs

    Vamos viver a vida, se ocupar ao invés de se preocupar. Chega de babaquices e tudo mais. Esse país já é uma zona mesmo, não sei o porquê de tanta “melindragem”.

    E sobre as músicas sugeridas…”Macarena” tá mais do que manjada em publicidade. Os caras escolheram essas trilhas e pronto. Não foi tendencioso, talvez tenha sido até por questões comerciais, direitos, sei lá. O que tem de mais? Drag Queens são engraçadas, não são apenas ícones da homossexualidade. Nada tem de ser taxado. Se um cara curte Madonna significa q é viado? Ou como disseram aeh, um cara que vai ao casamento e dança YMCA é viado? O Costinha que imitava viado era viado?

    Pow, escolheram YMCA e Madonna pq é demodê…Pq é brega ver os torcedores no intervalo dos jogos da NBA ou da Major League dançando YMCA. Pq é engraçado ver uma Drag Queen cantando “Like a Virgin”, ou um comediante imitando viado.

    Enfim…É tanto “porquê” que mais uma vez volto a afirmar que parecemos estar num julgamento, num interrogatório em delegacia.
    Propaganda não precisa explicar tanto. Precisa comunicar e ser compreendida. Simples assim. rs.

  • Téo Marcus

    @Marcelo: Não sei se você percebeu. Mas acredito que muita gente não entendeu. Pelo menos não do jeito que a AlmapBBDO e a Pepsico queriam.

    Mas, sem ficar alongando ou causando demais, até porquê já teve muito alarde (justificado ou não), eu não acredito que o lance está na trilha. Eu acho que o comercial não faz piada engraçada. Onde estava a graça? … quem estava rindo nos filmes? … Acho que a polêmica foi gerada pelo TOM DE REPROVAÇÃO principalmente do primeiro filme. Não senti vontade de rir, nem gostei. Minha mulher e filhos (uma adolescente) também não deram risada. Ficou aquele silêncio de clima constrangedor. Talvez eles não achem preconceituoso, mas também não foi legal. E eles nem sabem que gerou essa polêmica toda.

    Eu, particularmente, achei de mal gosto e me deixou com uma sensação ruim ao final. Era isso que a Pepsico queria que eu sentisse?

    Acredito que todos aqui já foram motivo de piada alguma vez na vida. E quem tem bom humor sabe como lidar com isso. Mas existem ofensas que são camufladas nas “piadas”. E também acredito que todos aqui SENTEM quando alguém está com má intensão. O que faz a diferença é o TOM DA PIADA.

    Não acredito que a intensão da AlmapBBDO era má. Mas, em algum momento da criação ou durante a produção, alguém deveria ter usado melhor o “feeling” para perceber que ficou fora do tom. E ficou, senão não teria causado tanta polêmica.

    Desculpem-me por mais um post longo.

  • Marcelo

    * Aviso: Se vc tem preguiça de ler posts “mega gigantescos”, com conteúdos maçantes e de qualidade duvidosa, nem comece a ler o que vem a seguir…

    Certo dia minha mãe estava comigo na sala vendo TV e no intervalo do programa vimos o comercial da Twix, coincidentemente criado pela AlmapBBDO. Eu rachei o bico e achei brilhante, porém, ela o classificou como:”Imbecil”. Disse que parecia um bando de retardados. Minhas primas, um pouco mais jovens que eu, adoraram e, inclusive, comentaram comigo. PQ SERÁ?
    Minha mãe nem sabe o que é Twix e não entendeu o humor e o tom meio “nonsense” da campanha.
    Téo, se vc entrou aqui, possivelmente deve ser do mercado publicitário, ou se interessa pelo assunto. Não é difícil entender, “sem preconceitos”, que o comercial não foi voltado única e exclusivamente para você ou para os gays. Propaganda de massa é para a maioria, especialmente de um público-alvo pré-definido e embasado em pesquisas sérias.
    Pode até ser que consuma Doritos, seja fã e compre para a sua filha de vez em quando, mas se fizéssemos publicidade para agradar cada consumidor, talvez fosse melhor fazer panfletagem. Iríamos antes na casa de cada consumidor, entender o que ele pensa e segmentaríamos o panfleto a cada um deles. Louco, né?
    Sei que posso estar sendo ofensivo ou ácido nos comentários, escrevendo DEMAISSSSS, rebatendo respostas, mas é essa a intenção. Discutir sobre os novos rumos da propaganda. Que, aliás, me preocupam bastante. O q eu quero dizer é que devemos parar com esse maniqueísmo ridículo, apontando quem é o vilão ou o mocinho dessa história. Quem deve ser julgado ou não. Nós, brasileiros, talvez não tenhamos consciência o bastante para julgarmos, afinal, crescemos vivendo e aprendendo que o Brasil é um país dominado pela impunidade. (Menos a propaganda, é claro.rs)
    A propaganda não deve ser apontada como a única culpada por isso. Ou vc, se for da área, está se sentindo confortável com esse monte de leis que querem proibir o uso de crianças em propaganda, o uso de mulheres gostosas em propaganda de cerveja, entre outras babaquices incoerentes? Acho que nossas preocupações vão muito além disso. É cultural, histórico, enfim, envolvem outras formas de comunicação. Pq só a propaganda?
    Se não tivéssemos lido esse post sobre a polêmica, talvez nem estaríamos discutindo sobre isso. Até respeito o seu constrangimento e a sua opinião sobre o comercial, mas vc realmente assistiu ao filme antes de ter acesso ao tópico sobre a repercussão negativa? Com certeza quem poderá dizer ou não se houve tanta polêmica assim é a própria Pepsico, por meio de uma pesquisa.
    Queira ou não, somos do meio, e nossa opinião pesa. Somos consumidores sim, mas acima de tudo, somos publicitários e, a grande maioria, está opinando do ponto de vista profissional.
    Não creio que eles tenham errado ou deixado algum detalhe passar, afinal, ninguém tá lá de brincadeira e a Almap não é uma das melhores agências do mundo à toa. Nem é questão de perfeccionismo ou vaidade, mas há todo um processo antes da campanha ir ao ar. A aprovação do cliente é crucial. Será que um cliente como a Pepsico, com o Doritos, que vem fazendo uma campanha Global mto bem trabalhada, seria louca ou desatenciosa a ponto de deixar passar certos detalhes?
    Daqui a pouco teremos de contratar um profissional para detectar possibilidades. Talvez uma pessoa da área jurídica responsável por apontar possíveis ações que possam denegrir o produto. Imaginem vcs como seria a cara da propaganda com um profissional como esse ao seu lado. “Olha, Sr. Redator, vc não pode escrever isso pq de acordo com o artigo tal, a palavra ‘Compre’ é imperativa demais”. “Sr. Diretor de Arte, essa imagem com a garota gostosa abocanhando um Doritos pode gerar algum processo por pornografia, pois sugere algo relacionado a sexo oral”.
    Olha, desculpa se pareço estúpido ou se escrevo demais. Ninguém é obrigado a ler tópicos gigantescos como os meus, seja o conteúdo considerado baboseira ou não. Só digo o que acho como publicitário e consumidor. E posso afirmar que estou mto mais preocupado com os impostos q tenho a pagar e a criminalidade neurótica que nos ameaça, do que com esses “melindres” de gente fazendo pré-conceitos sobre determinadas propagandas.
    Uma coisa é certa…Publicitário com “preguiça” de ler é brincadeira.
    E obrigado por se desculpar(diretamente ou indiretamente) por mim em relação aos posts longos.

  • http://www.lemelao.com Marco centenaro

    Merigo, esse post vai bater o Estadão Vs blogs em número de comentários.

    Acho que deveríamos transformá-lo em um chat. E aí pessoal, o que acham?

    Garanto que o Marcelo iria gostar.

    Aliás, parabéns Marcelo. Você argumenta muito bem, concordo com a maior parte dos pontos que você levantou.

  • Alexandre

    ” O “viado” aqui vai continuar reclamando, gritando e sendo chato. Só assim para gente ignorante como você e a corja que se vê nesse fórum compreender que atitudes individuais de preconceito, como estas, é o que alimenta atitudes mais graves, como espancamentos e assassinatos. Afinal, a diferença entre você, que acha que viado tem que ficar calado, e um nazista, que efetivamente calou milhares de homossexuais, é só um pouco de poder.

    Se não gosta de minorias, vá morar no Sudão.”

    Olha só o comentário deste cidadão. Ninguém aqui está falando de cessar a liberdade de expressão ou coisa parecida. Sabe qual é a questão, meu camarada? É que grande parte dos gays de hoje gostam de fazer alarde por qualquer coisa. Se sentem atraídos pela mídia, pela bagunça, pelo atropelo das coisas. A propaganda não tem nada a ver com gay. Só pq a bendita música tocou num filme gay ou por um cantor gay, ela só pode ser usada por gays ?Quanta alucinação. Quer dizer que My heart will go on só poderá ser tocada dentro de navios?

    Vcs estão viajando na maionese. Felizmente, alguns homossexuais aqui sabem qual o significado da palavra liberdade. Como vocês não toleram isso para os outros, já que a única verdade é a de vocês, começam a fazer escândalos em torno de nada. E o pior, ganham o apoio das mulheres, que são tão ” sensíveis ” como vocês e lutam a tantos e tantos anos por direitos e mais direitos.

    Mas na hora de dividir um conta no restaurante, o responsável é o MACHO. Na hora de ir para a guerra, só podem homens. Na hora de fazer uma propaganda, CUIDADO: Esta música é gay ! Cansei dessa abobrinha.

  • Marcelo

    É, acho que o José Carlos, do post 157 tem razão. Tem gente que tá precisando se tratar psicologicamente. Aliás, “corja”, que eu saiba, é a designação de pessoas desclassificadas que, sem saber o que falam, começam a berrar coisas gravíssimas, como a comparação de pessoas do bem a nazistas.

    Se o cara que comentou essas baboseiras, “replicadas” pelo Alexandre, não sabe a história do Holocausto, sobre os horrores e atrocidades promovidas pelos nazistas, o melhor é não sair por aí falando merda. Ninguém aqui, além de vc mesmo, está sendo preconceituoso.

    Ninguém aqui é a favor do preconceito, muito menos simpatizante do nazismo, apenas não ficamos o tempo todo procurando argumentos para que comerciais sejam tirados do ar sem fundamento. Como já foi dito antes, a propaganda no Brasil faz parte da cultura popular. Nego comenta no ponto de ônibus, cantarola um jingle que ouviu na TV, enfim, encara a propaganda de forma sadia.

    Algumas pessoas é que gostam de fazer “Tsunami” em copo d´agua.

    Quanto ao que o Marco falou sobre chat, topo na hora. E concordo que os posts daqui vão bombar e bater os do Estadão. rs

    Acho que não se trata apenas de defender a profissão, mas mudar a forma como o brasileiro se comporta, impotente e indiferente aos problemas políticos e sociais e totalmente radical em questões de menor relevância. Se continuarmos pensando o tempo todo de forma neurótica, como disse o José Carlos, não vai demorar muito para que o desemprego aumente, como na época em que vetaram campanhas de cigarro, entre outras tolices.

    Detalhe incoerente: Com a proibição da propaganda de cigarros, um grande número de pessoas perderam seus empregos, os fumantes não deixaram de fumar e o número de jovens fumantes aumentou assustadoramente. E o pior de tudo. Os desempregados foram trabalhar no mercado informal, tipo, vender cigarros falsificados em diversas regiões do Brasil. hahahaahahahahaahahahahaha. É mta incoerência para um país só.

  • Daniel Rodrigues

    @Marcelo:

    Marcelo, não falou diretamente para mim. Mas achei relevante apontar algumas falas suas:

    “Sabe o que dá a impressão? De que algumas pessoas ficam o tempo todo prestando atenção em campanhas publicitárias, procurando brechas para moverem ações por danos morais, entre outros.”

    Ninguém moveu ações por danos morais acerca dessa campanha.

    “Será que uma agência séria e conceituadíssima como a AlmapBBDO, que tá careca de fazer pesquisas de mercado, não seria idiota de fazer algo desprezando esse tipo de público?”

    A julgar pelo nível discriminatório da campanha, sim, ela seria ( e foi ) idiota a esse ponto.

    “chamando os amigos de bichinha só pq usam camiseta rosa faz parte da nossa vida.”

    Não, isso faz parte da vida de gente burra sem educação, ignorante e desrespeitosa, que não tem intelecto o suficiente para elaborar “piadas” engraçadas e a mesmo tempo respeitosas.

    “Olivetto fez tão bem em suas campanhas, usando, inclusive, um personagem classificado por muitos como “afeminado”, delicado, pra se aproximar das consumidoras de Bombril.”

    Não tente distorcer as coisas. O que você chama de “afeminado” no personagem nunca foi o alvo de ojeriza e repressão tal como a propaganda em questão. A propaganda da Doritos é incentivadora de preconceito e discriminação. Quem não vê, é porque é tão canalha quanto os “amigos” do rapaz que dança YMCA.

    “Propaganda se faz com seriedade”

    Estamos esperando a seriedade.

    “Ninguém mandou processar a Globo pelo incidente numa novela de grande audiência, em que o ator que interpretava um homossexual usava a camisa do São Paulo, não é? Se isso fosse uma propaganda, com certeza teria sido exterminada e massacrada por todos.”

    Não entendi. Dá para explicar? Usar camisa do São Paulo é algo pejorativo?

    “Um negro e um analfabeto(não me processe, não estou sendo preconceituoso, ele mesmo se classifica dessa forma)”

    Desconheço tal declaração do Lula. Mas de qualquer modo, ele não é analfabeto em quaisquer acepções da palavra. “Quando é feita de forma a atender interesses VALIOSÍSSIMOS, ela é perfeita,”

    Parece correto. Deveria ser diferente? A publicidade também deve ter o mínimo de ética.

    “qdo feita para clientes comuns, marcas que gostam de revolucionar e que trazem reais benefícios ao povo e à economia, ela é preconceituosa.”

    Que marca gosta de revolucionar? A Elma Chips? Onde? Que eu saiba, ficar repetindo velhos preconceitos não tem nada de revolucionário. E que benefícios trouxe para o povo e para a economia? Não seja ingênuo, rapaz. O único lucro que ela almeja é para si mesma.

    “E outra…Ninguém nega o preconceito.”

    Mentira. É o que estão tentando fazer desde o início dessa questão. Tentam negar o tempo todo. E quando ela se torna evidente, tentam legitimá-la falando que “faz parte da cultura” ou que quem não ri desses preconceitos é mal-humorado.

    “Apenas não quer ser hipócrita a ponto de afirmar que apenas a publicidade é nociva à sociedade.”

    Não é só a publicidade. E só que é muito desinformado acha que não é feito nada nos outros âmbitos. Mas infelizmente o que se percebe é que a publicidade por vezes escolhe ser parte do problema e não da solução. Ainda bem que existem exceções. Enquanto essa propaganda escrota da Elma Chips tenta colocar o preconceito e discriminação como algo “cool”, outras como a d pomada Nebacetim estão no extremo oposto e realmente parece ter em seus pilares a diversidade e inclusão.

    http://www.youtube.com/watch?v=C1wA3jRZ6Gk&eurl=http://www.glsplanetmovel.com.br/blogs/index.php?itemid=39&feature=player_embedded

    “Não foi tendencioso, talvez tenha sido até por questões comerciais, direitos, sei lá. O que tem de mais?”

    Tem de mais que o que motivou o cunho “tendencioso” da escolha é o que denota que ela e preconceituosa.

    “Drag Queens são engraçadas, não são apenas ícones da homossexualidade.”
    Drag Queens são “engraçadas” e são ícones gays. Se você fizer uma propaganda com o cunho repressor contra a Drag Queen tal como é feito nessa campanha Doritos contra o cara que gosta de YMCA, você estará sendo explicitamente homofóbico. Simples assim.

    “Nada tem de ser taxado. Se um cara curte Madonna significa q é viado? Ou como disseram aeh, um cara que vai ao casamento e dança YMCA é viado? O Costinha que imitava viado era viado?”

    Antes de tudo: “viado” é bicho, não gente. Só burros e antas(para continuar usando termos do reino animal)não sabe disso.Segundo, já foi dito para quem quisesse entender (mas parece que muitos gostam de se fazer de desentendidos) que a questão não é o cara ser ou não homossexual por gostar da música, mas sim a ação preconceituosa e explicitamente repressora ao ver um cara cantando um hino gay.

    ”Pow, escolheram YMCA e Madonna pq é demodê…”

    Você está falando dessa mesma Madonna que veio ao Brasil há pouco tempo e arrastou milhares de gente para ver seus shows? Isso é démodé? Então acho que todos os artistas irão querer ser démodé a partir de agora! Rs

    “Propaganda não precisa explicar tanto. Precisa comunicar e ser compreendida. Simples assim. rs.”

    É mesmo. Fato é que os publicitários não gostaram que as pessoas entenderam o quanto essa propaganda é discriminatória. Simples assim.

    “Nós, brasileiros, talvez não tenhamos consciência o bastante para julgarmos, afinal, crescemos vivendo e aprendendo que o Brasil é um país dominado pela impunidade. (Menos a propaganda, é claro.rs)”

    Ah, entendi!!! Então o que a propaganda quer é uma pontinha dessa impunidade também, né? Deveria ter falando antes! Teria esclarecido muita coisa.

    “Acho que nossas preocupações vão muito além disso. É cultural, histórico, enfim, envolvem outras formas de comunicação.”

    Bom, há pouco falaram que a preocupação é agradar o público alvo. E o público alvo dessa propaganda certamente são os idiotas preconceituosos homofóbicos. Devem estar se entupindo de Doritos dizendo: “Iupiiiii!! É legal ser preconceituoso! Sou ameba… mas não estou sozinho!!!”

  • Alexandre

    Daniel, viajou total.

  • Daniel Rodrigues

    @Alexandre:

    Alexandre,

    considerando o teor preconceituoso e machista da sua postagem de número 182, e a sua incapacidade de ver a propaganda em questão tal como ela é, você dizer que estou “viajando” é um elogio. Para quem gosta de contemporizar tudo, qualquer crítica mínima é “escândalo” e “sensibilidade exacerbada”. Acho que você precisa entender mais sobre as formas de manifestação do machismo e da homofobia ao invés de ficar resmungando que os gays cerceiam a “libertinagem” homofóbica (que vocês querem chamar de liberdade) e que as mulheres conquistam direitos enquanto vocês não fazem nada além fazer propagandinhas preconceituosas.

    Obrigado pelo elogio.

  • Guilherme Huss

    DANIEL RODRIGUES, COMENTÁRIO 184:

    VOCÊ É O CARA!!!!

    ESCREVEU TUDO EXATAMENTE COMO É… ADORARIA QUE A “PREMIADA” ALMAPBBDO TIVESSE UM MINUTINHO DE LEITURA AO SEU POST. MAS ACHO QUE ELES NÃO PODEM PERDER 1 MINUTO NÃO É? ESTÃO FAZENDO SUAS INSCRIÇÕES PARA CANNES NESTE EXATO MOMENTO… LOOSERS!

    MAS ELES DEVERIAM SABER QUE UM DIA SE GANHA PRÊMIOS, OUTRO, PERDE-SE CLIENTES E NO OUTRO VOCÊ LEILOA AS BANCADAS DE VIDRO E OS TAPETES IMPORTADOS… rsrsrs.

    BOM, MINHA FAMÍLIA E AMIGOS NÃO CONSOMEM MAIS PRODUTOS DA SRA PEPSI CO.

    EU JÁ FIZ MINHA DENÚNCIA AO CONAR…

    PARABÉNS PELA CLAREZA E LIBERDADE DE SEUS PENSAMENTOS!

  • http://twitter.com/shumiski Advan Shumiski

    Juro por Obama, que to assustado com as coisas que to lendo aqui!

    Vamos lá. Segundo a Wikipedia:

    HOMOFOBIA (homo= igual, fobia=do Grego φόβος “medo”), é um termo utilizado para identificar o ódio, aversão ou a discriminação de uma pessoa contra homossexuais ou homossexualidade, ou genericamente de modo pejorativo, qualquer expressão de crítica ou questionamento ao comportamento homossexual.

    HOMOSSEXUALIDADE é o atributo, a característica ou a qualidade de um ser — humano ou não — que é homossexual (grego homos = igual latim sexus= sexo) e, lato sensu, define-se por atração física, emocional e estética entre seres do mesmo sexo.

    Mais uma vez pra quem não entende o que define um comportamento homossexual:

    Homossexualidade: define-se por atração física, emocional e estética entre seres do mesmo sexo.

    Mais uma vez…

    Homossexualidade: define-se por atração física, emocional e estética entre seres do mesmo sexo.

    Existe algum homossexual na propaganda?
    O “reprimido” do comercial, demonstra algum tipo de atração pelos amigos?

    NÃO!

    REPITINDO:

    “…qualquer expressão de crítica ou questionamento ao comportamento homossexual.”

    Precisa definir denovo o que é comportamento homossexual? Ou já deu pra compreender?

    Repito, ser gay, não significa ser ridículo!

    Então não existe homofobia! PONTO FINAL.

  • Marcelo

    Resposta ao DANIEL RODRIGUES DO POST 184

    Primeiro…Eu não “falei”…Eu escrevi. Isso é um blog, não uma reunião ou encontro para discutir olhando olho no olho. Pode ter certeza de que se eu falasse seria de uma forma um pouco mais ríspida, “gesticulada” e incisiva. É beeeeeem diferente…Sabe pq? A minha indignação com essas babaquices não podem ser tão visíveis por um meio tão impessoal, como um blog. Se eu falasse, seja via webcam ou pessoalmente, com certeza vc entenderia melhor o que eu realmente quero dizer. E não esmiuçaria o q escrevo pra rebater como se tivesse embasamento para tal.

    Você entendeu a minha frase:”Sabe o que dá a IMPRESSÃO?”????
    Sabe o significado de “impressão” nesse contexto? Não precisa ser tão inteligente pra entender que não foi uma afirmação. Não disse que foram movidas ações por danos morais.

    Com certeza vc não sabe nada sobre propaganda. Não sabe absolutamente nada sobre a história da Almap, uma agência capaz de transformar chinelo de pedreiro(sem preconceitos) em objeto de desejo de celebridades hollywoodianas. Uma agência que tem o menor turnover de clientes, pois eles realmente confiam na capacidade intelectual, mercadológica e técnica dos seus profissionais.

    Disputam e se preocupam com prêmios em Cannes sim, mas alguém aeh ao ouvir um “Faz um 21” se lembra de outra operadora que não seja a Embratel? Ao pensar “As legítimas” ou “Você conhece, você confia”, associam a alguma outra marca que não seja Havaianas e VW, respectivamente? Diferentemente de outras agências, que criam coisas “policamente corretas”, lindas, conceituais, mas que fazem com q o cliente não se lembre do produto, da marca.

    Volto a dizer e jurar q não sou da Almap. Mas admiro e assumo, sem dor de cotovelo, talvez com uma pontinha de inveja(da boa), de como funciona a comunicação nessa agência. Sou fã do Olivetto e do Nizan tbm, mas ninguém faz propaganda, sem querer aparecer mais que ela, do que Marcelo Serpa. Sei do que estou falando, diferentemente de vc, que motivado pela lebre levantada por uma minoria, julga uma campanha idiota e discriminatória sem ao menos entendê-la. Garanto que se alguém não tivesse falado nada, ninguém perceberia o conteúdo que está sendo alvo de tanta discussão.

    DANIEL: “Não, isso faz parte da vida de gente burra sem educação, ignorante e desrespeitosa, que não tem intelecto o suficiente para elaborar “piadas” engraçadas e a mesmo tempo respeitosas.”

    Vc é desse planeta? Já comeu ovo roxo em boteco de periferia? Comeu pão com mortadela e tubaína? Já colocou taxinha em cadeira de professora? Já sacaneou algum amigo numa viagem, tipo, passar pasta na cara e tirar foto? Já colou em prova de geografia? Pois é, meu amigo, te garanto que mais de 90% dos brasileiros já fizeram isso. Inclusive, tirar um sarro de um amigo por usar camiseta rosa, o que ao meu ver, não tem nada de mais. Eu uso, inclusive. Pra vc isso é uma ofensa? Um amigo tirar um sarrinho do outro? Para grande parte do povo isso não se chama preconceito ou exclusão, se chama:”sociabilidade”, “interatividade”,”felicidade”. São ritos de passagem…Todo mundo na vida já foi aloprado. Grande parte das pessoas formadas passaram por trote e depois deram o troco. Será que vc vai ser contra isso tbm?

    E o que a propaganda faz? Utiliza e retrata o cotidiano das pessoas, o comportamento de consumidores, seus hábitos e costumes. Burro é aquele que não enxerga que a vida é curta e fica preocupado com questões idiotas, se achando politizado e intelectualizado o bastante para julgar cultura popular, comportamentos, enfim, tentando ir contra o que grande parte dos consumidores potenciais de diversos produtos considera inofensivo, engraçado, ou babaca. Menos preconceituoso…

    “Piadas engraçadas e ao mesmo tempo respeitosas?”. Faça uma sessão espírita e mande, via psicografia, todo esse conteúdo para caras como o Costinha, que imitava brilhantemente uma “bichinha”(como ele mesmo dizia). Esse país é uma piada, a política é uma piada, o comportamento de certas pessoas é uma piada, mas estão longe de serem respeitosas. E é exatamente com isso que vc deveria se preocupar. Se quer culpar a propaganda por causa disso, aproveite e já faça uma lista que inclua políticos, atores, humoristas, o próprio povo, enfim, pode me colocar no meio. Aí posso até concordar com vc. Ajudo até a fazer um abaixo assinado. rs

    DANIEL: “Não tente distorcer as coisas. O que você chama de “afeminado” no personagem nunca foi o alvo de ojeriza e repressão tal como a propaganda em questão. A propaganda da Doritos é incentivadora de preconceito e discriminação. Quem não vê, é porque é tão canalha quanto os “amigos” do rapaz que dança YMCA.”

    Vi três palestras com o Olivetto. A escolha do Carlos Moreno foi minuciosamente feita com base em pesquisa junto às consumidoras. Queriam alguém que entendesse a mulher, que fosse delicado para explicar os benefícios do produto, passivo, de certa forma “afeminado”. Citei isso pra vc perceber, que mesmo alguns caras tirando sarro na época, classificando o cara como “bichinha”, ele agradou a todos e, especialmente, às mulheres, CONSUMIDORASSSSS, do produto. Essa é a função da propaganda. Não tem de agradar uma minoria, tem de agradar ao público.

    “Ojeriza”, “Repressão”…Só vc e mais meia dúzia de gatos pingados concordam…rs. Cara, pra encerrar esse assunto. Não compre mais Doritos. Aí se alguém for ao mercado com vc e pegar um doritos, perca o seu precioso tempo dizendo:”NÃO COMPRE ESSA MERDA, PQ NO COMERCIAL OS CARAS FORAM PRECONCEITUOSOS!”. Das duas uma…Vc pode dar sorte da pessoa ser simpatizante, concordar, mas mesmo assim levar pq gosta do produto, ou ser taxado de idiota. Rs. Reparou que vc perdeu o seu precioso tempo pra combater algo que milhares de outros meios estão cansados de difundir?
    O que tem de mais na minha frase: ”Propaganda se faz com seriedade”? Achou incoerente? Quer propaganda séria? Manda um roteiro pra PEPSICO, talvez eles achem a sua idéia brilhante, mandem a ALMAP para o beleléu e montam uma House Agency com vc capitaneando tudo. Rs

    Vc exigir seriedade em propaganda política até vá lá, mas seriedade em propaganda de Doritos? Hahahahahahahahaha. Tipo: “Compre o pacote, abra o pacote, pegue um Doritos com delicadeza, abra a boca, e saboreie com moderação, pois pode engordar ou provocar hemorróidas”. É…Realmente vc tem razão. “Dá pra fazer piada com seriedade”. Rs

    Sobre o episódio da Globo, eu me confundi num detalhe, que não muda em nada sobre o bafafá que deu na época, quando o ator, que interpretava um homossexual, briga com Halley pq quer que o filho da personagem da Débora Secco seja São Paulino. Dá uma olhada aeh: http://www.youtube.com/watch?v=lv87U8cGTO0

    Realmente fizeram um alarde na época, mas ninguém mandou tirar a novela do ar. Se fosse propaganda, com certeza seria vetada. São Paulino não gosta de ser chamado de Bambi, mas faz parte da cultura popular. Coisa de rivalidade no futebol, de conversa de mesa de bar, de motoboys na rua, de pessoas no trabalho. Ué, se querem tirar do ar uma propaganda, pq os São Paulinos não mandaram tirar a novela do ar? Óbvio, levaram na esportiva. Rs…Pq sabem que não vai mudar nada. Os amigos continuarão aloprando, a mídia vai continuar explorando, e vc vai fazer o q? Vai brigar com todo mundo? Vai processar todo mundo? É aquela história. Quanto mais vc acha ruim, mais seus colegas te alopram.
    Cara, vc tbm desconhece a brilhante declaração do Lula dizendo que “NASCEU ANALFABETO(como se alguém nascesse sabendo ler e escrever.rs) e que tem orgulho disso?”. Tá maus, hein…

    Sobre o que eu disse sobre o Obama e o Lula, leia o texto inteiro. Talvez vc consiga entender o que eu quis dizer. Se vc fala em “ter o mínimo de ética” na publicidade, vai até concordar comigo. Propaganda política nunca é tirada do ar, pq atende a interesses VALIOSÍSSIMOS, entende o que eu quero dizer ou precisa ser mais explícito?rs. Diferentemente da propaganda feita para produtos e marcas, que realmente movem a economia do país. O raciocínio é simples! Grande parte do povo faz uma tempestade em copo d´agua por coisas que não precisam e deixam outras coisas mais importantes passarem, ou seja, se mandam tirar propagandas de produtos por se sentirem ofendidas,que façam o mesmo com os políticos. (Ah, cansei, não vou explicar mais…Quem tinha de entender já entendeu)

    DANIEL: “Que marca gosta de revolucionar? A Elma Chips? Onde? Que eu saiba, ficar repetindo velhos preconceitos não tem nada de revolucionário. E que benefícios trouxe para o povo e para a economia? Não seja ingênuo, rapaz. O único lucro que ela almeja é para si mesma.”

    Sinta-se lisonjeado. Essa foi a MAIOR TOLICE QUE JÁ LI EM TODA A MINHA VIDA.rs. Nem perderia o meu tempo explicando sobre marcas e sobre a Elma Chips, marca que há anos faz parte do cotidiano de mta gente. Ou vai dizer que nunca ficou com larica e foi correndo comprar um salgadinho? Bom, em termos de propaganda, eles investem em brindes, especialmente voltados para o público infantil. Já teve tazo? Ou não sabe o que é? Lembra das raspadinhas valendo prêmios? das figurinhas? Lembra da propaganda com o Chester Cheetah? Bom, não vou discutir o mkt deles. Promoção, Mídia eletrônica, web, segmentação, entre outros. Se vc acha uma bosta, pra q perder meu tempo?

    DANIEL: “Quais benefícios trouxe para o povo e para a economia?”
    Hahahahaahahahahahahahaha…Porra, mew, me polpe.

    Além de empregos diretos e indiretos, tem mais um monte de coisas que qualquer leigo saberia. Ou vc tem alguma teoria conspiratória sobre a Elma Chips e vai processá-la por tirar dinheiro do povo? Rs. E eu ainda perco o meu tempo lendo e respondendo isso…rs. Aliás…Vc teve infância? Comeu sticks qdo era criança? Ruffles? Sabe que eles voltaram com os Sticks e que reduziram a gordura trans nos alimentos, além de diminuir consideravelmente o sal, grande causador de problemas como pressão alta?…Deixa pra lá.

    DANIEL: “Mentira. É o que estão tentando fazer desde o início dessa questão. Tentam negar o tempo todo. E quando ela se torna evidente, tentam legitimá-la falando que “faz parte da cultura” ou que quem não ri desses preconceitos é mal-humorado.”

    Entenda o que eu disse: “Ninguém” (que participa dessa discussão) nega que exista o preconceito(de uma forma geral). Não disse sobre o caso, ou seja, é “inegável que o preconceito existe”. Alopração faz parte da cultura sim. E em momento algum eu afirmei que quem não ri desses preconceitos é mal humorado. O q vc não entendeu até agora, é que EUUUUUUUUU, particularmente, acho que existem questões mais sérias a serem tratadas. Ficar achando pêlo em ovo, tentando enxergar coisas onde não existem, é uma babaquice. Entenda como quiser.

    DANIEL: “Não é só a publicidade. E só que é muito desinformado acha que não é feito nada nos outros âmbitos. Mas infelizmente o que se percebe é que a publicidade por vezes escolhe ser parte do problema e não da solução. Ainda bem que existem exceções. Enquanto essa propaganda escrota da Elma Chips tenta colocar o preconceito e discriminação como algo “cool”, outras como a d pomada Nebacetim estão no extremo oposto e realmente parece ter em seus pilares a diversidade e inclusão.”

    Não confunda as coisas. Existem produtos e produtos. Marcas e marcas. Públicos e públicos. O que o público da pomada nebacetim tem a ver com o público que consome Doritos? Ou vc acha que quem tem alergia passa Doritos pra se curar?rs. Ou que exista alguém que coma nebacetim pra curar a fome?rs. Quanta merda. Quer dizer então que temos de comparar segmentos e categorias de marcas e produtos na hora de pensar e criar um comercial? Tipo, imaginem um comercial de preservativo com ares de Casas Bahia: “Pessoal, você não pode deixar de aproveitar as ofertas da JONTEX! Você leva uma camisinha e pode pagar em dezzz vezes sem jurossssss. Eu disse, 10 vezes sem jurossssssss. E tem garantia estendida. Se falhar, a jontex banca os 9 meses de gestação e ainda mobília a sua caasaaaaaaaa!”. rs

    A publicidade não tem de ser solução para os problemas que tipinhos como vc cria em suas mentes criativas. Tem de solucionar um problema do cliente. Ou até mesmo do consumidor que precisa do que o cliente está vendendo. Vc culpar a publicidade por disseminar o ódio e a discórdia é no mínimo INSANA! O que eu tento fazer com que entenda, é que não devemos tentar solucionar os problemas apenas vetando o que se faz na publicidade. É uma coisa mto mais abrangente, complexa, tem a ver com política, costumes, comportamento, história, enfim, será que dá para entender?
    Criaram YMCA como hino homossexual? Vc tem certeza? Ou os homossexuais o escolheram como hino? Meu amigo, assista mais tv, viaje mais, consuma cultura. Vc vai ver que está falando bobagem. YMCA, Queen, entre outros, vivem sendo tocados em jogos. Nas Olimpíadas, na copa, quem não ouviu “we are the champions”. As músicas não foram criadas para esses fins, mas eles usam, pois é pertinente. Ninguém tem de se sentir dono de algo que não é de seu poder. Usaram a trilha do YMCA e pronto. Quem achou que era preconceituoso que deixe de consumir Doritos e ponto final. Ou vcs se acham no direito de privar pessoas que não têm a mesma opinião de terem acesso a determinados conteúdos? Que saco! Saibam interpretar, não comecem a disseminar coisas na base do “achismo”. Os gays pregam tanto a liberdade e querem a repressão contra a liberdade de comunicação e de escolha dos próprios consumidores? Porra, acorda pro mundo!

    DANIEL: “Antes de tudo: “viado” é bicho, não gente. Só burros e antas(para continuar usando termos do reino animal)não sabe disso.Segundo, já foi dito para quem quisesse entender (mas parece que muitos gostam de se fazer de desentendidos) que a questão não é o cara ser ou não homossexual por gostar da música, mas sim a ação preconceituosa e explicitamente repressora ao ver um cara cantando um hino gay.”

    Pow, vai brigar com o cara que associou a imagem de um gay a um viado ou bambi? Agora vc vai implicar tbm com a forma como as pessoas chamam as outras? Vai sair na mão com qualquer um que chame o outro de viado? Pow, vai se tratar. Então se eu sou gordo vou brigar com todo mundo que me chamar de baleia?…Que coisa mais infantil.

    DANIEL: “Você está falando dessa mesma Madonna que veio ao Brasil há pouco tempo e arrastou milhares de gente para ver seus shows? Isso é démodé? Então acho que todos os artistas irão querer ser démodé a partir de agora! Rs”

    Démodé é a música usada no comercial. Disse Madonna, mas me referia à “like a virgin” usada no comercial, de 1900 e bolinha…
    Calma, Beeeem, não to falando mal da Madonna. Senão é capaz de vc enviar um e-mail pra ela, mandando me processar pq a chamei de démodé…rs

    DANIEL: “Ah, entendi!!! Então o que a propaganda quer é uma pontinha dessa impunidade também, né? Deveria ter falando antes! Teria esclarecido muita coisa.”

    Não, vc não entendeu. Quis dizer que estamos acostumados com a impunidade…No final foi uma ironia, se vc não percebeu. (“menos a propaganda, é claro”). Afinal, por idiotices como a que vc dissemina, um órgão chamado CONAR o tira do ar. Entendeu????

    DANIEL: “Bom, há pouco falaram que a preocupação é agradar o público alvo. E o público alvo dessa propaganda certamente são os idiotas preconceituosos homofóbicos. Devem estar se entupindo de Doritos dizendo: “Iupiiiii!! É legal ser preconceituoso! Sou ameba… mas não estou sozinho!!!”

    Então pra vc quem consome Doritos é homofóbico? Cara, não precisa ser mto inteligente pra entender a mensagem da propaganda. Já assistiu “O Pentelho” com Jim Carrey? Talvez tenha servido de referência para a campanha. O cara sem noção que vai às festas e fica cantando no karaokê se achando “o cantor” enquanto todos o classificam como “pentelho”. A mensagem da propaganda é mais ou menos isso. “Ninguém é obrigado a ouvir isso. Ninguém é obrigado a dividir isso com outras pessoas. Por isso, divida um pacote de Doritos, que é mto mais agradável”. SIMPLESSSSS ASSIMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM!!!!!!.

    Vc se julga tão intelectual, tão culto, bem que poderia ter compreendido. Cito exemplos, tento explicar, mas se mesmo assim não entender a minha real intenção, faça o mais simples. Deixe de consumir o produto em questão e saia por aí tentando fazer com que as pessoas te ouçam. E qdo alguém criticar algo que vc fizer e tentar te processar por algum motivo banal, não fique melindrado. Tenha empatia…”Pq pimenta no * dos outros é refresco”(sem piadinha), né…
    Seja um publicitário um dia, pregue a responsabilidade e a ética, atenda clientes, escreva, trabalhe como um publicitário e tenha um trabalho achincalhado, criticado, mesmo que ele seja idôneo e responsável. Aí talvez vc entenda.

    Pode ter certeza que se essa propaganda da Doritos fosse realmente preconceituosa, ridícula, sem noção e tendenciosa, eu a criticaria tbm. Independente dela ser da Almap, F/Nazca, entre outras fodonas do mercado.

    Quanto ao comentário piegas do Guilherme, só uma dica. Se vc for de alguma outra agência e tem inveja da história da Almap ou é algum frustrado querendo entrar no mercado, principalmente numa agência “LOOSER” como a Almap, não coloque o nome completo. Publicitário costuma ter memória boa. rs

    Cara, o fato de vc e outras pessoas sem opinião deixarem de consumir os produtos da Pepsico faz tanta diferença, mas tanta diferença, que eles vão fechar. rs. Todo mundo vai se livrar do salgadinho deles e daquela propaganda preconceituosa. rs

    Perdão a todos mais uma vez pelo post de 32 polegadas…rs

  • Guilherme Huss

    @Marcelo:

    É ISSO Aí MARCELO, VOCÊ É UM GENUÍNO PUBLICITÁRIO E “DAQUELES” COM O EGO BEM INFLADO HAHHAHA.

    1 – TENHO CORAGEM PARA ASSINAR MEU NOME COMPLETO SOBRE O QUE PENSO, FALO E ESCREVO.

    2 – PODE APOSTAR QUE SOU DO MERCADO PUBLICITÁRIO TAMBÉM E FAÇAMOS O SEGUINTE: PORQUE NÃO ANOTA MEU NOME NA SUA “LISTINHA NEGRA” E TENTA DESCOBRIR ONDE TRABALHO E PARA QUEM TRABALHO?
    UMA PISTA: É EM SÃO PAULO CAPITAL! HAHAHAHAHA!

    3 – SE TIVESSE MEDO DE AMEAÇA DE PUBLICITÁRIO HOMOFÓBICO, NÃO TERIA FEITO UMA DENÚNCIA AO CONAR.

    4 – SIM, EU, MINHA FAMÍLIA E MEUS AMIGOS NÃO CONSOMEM MAIS PRODUTOS DA ELMA CHIPS.

    5 – SOU LIVRE E AINDA BEM QUE NÃO ME DEIXO LEVAR POR TROFÉUS EM PRATELEIRAS E CONSIGO TER DICERNIMENTO PARA DISTINGUIR UMA CAMPANHA HOMOFÓBICA… HAHHAHA.

    6 – NÃO PRECISO DE DICAS, OBRIGADO.

    7 – CALMA, QUE O FILME AINDA NÃO FOI JULGADO PELO CONAR… VAMOS AGUARDAR.

    8 – MARCELO, NÃO EXISTE APENAS UMA VERDADE, E A SUA NÃO É ABSOLUTA. ESTÁ LONGE DE SER. VOCÊ REALMENTE ACREDITA QUE É A “VOZ” DA PUBLICIDADE, DO MEIO PUBLICITÁRIO. MAS NÃO É…

    9 – CUIDADO COM ESTA SUA “VERDADE ABSOLUTA” E CERTEZA. VOCÊ ESTÁ MEIO CEGO, NÃO?

    10 – O FATO, É QUE MUITAS PESSOAS FIZERAM RECLAMAÇÕES AO CONAR. SERÁ QUE NÃO É A HORA DE SABER O PORQUÊ TANTOS CONSUMIDORES RECLAMARAM? AFINAL, NÃO É PARA A MASSA O FILME? VOCÊ NÃO ESTÁ INTERESSADO NEM UM POUCO EM CONHECER O DESEJO DO CONSUMIDOR? RS…

    SERÁ QUE QUANDO UMA PESSOA DIZ: ME SINTO OFENDIDA É SÓ PARA LEVAR UNS TROCADINHOS EM CIMA DA PEPSI? NOVAMENTE, CUIDADO…

    NÃO SUBESTIME TANTO O CONSUMIDOR… VOCÊ FALA COMO SE FOSSE UM LIXO. É ELE QUEM CONSOME E PAGA AS CONTAS DOS CLIENTES.

    E AINDA, VOCÊ TRATA A PUBLICIDADE DE FORMA BEM LEVIANA ACHANDO QUE ELA SÓ SERVE PARA ISSO OU PARA AQUILO. AFINAL, PARA QUE CONCORRER A PRÊMIOS?

    E SÓ PARA TE AVISAR: O MUNDO NÃO GIRA EM TORNO DA PUBLICIDADE, NEM COMEÇA E TERMINA NELA.

    EXISTEM PESSOAS POR AÍ… QUE TEM SENTIMENTOS.

  • Daniel Rodrigues

    @Marcelo:

    RESPOSTA A MARCELO

    Bem, vou me ater apenas as partes minimamente relevantes de sua resposta, que não são muitas. Ficar tentando ater-se a minúcias de um texto tal como a diferença entre “falar” e “escrever” é uma tentativa pueril de fugir do assunto central.

    Eu não sou publicitário, e não me importa se você é ou não da Almap. O que está claro é que quer defender sua classe não importa o quanto homofóbica ela seja. E não me interessa a história da Almap. Enquanto consumidor não vou fazer concessões à empresa porque ela foi bem sucedida em outros tempos. Se ela fez esse infeliz comercial a culpa é dela. E se eu não sei nada de propaganda, está claro que você não sabe nada de respeitabilidade e responsabilidade no tocante à veiculação de imagens e mensagens. Alegar que a publicidade “pega” costumes populares e os transmite para a propaganda nada mais é do que uma forma de tentar legitimar os próprios preconceitos. Eu entendi muito bem a propaganda em questão. Os publicitários é que parecem incapazes de enxergar o óbvio. E isso só pode ser resultado de um desses três fatores: falta de intelecto; corporativismo ou a alinhamento ideológico com o nível de respeitabilidade veiculada (zero, no caso).

    MARCELO: “Garanto que se alguém não tivesse falado nada, ninguém perceberia o conteúdo que está sendo alvo de tanta discussão.”

    Não, você não pode garantir isso. Eu vi esse comercial antes de qualquer polêmica e manifestação a respeito, e automaticamente percebi o baixo nível da mesma.

    MARCELO: Vc é desse planeta?

    Do seu planeta, eu acho que não sou. Sou dos planetas das pessoas educadas, com bom senso, respeitosas e respeitáveis. As pessoas que conheço são assim. E, com relação às “brincadeiras” é preciso saber contextualizar. Brincar entre amigos é totalmente diferente de veicular essa brincadeira em rede nacional. É bem tênue a linha entre brincadeira e desrespeito. E a brincadeira só funciona se 1) ela é contextualizada e a pessoa alvo entende que é brincadeira ou seu 2) no caso de algo veiculado nacionalmente, a brincadeira é intelegente, respeitosa e de bom gosto. E essa propagandinha medíocre não está entre amigos, e nem teve a capacidade de formular uma piada que prestasse. O que convêm numa mesa de bar entre amigos não necessariamente convém a uma propaganda descontextualizada.

    O desrespeito muitas vezes é expresso em forma de brincadeira. Não saber disso é alienação. O que vocês parecem estar querendo é total libertinagem para veicularem o que quiserem sem o mínimo de responsabilidade. E quando alguém que veicula algo na televisão não tem bom senso o suficiente para analisar o impacto disso, e pouco se importa se estará desrespeitando alguém, então infelizmente será necessária a intervenção institucional para frear os publicitários quando estes passarem do limite. Publicitários não têm privilégios especiais. Vocês têm que se adequar às normas de respeitabilidade como

    MARCELO: “Se quer culpar a propaganda por causa disso, aproveite e já faça uma lista que inclua políticos, atores, humoristas, o próprio povo, enfim, pode me colocar no meio. Aí posso até concordar com vc. Ajudo até a fazer um abaixo assinado. Rs”

    Sua inocência e falta de informação são hilárias. E você acha que essas pessoas não são inquiridas? Atores, políticos, humoristas, o próprio povo? E a propaganda está no meio disso. Se ela for desrespeitosa não ficará ilesa. E já eu você falou em abaixo assinado e garante que assina então assine: https://www.naohomofobia.com.br/home/index.php rs

    MARCELO: “Queriam alguém que entendesse a mulher, que fosse delicado para explicar os benefícios do produto, passivo, de certa forma “afeminado”. Citei isso pra vc perceber, que mesmo alguns caras tirando sarro na época, classificando o cara como “bichinha”, ele agradou a todos e, especialmente, às mulheres, CONSUMIDORASSSSS, do produto. Essa é a função da propaganda. Não tem de agradar uma minoria, tem de agradar ao público.”

    Sim, essa é a função da propaganda: “agradar ao público”. Não é função da propaganda fomentar discriminações. Se ela o fizer deve ser eliminada. Pelo que você disse, a base da propaganda foi a inclusão das mulheres, e não a exclusão de outros. Se teve um ou outro imbecil que o qualificou como “bichinha”, isso é fruto da burrice, ignorância, canalhice e estupidez da pessoa, e não fomentado pela propaganda. Não existe pontos negativos naquela campanha. A comparação daquela campanha com essa campanha preconceituosa não procede.

    MARCELO “Aí se alguém for ao mercado com vc e pegar um doritos, perca o seu precioso tempo dizendo:”NÃO COMPRE ESSA MERDA, PQ NO COMERCIAL OS CARAS FORAM PRECONCEITUOSOS!”. Das duas uma…Vc pode dar sorte da pessoa ser simpatizante, concordar, mas mesmo assim levar pq gosta do produto, ou ser taxado de idiota. Rs.”

    Eu tenho outra opção. Posso pegar um pacote de Doritos e socar na cara da pessoa. Se você e ela gostaram da propaganda certamente irá achar isso bem engraçado também, não acha? E, além disso, posso fazer uma reclamação formal nas instâncias cabíveis.

    MARCELO : “Dá pra fazer piada com seriedade”. Rs

    Primeiro você está tentando distorcer mais uma vez. Quando falei em seriedade falei em termos profissionais. Alguém que faz propaganda deveria levar seu ofício a sério. É possível fazer piadas de bom gosto e respeitosas, mas não são todos que têm essa capacidade. Certamente não é você e nem a Almap.

    MARCELO: “Ué, se querem tirar do ar uma propaganda, pq os São Paulinos não mandaram tirar a novela do ar? Óbvio, levaram na esportiva. Rs…Pq sabem que não vai mudar nada.”

    Não mandaram tirar do ar porque não teria procedência, pois a base da ofensa dos São Paulinos é justamente a homofobia. Só uma pessoa homofóbica se ofenderia com isso. Mas eu até entendo a sua incapacidade de perceber a diferença entre as duas situações.

    MARCELO: Cara, vc tbm desconhece a brilhante declaração do Lula dizendo que “NASCEU ANALFABETO(como se alguém nascesse sabendo ler e escrever.rs) e que tem orgulho disso?”. Tá maus, hein…

    Bom, então parece que você desconhece TODA a vida dele, afinal de contas falou que a “propaganda elegeu um analfabeto”. Nisso você afirma que no momento de sua posse ele era analfabeto. Você não falava do recém-nascido Lula, mas sim do Presidente Lula. Então desconhecimento aqui é seu. Ou então você realmente tinha a intenção de qualificá-lo como analfabeto por outros motivos.

    MARCELO: Sobre o que eu disse sobre o Obama e o Lula, leia o texto inteiro. Talvez vc consiga entender o que eu quis dizer. Se vc fala em “ter o mínimo de ética” na publicidade, vai até concordar comigo. Propaganda política nunca é tirada do ar, pq atende a interesses VALIOSÍSSIMOS, entende o que eu quero dizer ou precisa ser mais explícito?rs.

    Há uma imensa diferença entre propagandas políticas e propagandas mercadológicas. E francamente, veiculação de uma propaganda política é muito mais importante do que a veiculação de uma propaganda sobre um lixo de salgadinho.E ficarei esperando você apontar propagandas políticas que deveriam ter sido tiradas, especificamente nas campanhas de Lula e Obama. Se uma propaganda política for atentatória aos preceitos da legalidade ela de ser tirada do ar. E você quer que os produtos mercadológicos sigam outra lógica porquê?

    MARCELO: “Sinta-se lisonjeado. Essa foi a MAIOR TOLICE QUE JÁ LI EM TODA A MINHA VIDA.rs.”

    Um tolo considerar algo uma tolice realmente é um elogio.

    MARCELO: Nem perderia o meu tempo explicando sobre marcas e sobre a Elma Chips, marca que há anos faz parte do cotidiano de mta gente. Mídia eletrônica, web, segmentação, entre outros. Se vc acha uma bosta, pra q perder meu tempo?

    Nada disso que você citou pode ser considerado “revolução”. Você acha que um tazo ou uma figurinha é uma revolução? Estou começando a ficar com dó de você! rs

    MARCELO: Além de empregos diretos e indiretos, tem mais um monte de coisas que qualquer leigo saberia. Ou vc tem alguma teoria conspiratória sobre a Elma Chips e vai processá-la por tirar dinheiro do povo? Rs. E eu ainda perco o meu tempo lendo e respondendo isso…rs. Aliás…Vc teve infância? Comeu sticks qdo era criança? Ruffles? Sabe que eles voltaram com os Sticks e que reduziram a gordura trans nos alimentos, além de diminuir consideravelmente o sal, grande causador de problemas como pressão alta?…Deixa pra lá.

    Bem, em todos os pronunciamentos do Ministério do Planejamento, da Saúde e do Trabalho, nunca vi ninguém dize que essas marcas alavancaram a economia. Rsrs. Você já está engraçado.

    E para você a infância se resume a entupir-se de gordura trans??? Ainda bem que não se importa com pessoas te chamando de baleia. Você é realmente de dar pena. Ou vai ver que ainda não cresceu e sua prioridade ainda é comer sticks.

    Além do mais, no seu primeiro post você tenta colocar os “salgadinhos revolucionários” acima da política. É a política que é capaz de promover revoluções em um país, não um salgadinho com um tazo. O bem estar social e a economia dependem, em primeira instância, da política.

    MARCELO: Entenda o que eu disse: “Ninguém” (que participa dessa discussão) nega que exista o preconceito(de uma forma geral). Não disse sobre o caso, ou seja, é “inegável que o preconceito existe”. Alopração faz parte da cultura sim. E em momento algum eu afirmei que quem não ri desses preconceitos é mal humorado. O q vc não entendeu até agora, é que EUUUUUUUUU, particularmente, acho que existem questões mais sérias a serem tratadas. Ficar achando pêlo em ovo, tentando enxergar coisas onde não existem, é uma babaquice. Entenda como quiser.

    Bem você também não disse que falava “de uma forma geral”. E pior do que dizer que não existe preconceito e discriminação é querer justificá-lo dizendo que “faz parte da cultura”. Acredite, existe uma infinidade de pessoas que defende o preconceito e a discriminação. E particularmente não acredito que você não seja uma dessas pessoas. E também não falava APENAS de você quando disse que quem não ri dos preconceitos é mal humorado. Essa é a tônica da maioria das manifestações em defesa da campanha infeliz. E sim, existem coisas mais importantes do que a homofobia de uma propaganda. Mas essa pequena coisa é reflexo dessa grande e as duas coisas se retroalimentam. Então as duas devem ser eliminadas. E também já escrevi que essas outras coisas não são ignoradas. E francamente, não acredito que você se importe com essas coisas “mais importantes”.

    MARCELO: Não confunda as coisas. Existem produtos e produtos. Marcas e marcas. Públicos e públicos. O que o público da pomada nebacetim tem a ver com o público que consome Doritos? Ou vc acha que quem tem alergia passa Doritos pra se curar?rs. Ou que exista alguém que coma nebacetim pra curar a fome?rs. Quanta merda. Quer dizer então que temos de comparar segmentos e categorias de marcas e produtos na hora de pensar e criar um comercial?”

    NÃO CONFUNDA AS COISAS VOCÊ! Não falava do produto em sim, mas sim da linha ética dos produtores da propaganda. Enquanto em uma propaganda realmente parece haver diversidade e inclusão, a outra é seu extremo oposto. Desde quando a discriminação é necessária para matar a fome? Daonde a Almap tirou essa idéia estúpida?

    MARCELO: Tem de solucionar um problema do cliente.

    Se o problema é “como discriminar”, essa propaganda parece conseguir.

    MARCELO: Vc culpar a publicidade por disseminar o ódio e a discórdia é no mínimo INSANA!

    Bom, se ela dissemina, não posso fazer nada a não ser apontar isso. É culpa da publicidade, não minha. É alienação, facultativa ou patológica, imaginar que a publicidade é ideologicamente neutra e não querem nada a não ser vender produtos.

    MARCELO: O que eu tento fazer com que entenda, é que não devemos tentar solucionar os problemas apenas vetando o que se faz na publicidade. É uma coisa mto mais abrangente, complexa, tem a ver com política, costumes, comportamento, história, enfim, será que dá para entender?

    Garotinho, particularmente não acho que você entenda muito dos problemas em questão já que você os defende. A coisa é mais abrangente e tem várias ramificações. Devem ser cuidadas as coisas pequenas e as grandes. Discriminação não pode ser permitida em nenhuma instância.

    MARCELO: Criaram YMCA como hino homossexual? Vc tem certeza? Ou os homossexuais o escolheram como hino? Meu amigo, assista mais tv, viaje mais, consuma cultura. Vc vai ver que está falando bobagem. YMCA, Queen, entre outros, vivem sendo tocados em jogos. Nas Olimpíadas, na copa, quem não ouviu “we are the champions”. As músicas não foram criadas para esses fins, mas eles usam, pois é pertinente. Ninguém tem de se sentir dono de algo que não é de seu poder.

    Informe-se mais. Ela FOI CRIADA COMO TAL. Mas também entendo sua ignorância nesse aspecto. Dessa cultura que fala, mostra que não conhece nada. Ninguém se sente “dono” de algo. É justamente por isso que existem héteros gostando de YMCA. E sim, a musica pode ser usada em qualquer âmbito, mas não me venha achar que sou idiota o suficiente para achar que determinadas situações são meramente aleatórias. Acho que você é que está precisando entender mais de cultura. Consumir cultural não é apenas ter acesso quantitativo a várias coisas, mas também ter um acesso qualitativo. Você conhece YMCA, mas não sabe nada sobre ela.

    MARCELO: Usaram a trilha do YMCA e pronto. Quem achou que era preconceituoso que deixe de consumir Doritos e ponto final. Ou vcs se acham no direito de privar pessoas que não têm a mesma opinião de terem acesso a determinados conteúdos?

    Tenta distorcer pela terceira vez. Em nenhum momento os consumidores de Doritos foram o foco da discussão. Daonde tirou essa idéia idiota?

    MARCELO: Que saco! Saibam interpretar, não comecem a disseminar coisas na base do “achismo”. Os gays pregam tanto a liberdade e querem a repressão contra a liberdade de comunicação e de escolha dos próprios consumidores? Porra, acorda pro mundo!

    É dureza gente alienada te falando para “acordar para o mundo”. Acho que vocês precisam entender mais de liberdade, respeitabilidade… pois a cada post seu fica mais evidente que desconhece totalmente o que isso significa. Nenhuma liberdade é absoluta. Se as pessoas em geral não fossem tão ignorantes saberiam disso. Toda a liberdade de expressão é restringida a partir do ponto em que atinge outras pessoas. As pessoas têm liberdade de expressão, mas isso não as desobriga de responderem pelo que dizem. Conheça melhor a Constituição Federal e pare com seus “achismos” sobre liberdade.

    MARCELO: Pow, vai brigar com o cara que associou a imagem de um gay a um viado ou bambi? Agora vc vai implicar tbm com a forma como as pessoas chamam as outras? Vai sair na mão com qualquer um que chame o outro de viado? Pow, vai se tratar. Então se eu sou gordo vou brigar com todo mundo que me chamar de baleia?…Que coisa mais infantil.

    Não, vou sair no braço com qualquer um que chame outro de viado. Isso é função de quem foi chamado de viado. Agora, eu também espero que você aceite alegremente nomes “carinhosos” como baleia, burro, imbecil, filho da puta. Que tal?

    Sabe o que é realmente infantil? O bullying. Ficar usando termos pejorativos só pelo prazer débil mental de encher o saco. Mas tem gente que não cresceu. A mentalidade dessas pessoas evoluiu até os 12 anos e lá permaneceu. Devo ser condescendente com pessoas com esse nível de debilidade?

    MARCELO: “Démodé é a música usada no comercial. Disse Madonna, mas me referia à “like a virgin” usada no comercial, de 1900 e bolinha…

    Aff…
    Garoto… se um artista está em voga, nada do seu trabalho é démodé. A artista continua cantando essa canção e parece que só a Almap quer considera-la démodé para defender a estúpida tese dela. O que mostra também a ignorância dessa instituição em relação à cultura pop e ao que possa ser démodé.

    MARCELO: Calma, Beeeem, não to falando mal da Madonna. Senão é capaz de vc enviar um e-mail pra ela, mandando me processar pq a chamei de démodé…rs”

    Nossa! Já virei seu “Beeeem”? Apaixonou por mim rápido assim? Cai fora.

    E só para constar, não sou fã de Madonna. Mas eu seria muito alienado se não reconhecesse seu sucesso e usasse meus gostos pessoais como parâmetro do que é ou não démodé, tal como a Almap e você.

    MARCELO: Não, vc não entendeu. Quis dizer que estamos acostumados com a impunidade…

    Não é todo mundo que está acostumado com impunidade. Mas os que se acostumam mais facilmente são os que gostam dela.

    MARCELO: No final foi uma ironia, se vc não percebeu. (“menos a propaganda, é claro”). Afinal, por idiotices como a que vc dissemina, um órgão chamado CONAR o tira do ar. Entendeu????

    Fracamente, acho que qualquer violência e desrespeito que uma propaganda dissemine você ai achar idiotice. No final das contas, você não gosta é que o CONAR exista. O que significa que quer é impunidade mesmo.

    MARCELO: Então pra vc quem consome Doritos é homofóbico?

    Não são todos que comem Doritos que são homofóbicos. Mas seja lá por qual motivo, a Almap focou nos que são. E esses que comem Doritos e são homofóbicos irão ficar muito felizes de serem representados numa propaganda.

    MARCELO: Cara, não precisa ser mto inteligente pra entender a mensagem da propaganda.

    Não é difícil mesmo. E eu entendi. A discriminação incentivada no comercial é explícita demais para não terem entendido. Infelizmente nem todos entenderam.

    MARCELO: …A mensagem da propaganda é mais ou menos isso. “Ninguém é obrigado a ouvir isso. Ninguém é obrigado a dividir isso com outras pessoas. Por isso, divida um pacote de Doritos, que é mto mais agradável”. SIMPLESSSSS ASSIMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM!!!!!!.

    Ninguém é obrigado a ouvir ninguém, Marcelo. Da mesma forma, ninguém é obrigado a dividir Doritos, ninguém é obrigado a tolera propaganda preconceituosa e ninguém é obrigado a ficar inerte quanto a isso e deixar o preconceito rolar solto. E uma falha sua: seu exemplo do filme só seria cabível a uma das propagandas. A do carro é indiscutivelmente preconceituosa.

    MARCELO: Vc se julga tão intelectual, tão culto

    Não me acho isso. Acontece é que algumas pessoas são mais burras do que o normal.

    MARCELO: Deixe de consumir o produto em questão e saia por aí tentando fazer com que as pessoas te ouçam.

    Não vou deixar de consumir, pois eu nunca consumi. E não preciso ficar tentando convencer todo mundo. Alguns têm capacidade de entender, outros não. Para quem não é cego, viu no próprio comercial que ele é preconceituoso e não precisa que ninguém lhe diga isso.

    MARCELO: E qdo alguém criticar algo que vc fizer e tentar te processar por algum motivo banal, não fique melindrado. Tenha empatia…”Pq pimenta no * dos outros é refresco”(sem piadinha), né…

    Isso não vai acontecer, pois eu não faço campanhas para disseminar preconceitos.

    MARCELO: Seja um publicitário um dia, pregue a responsabilidade e a ética, atenda clientes, escreva, trabalhe como um publicitário e tenha um trabalho achincalhado, criticado, mesmo que ele seja idôneo e responsável. Aí talvez vc entenda.

    Fiote… já tenho minha profissão. E a julgar pelo comprometimento ético que defende, se eu não tivesse profissão ficaria bem desanimado de ser publicitário. Não faço trabalhos que considero indignos de serem apreciados.

    Mas, não sei. Acho que nem todos os publicitários compartilham da sua linha de pensamento. Existem coisas legais e respeitosas. O problema é que fazer isso é muito trabalhoso e exige talento. E gente talentosa é minoria mesmo.

    MARCELO: Pode ter certeza que se essa propaganda da Doritos fosse realmente preconceituosa, ridícula, sem noção e tendenciosa, eu a criticaria tbm. Independente dela ser da Almap, F/Nazca, entre outras fodonas do mercado.

    Se você tivesse essa disposição crítica estaria criticando agora. Mas não tem.

  • Daniel Rodrigues

    Encontrei posicionamentos sobre esse tema em outro blog e posto aqui algumas opiniões

    POST DE BARBARA

    Voce ja viu homem hetero com poster da Madonna no quarto? Ser fa da Madonna eh, por default, coisa de gay, ainda que muitos homens hetero sejam tambem.

    Ja sobre YMCA, quem conhece a historia dos movimentos homossexuais sabe que era o lugar onde se podia fazer o que quisesse nos Estados Unidos, numa certa epoca. Os gays sabiam que era “liberado” e iam para la para hang out with all the boys.

    Me desculpe, mas citar madonna E YMCA em duas propagandas e querer me convencer que eles estao falando só de “dancinhas” e “musicas datadas” eh esculhambar com a minha inteligência.

    SE, e eh um grande SE, todos os publicitarios e marketeiros envolvidos na criacao e aprovacao das pecas queriam SO, inocentemente, falar de dancinhas e musicas datadas, entao eles chegaram no planeta diretamente de Marte na semana passada, e nao tem a menor condicao de trabalhar na area, por pura falta de conhecimento de referencias pop.

    Como eu nao acredito que eles sejam TAO inocentes, so me resta a outra opcao.

    *************************************

    Post de Suzana Elvas

    Toda essa discussão me lembrou o lema adotado pelo exército americano quanto ao homossexualismo em suas fileiras: “Don’t ask, don’t tell”. E para mim é isso que passa nesse comercial: se sabe de cor e salteado todas as coreografias dos principais hinos gays, guarde para si ou deixe para fazer entre a multidão de uma festa superlotada, porque aí todo mundo faz e aí é “curtição” e não “sinal de boiolice”. Aqui no carro, brou, pára com isso.

    E sim, acredito que há um equívoco quando se fala em “liberdade de expressão”. As pessoas – principalmente os publicitários – confundem há tempos liberdade de expressão com liberalidade. Pode tudo. Ou quem esqueceu os anúncios da DuLoren em que uma mulher aparecia sendo violentada com os dizeres “Aprovem logo o aborto, não quero ficar esperando”? Ou a fila de jogadores de futebol na frente do gol se masturbando por conta de uma bandeirinha dita “gostosa” de sutiã meia-taça?

    O Conar não censura; ele auto-regulamenta. São publicitários que formam um conselho que zela pela boa propaganda. E desculpe, que me conste ofender quem quer que seja não é boa propaganda – como fotografar um estupro para vender lingerie também não é.

    Ontem, assistindo um episódio antigo de “Law & Order: SVU” vi como as posturas são tão diferentes. O caso girava em torno do estupro de um stripper por três mulheres. As três foram inocentadas das acusações de estupro e atentado ao pudor – condenadas apenas por lesão corporal. A advogada de defesa das três entrou com uma história de “só mulheres são violentadas”. O policial que investigou fez piada desde que entrou no caso. Ninguém acreditou no cara. Porque ele era homem, mais forte, por que nçao se defendeu? Ele teve uma ereção – “ele estava excitado, então consentiu” foi uma das tiradas da defesa. O cara tinha quatro irmãs e foi criado por uma tia; aprendeu desde cedo que não se dá porrada em mulher, nunca. E por conta disso ele foi violentado. Ele tentou se defender, se afastar, gritou, mas as três o algemaram e fizeram a festa. Depois uma pagou – “era uma cliente satisfeita que pagou pelos bons serviços”, disse a advogada de defesa. E não adiantou o cara dizer que era stripper, não prostituto.

    Pergunto eu: por que é ofensiva uma propaganda que diminiu a mulher mas não o é a que diminui o homossexual? Por que as mulheres fizeram o maior alarde contra a DuLoren mas não contra o Doritos? O comercial É homofóbico, sim. O rapaz sendo ou não gay, não interessa: ao primeiro sinal de “gayzisse”(ele sabe letra/coreografia de hino gay) pacote de salgadinho na cara dele. Fala sério, mermão.

    [...]o problema é que há tempos caiu-se na armadilha de usar o preconceito como forma de humor. Então o recurso mais usado é o fácil – é a piada sexista, racista; é o anúncio que põe mulher pelada e boazuda pra vender tudo; é a estratégia de usar cachorrinhos fofos e crianças idem.

    O que esse comercial usou foi a idéia fácil e preconceituosa: gosta de disco e sabe a coreografia, é gay. Se é gay, favor ficar na tua, não envergonha o povo plizi. É o tal “Don’t ask, don’t talk”. Por que não usar a dança do passarinho? A Macarena? Xuxa? Bee Gees? Jackson Five? Por que exatamente dois ícones gays?

    Quem tem realmente talento para o humor não tem a menor necessidade de usar sexismo ou racismo a não ser como crítica social, o que é extremamente difícil de se fazer. E dá um trabalho danado.

    *************************************

    Post de Dai

    Mas, vamos: Eu achei o comercial homofóbico, não tenho dúvida alguma disso. E talvez a sua avaliação de pouca vivência do mundo gay e de um gaydar pouco aguçado tenham a ver com você não ter identificado isso também, sim.

    Eu acho que 80% dos meus amigos são gays. Algumas das pessoas mais próximas, que mais sabem da minha vida e vice-versa. Já estou acostumada a ser chamada por eles de “entendida”. Pela minha vivência, pelo que compreendo do mundo gay, o comercial é inteiro sobre a não aceitação da homossexualidade entre um grupo de homens jovens (fase em que as coisas costumam se definir, despontar efetivamente em suas vidas. E ao mesmo tempo em que a discriminação e a dificuldade de auto-aceitação são super intensas e praticamente não existe aceitação por parte dos grupos sociais hegemônicos, um homem jovem que se admitir gay entre o seu grupo hetero será exilado e execrado).

    O fato de um rapaz – sem qualquer evidência do estereótipo gay, o que o permite transitar num grupo hetero sem maiores complicações) dançar ao som de YMCA é simbólico, sim. E ainda mais a forma como ele o faz, no comercial.

    Porque ele está curtindo o momento e a letra da canção, numa alegria verdadeira e inconsciente. Como um corintiano vestido de verde que não se contem diante de um gol do seu time do coração em plena arquibancada do Palmeiras. Ele não está zoando do jeito
    que as “bichas” dançam – pois este era o comportamento esperado.

    E não é porque a dancinha dele é ridícula que é olhado de soslaio, mas, sim, por que os parceiros de farra e aventuras estão identificando nele o elemento estranho e transgressor, aquilo que costuma ser o alvo dos seus deboches e da opressão bully.

    Vale lembrar, que é muito comum observar que homens heteros em seus pequenos grupos se chamarem mutuamente de “viado”, com tapinha nas costas e tal, se apropriam do estigma gay, invertendo a sua conotação pejorativa, porque podem, porque estão seguros uns com os outros, conhecem e demarcam o seu lugar e o seu status na sociedade.

    Um hetero chama ao outro hetero de “viado” para demonstrar o quanto são socialmente superiores por sua identidade sexual heteronormativa.

    Não é uma atitude consciente. Mas eles, no fundo, sabem bem disso. Portanto, é evidente que ao flagrarem a atitude inconsciente do amigo desfrutando autenticamente daquilo que deveria menosprezar, ou seja, sendo, se identificando com aquilo, eles o rejeitam. E é exatamente assim que acontece com os jovens gays “descobertos” em grupos heterossexuais.

    Não é à toa que, no final do comercial, recomendam que o rapaz divida com seus colegas um “doritos” e não os seus prazeres inconfessos. Estes devem ser mantidos guardados dentro do armário. A sete chaves. Quer homofobia mais evidente?

    *****************************************

    Post de Ariadne

    Achei homofóbica sim, e não é que a propaganda esteja afirmando que o garoto SEJA gay – ela parece dizer “não deixe seus amigos pensarem isso de você, é mico, controle-se”. E dizer que é mico parecer gay, para mim, é homofobia – quer dizer, “quem sabe, se você for um gay bem discretinho, a gente até anda com você, mas não venha parecer uma “bicha louca”, assumindo seu apreço por produtos culturais que os gays abraçaram para se afirmar”. Isso, para mim, é bem homofóbico. Mas mesmo que fosse outra música ainda seria uma propaganda bem idiota, aí só pelo lado de que “macho não se solta”.

    Essa questão de tirar do ar, eu acho que, em um mundo ideal, o legal seria a agência ouvir as manifestações contrárias, entender que ofendeu as pessoas em um assunto delicado, ver que não é nenhuma maravilha mesmo e tirar do ar sem ficar tentando defender. Mas claro, como isso não acontece, precisa ter uma agência para dizer para eles quando a coisa foi longe demais. Eu acho que o ponto nem é se vai sair do ar ou não, é as pessoas dizerem o que pensam, debaterem e mostrarem para eles. Porque daqui a pouco eles enxergam que não é um bom negócio viver espelhando os preconceitos da sociedade.

  • Daniel Rodrigues

    @Guilherme Huss:

    Obrigado, Guilherme Huss,

    mas eu acho que nem é uma questão de ser o cara. Mas está tudo tão óbvio nessas campanhas que sequer é necessário refletir muito para chegar a algumas conclusões. A publicidade por vezes faz coisas boas e respeitosas. Mas infelizemte esse não foi o caso. Negar só aumenta o erro na medida em que se está concordando com o preconceito disseminado. Concordo com você. Se uma pessoa se deslumbra com prêmios e passa a ser essa a sua prioridade, sua competência profissional fica em segundo plano e possibilita absurdos tais como essa campanha Doritos. E eu nem preciso boicotar o produto já que eu nunca consumi.

    Abraço

  • Marcelo

    Mais uma vez vc não entendeu o que eu realmente quis dizer, do ponto de vista da propaganda e da forma como é tratada. Aliás, me atreveria até mesmo a criar uma “neologia”, um termo semelhante a “homofobia” para encerrar as minhas reivindicações sobre essa polêmica toda. Chamarei de “propagarefobia”, ou seja, preconceito ou aversão a propaganda.

    Já que ela é a “minoria”, e está sendo criticada, classificada como a única culpada por tanta polêmica, podemos nos igualar. Alguém aí pode me dizer o órgão que possa cuidar disso? rs

    Parabéns ao Daniel e ao Guilherme. Estou tão sensibilizado e motivado para responder que vou pensar mais alguns dias e depois retorno com tópicos copiados e colados, analisando cada comentariozinho feito por vcs. As pessoas vão adorar. Com certeza…Tudo bonitinho, com trechos destacados e comentados, tudo mto bem organizadinho.

    Ou se preferirem, podemos encerrar esse assunto, afinal, vcs já tiveram os seus 15 mil caracteres de fama fazendo escândalo por algo “realmente revolucionário”.

    Então, galera, leiam com atenção!!!!

    Fica instituído, por meio deste blog, a união entre Daniel e Guilherme, em prol da moralidade e respeitabilidade envolvendo, cor, credo e opção sexual em qualquer tipo de publicidade, propaganda, ou algo do tipo.

    Somos testemunhas e, por livre e espontânea pressão, avalizamos os seus esforços na árdua tarefa de NÃO CONSUMIR PEPSICO, ESPECIALMENTE O PRODUTO MALCRIADINHO CHAMADO DORITOS, QUE ALÉM DE FEDIDO, É PRECONCEITUOSO!(SALGADINHO BOBÃO E FEIO, TOMAAAAA!!!!)

    Pow, 01:13 da matina. Cansadaço e sem paciência nenhuma pra prolongar esse papo. Espero ter contribuído para o sucesso do blog e deste “fórum”.

  • http://ideiasexplosivas.wordpress.com Felipe Mendes

    p/ mim tão vendo pelo em ovo

    abraços

  • Elisa

    Tanta gente falando besteira me deu uma vontade de comer Doritos…

  • Guilherme

    Cada comentário lixo que dá vontade de comer Doritos e enfiar o dedo na garganta e enviar a Elma Chips e AlmapDDBO…

  • Marcelo

    “Tanta gente falando besteira e de boca cheia(de doritos)” que dá vontade DENUNCIAR pra Glorinha Kalil…uuuuiiii, que falta de bons modossss…rs

    E toma cuidado, Guilherme, do jeito que a galera é, alguém pode querer processar vc, a Almap e a Doritos por incitarem a bulimia. rs

    Resposta ao Guilherm Huss( a um comentário )

    É do mercado publicitário? Pois não parece…Ou parece, mas não age como tal. Ou ainda, é do mercado publicitário e ficou com dor de cotovelo. Ou ainda(do ainda), não entendeu o comercial. E tem um terceiro “ou ainda”…Deve ser simpatizante e comprou a idéia da galera que se sentiu ofendido por um comercial.

    É o poder do engajamento. É como na política…Basta um cara dizer que é do povo, analfabeto, pobre(mesmo que seja mto mais rico q mto ex presidente), que é excluído e discriminado, que o povo vai atrás.

    Não vou ficar adivinhando onde vc trabalha…primeiro pq isso vai parecer brincadeirinha de criança, e o que estamos discutindo é mto mais sério que parece. Segundo, que não me interessa e não faço a mínima questão de saber. Se é dono de agência, se é filho de cliente de grandes agências, se é multibilionário, sorte sua. Terceiro, jamais cometeria a injustiça de punir, ou tratar mal, ou ainda, deixar de contratá-lo por tal motivo, se um dia, por ironia do destino, cruzasse com vc no mercado publicitário. Afinal, é exatamente isso o que estou tentando defender, desde o meu primeiro post. A justiça e a igualdade de Direitos e Deveres sem picuinhas e melindres.

    É assim que deve agir um publicitário. Com ética e respeito. Especialmente defendendo a sua profissão quando questões babacas tentam denegri-la e ainda abrir precedentes para que políticos idiotas comecem a massacrar o mercado com leis ridículas que mais parecem resquícios da ditadura militar.

    Polêmico ou não, o comercial tá aí, pra quem quiser ver ou mudar de canal. Agora, se os gays deixarão de comer Doritos só por causa disso eu não sei.

  • Guilherme

    Repressão e preconceito não são questões babacas. Já a vaidade e o ego das agências de publicidade, hum é para se pensar sim rs.

    Não admitir em uma nota pública que o comercial Doritos YMCA é homofóbico, é um erro.

    Continuo achando e mais ainda, continuo enviando para políticos, amigos, familiares, meios de comunicação, etc meu repúdio a este tipo de manifestação negativa e preconceituosa.

    E continuo não comprando DORITOS E PEPSI. Pela ignorância da agência de publicidade e pelo apoio da multinacional.

  • Guilherme

    Comentário 200

    HOMOFOBIA É CRIME!

  • pedro

    Viado gosta é de aparecer. Sempre falamos mal dos outros pra dar risada e sempre falamos mal de viado, agora eles tão de frescura dizendo ques estão sendo desrespeitados. Eles deveriam se dar ao respeito primeiro, parando com essa “viadagem”.

    E guilherme vc sabe oq é homofobia? eu tenho amigos gays, mas não faço questão nenhuma de ter amigo viado, que fica rebolando, se insinunando e cheio de trejeitos pederásticos. Não tenho medo nem ódio. eu acho é graça, pra mim parece tudo palhaço querendo chamar atenção.

    auhaUahuahauaHuahua

  • Guilherme

    Viram?

    Basta insistir um pouquinho que o preconceito aparece, né publicitários a favor da igualdade e respeito? rsrsrs…

    Cuidado quando ler pois estou digitando esta mensagem com muitos trejeitos pederásticos, rebolando, assoviando e fazendo showzinhu ao mesmo tampo.

    E o que é melhor: EU ADORO! hahahahahaha

    E melhor ainda: Muitos políticos, pessoas da imprensa, publicitários estão lendo estes POSTS! Estou adorando aparecer, hahahaha.

    Pedro, obrigado por mostrar a verdadeira face do Brasil. As MONAS, VIADOS, PEDERASTAS E REBOLATIVAS Agradecem. Você é um “homem” I N C R Í V E L!

    hahahahaha. E VIVA DORITOS E A HOMOFOBIA né????

    hahahahahahahahahaha. É CARNAVAL JERKS!

  • Marcelo

    E o que tem a ver todas essas questões babacas(pois eu continuo achando babacas), com o ego nas agências? Tirando algumas pessoas da área de “criação” que detonaram o comercial, qual seria a ligação entre uma coisa ou outra?

    E mesmo que houvesse a remota possibilidade de erro na concepção do comercial, só vc mesmo para achar que eles emitiriam uma nota pública dizendo que o conteúdo é HOMOFÓBICO. HAHAHAHAHAHAHAAHAHA. Fico até imaginando a tal nota:”Em respeito aos consumidores de Doritos, a PEPSICO do Brasil e a ALMAPBBDO, agência responsável pela comunicação, admitem erro na criação, aprovação e veiculação de toda a campanha publicitária, cujo conteúdo tenha supostos signos HOMOFÓBICOS.”. Piada!

    Quanto à sua decisão de perder tempo enviando a sua teoria aos políticos(ainda mais essa raça), amigos, entre outros, será EXTREMAMENTE relevante, pode acreditar…rs. A PEPSICO vai falir por causa disso. rs

    Aliás, já parou pra pensar que, ao mesmo tempo em que várias pessoas, simpatizantes com a sua teoria, deixariam de consumir o produto, essa polêmica toda pode gerar um efeito contrário? Sei lá, como o preconceito(de uma forma geral) é inegável e muitas vezes latente, os tais homofóbicos, consumidores ou não de Doritos, poderiam iniciar um consumo exacerbado do produto, motivados por toda essa polêmica levantada por vcs mesmos. Ou será que estou viajando mais que vcs?Rs

    Vou te dar um exemplo REAL…Qdo lançaram Doritos eu consumia compulsivamente. Depois de um certo tempo, com a chegada de concorrentes, preço, curiosidade por novos sabores, entre outros, fui esquecendo um pouco o produto. Depois dessa polêmica toda, fazendo compras no Supermercado, passei no corredor de “guloseimas” e logo me veio a lembrança da tal polêmica. Mas o que passou por cima de tudo isso mesmo foi a vontade de detonar um pacote(agora em versão maior) de DORITOS, tomando Coca-Cola e assistindo o Timão detonando o Peixe. (Lógico, com guardanapo pra limpar os dedos, pois se tem um salgadinho com corante é o Doritos.rs). MORAL DA HISTÓRIA(com H maiúsculo – sem preconceitos, pra mostrar que é verídica.rs): “Morro de colesterol, do coração vendo o timão com o gordinho jogando, mas não morro de vontade de consumir um produto que, ao meu ver, não deve ser deixado de lado por ‘viagens de uma minoria'”.

    OBS: Que fique bem claro! Não comprei o salgadinho por ser homofóbico, movido por picuinha ou ódio, como eu mesmo levantei a possibilidade no penúltimo parágrafo, até pq tenho amigos gays e acho tudo mto normal. Comprei pq gosto e, independente do produto/marca, há questões mto mais sérias a serem resolvidas e que são capazes de me motivar a tomar uma atitude. Afinal, não gasto o meu tempo mandando e-mails e fazendo abaixo assinado por teorias e fatos inverossímeis.

    Aliás, como o nosso amigo mencionou “políticos”, bem que poderíamos deixar de ser bundões e começarmos a reivindicar coisas verdadeiramente absurdas que acontecem com a gente. Como a tal da inspeção veicular(ridícula) para carros fabricados a partir de 2003(Parece piada de português – sem preconceito, sendo q os veículos q mais poluem são os “paus-véios”), além dos trocentos impostos e leis que fazem rir, mas não fazem o povo tomar atitudes radicais.

    Vixe, tem um outro post aí pra ser comentado que vai ocupar a página inteira. Vou esperar mais um pouco. rs

  • Felipe

    @Lucas: Sou bixessual, convivo nos dois ambientes, e n vi nada de GAY nesta propaganda.

  • Gustavo Lion

    “não faz nenhuma menção ao homossexualismo”. O próprio sufixo “ismo” (relativo à doença. sufixo que foi retirado há muitos anos do termo que hoje é conhecido como homossexualidade), escrito no comunicado da doritos já denota um preconceito com relação aos homossexuais. o danilo idman, que é “viado” e adora criar polêmica acha que está tudo certo, o tiago rosa acha que encanar com comerciais desse tipo é bobagem, são “inofensivos”. no entanto, é bom lembrar que se ainda é recorrente no vocabulário das pessoas termos como “homossexualISMO”, “viado”, “bicha”, etc…, é porque os homossexuais ainda são muito descriminados, e uma propaganda desse tipo vai contribuir de que forma pra que o preconceito acabe? é perpetuando um esteriótipo que insiste em habitar nas mentes dos não-esclarecidos que as mudanças vão ser possíveis de acontecer? acho que não é esse o caminho.

  • Gustavo Lion

    @Danilo Idman: faltou uma vírgula após o “viado”. e não precisa agradecer.

  • Rafael Almeida

    Ñ é preconceito, é talvez um sarro com os gays. E se for, é sarro muito bem disfarçado. Então os gays e simpatizantes vão ter q ficar quietos por falta d provas.

    Tomara q ñ seja por isso q pararam d passar o filme rapidamente. pq ele é absolutamente genial!!

  • Vitor

    “Vcs estão viajando na maionese. Felizmente, alguns homossexuais aqui sabem qual o significado da palavra liberdade. Como vocês não toleram isso para os outros, já que a única verdade é a de vocês, começam a fazer escândalos em torno de nada. E o pior, ganham o apoio das mulheres, que são tão ” sensíveis ” como vocês e lutam a tantos e tantos anos por direitos e mais direitos.

    Mas na hora de dividir um conta no restaurante, o responsável é o MACHO. Na hora de ir para a guerra, só podem homens. Na hora de fazer uma propaganda, CUIDADO: Esta música é gay ! Cansei dessa abobrinha.”

    Olha o post do imbecil. Pior que as mulheres são sensíveis, né. Um saco q elas estejam lutando a tantos anos por direitos. q pena q as pessoas tentam viver num mundo mais justo…

    E pro tal do Marcelo:

    “Vc é desse planeta? Já comeu ovo roxo em boteco de periferia? Comeu pão com mortadela e tubaína? Já colocou taxinha em cadeira de professora? Já sacaneou algum amigo numa viagem, tipo, passar pasta na cara e tirar foto? Já colou em prova de geografia? Pois é, meu amigo, te garanto que mais de 90% dos brasileiros já fizeram isso. Inclusive, tirar um sarro de um amigo por usar camiseta rosa, o que ao meu ver, não tem nada de mais. Eu uso, inclusive. Pra vc isso é uma ofensa? Um amigo tirar um sarrinho do outro? Para grande parte do povo isso não se chama preconceito ou exclusão, se chama:”sociabilidade”, “interatividade”,”felicidade”. São ritos de passagem…Todo mundo na vida já foi aloprado. Grande parte das pessoas formadas passaram por trote e depois deram o troco. Será que vc vai ser contra isso tbm?”

    Eu nunk fiz nenhuma dessas coisas e sou uma pessoa extremamente social, feliz e rio de quase tudo. E tem outra, tirar um sarro de um amigo por uma razão que seja engraçada é mto legal. Chamar um amigo hétero de gay é uma coisa, zoar um gay pq ele é gay é outra completamente diferente. Sem contar q o trote universitário ñ tem nada a ver com seu argumento. Não sabe argumentar, nem tenta.

    “Viado gosta é de aparecer. Sempre falamos mal dos outros pra dar risada e sempre falamos mal de viado, agora eles tão de frescura dizendo ques estão sendo desrespeitados. Eles deveriam se dar ao respeito primeiro, parando com essa “viadagem”.

    E guilherme vc sabe oq é homofobia? eu tenho amigos gays, mas não faço questão nenhuma de ter amigo viado, que fica rebolando, se insinunando e cheio de trejeitos pederásticos. Não tenho medo nem ódio. eu acho é graça, pra mim parece tudo palhaço querendo chamar atenção.

    auhaUahuahauaHuahua”

    Claro, pq “viado” agora tem mais é q ficar quieto e deixar babacas zoarem da kra deles. Viado bom é viado submisso. Afinal, ninguéeeeem é preconceituoso, mas toooodo mundo acha q TODO viado só quer é chamar atenção. ¬¬

    “Aliás, já parou pra pensar que, ao mesmo tempo em que várias pessoas, simpatizantes com a sua teoria, deixariam de consumir o produto, essa polêmica toda pode gerar um efeito contrário? Sei lá, como o preconceito(de uma forma geral) é inegável e muitas vezes latente, os tais homofóbicos, consumidores ou não de Doritos, poderiam iniciar um consumo exacerbado do produto, motivados por toda essa polêmica levantada por vcs mesmos. Ou será que estou viajando mais que vcs?Rs”

    Claro, pq o mercado homofóbico é uma ótima oportunidade pra vender, e não algo a ser combatido. E olha o Marcelo de novo:

    “Parabéns ao Daniel e ao Guilherme. Estou tão sensibilizado e motivado para responder que vou pensar mais alguns dias e depois retorno com tópicos copiados e colados, analisando cada comentariozinho feito por vcs. As pessoas vão adorar. Com certeza…Tudo bonitinho, com trechos destacados e comentados, tudo mto bem organizadinho. Ou se preferirem, podemos encerrar esse assunto, afinal, vcs já tiveram os seus 15 mil caracteres de fama fazendo escândalo por algo “realmente revolucionário”.”

    Não é por nada não, mas eles estão no direito deles de reclamar, e vc foi mto mais reclamão q eles. Afinal pessoas brilhantes como vc só argumentam de volta dizendo q as pessoas q não concordam com vc estão apenas tentando chamar atenção.

    Sou publicitário e achei a propaganda absurdamente boçal. Reconheço o valor imensurável que a AlmapBBDO fez pela propaganda, mas isso não significa q eles não possam errar. Erraram. E Ymca é sim um ícone gay. NÃO é uma dança ultrapassada, mesmo q seja velha, e mesmo se fosse, ser uma dança ultrapassada nunca cancelaria o fato de ser um ícone homossexual.

    Pelo visto, os publicitários hj em dia só querem ser engraçadinhos as custas dos outros. Alguém disse q humor depende do escárnio de alguém. Tem de ser um demente, né. Aposto q vc se diverte vendo Zorra Total e comendo kilos de doritos todos os dias.

    Tenho vergonha de morar nesse país, q tem tanta gente q se diz liberal e defende a liberdade, mas é só a deles, pq se um gay quer reclamar ele tinha q ficar quieto. Tah só tentando chamar atenção. Um país de gente q se diz cabeça aberta e posta coisas absurdamente preconceituosas aqui nesta página.

    “Aliás, como o nosso amigo mencionou “políticos”, bem que poderíamos deixar de ser bundões e começarmos a reivindicar coisas verdadeiramente absurdas que acontecem com a gente.”

    Afinal, ñ é vc q está sendo zoado em escala nacional né? Então é muito fácil não achar absurdo.

    Bando de boçais.

  • Guilherme

    Graças a algum ser humano este filme já esta fora!

  • Marcelo

    Sr. Gustavo Lion, eu faço parte dos “não esclarecidos”, como vc disse.
    Sou hetero, respeito os homossexuais, tenho alguns amigos que são “Esclarecidos”, se é que me entende, mas ninguém é obrigado a saber os tais sufixos “ismos” e as suas analogias paranóicas em relação à “doença”. Eu, pelo menos, nunca afirmei ser uma doença e jamais fiz qualquer comentário em relação aos homossexuais. Se isso aconteceu no passado e vcs conquistaram seu espaço, estão tentando conquistar direitos, como a união entre casais do mesmo sexo, entre outros, ótimo, congrats!

    Qual o interesse que uma agência estratégica e criativa como a AlmapBBDO, que sabe a importância do público gay, em termos de consumo, tanto aqui quanto lá fora(há mto tempo), tem em denegrir um consumidor potencial como este? Será que existe uma teoria da conspiração que prega que os criativos da Almap tenham interesse em banir esse público? Só se for na sua cabeça.

    Penso que ninguém, por mais letrado que seja, tem de ser tão “esclarecido” a ponto de ser obrigado a compreender a diferença entre homossexualiDADE e homossexualISMO.
    Vc, por exemplo, sabe tudo? Conhece os costumes de outros povos e/ou tribos? Conhece o comportamento do consumidor? Sabe a origem de todas as palavras? Então não começa a delirar. Antes de tentar dar aulas, explicar significados e citar o dicionário, dá uma corrigida no seu post. Que eu saiba, no contexto em que foram usados, “DISCRIMINADO” e “ESTEREÓTIPO” são escritos dessa maneira, e não “descriminado e esteriótipo”.

    Galera, vamos acordar! Será que o mercado publicitário terá de sofrer mais alterações? Mais GCS do tipo: “Beba com moderação” e “O ministério da saúde adverte…”? Daqui a pouco só teremos a menção ao produto e o resto será tudo GC. Pra quê Diretor de Arte e Redator?rs…Só chamar um cara que escreva mais ou menos certo e a galera da edição pra aplicar os letterings. rs

  • Marcelo

    Em resposta ao comentário do Guilherme, uma paráfrase curta e grossa, bem adequada ao que ele escreveu.

    “GRAÇAS A ALGUM HUMANO QUE QUER SER, OU APARECER, AS LEIS PODEM MUDAR, OS FILMES SAÍREM DEFINITIVAMENTE DO AR E A GALERA QUE RECLAMA QUE NÃO TEM ESTÁGIO E EMPREGO FICAR MAIS UMA VEZ DE FORA DO MERCADO”

    (Até que não foi tão curto assim, mas pra “péssimos entendedores, nem muitas palavras bastam”)

  • Marcelo

    Vitor, já que na sua concepção somos todos boçais, imbecis e preconceituosos, adicionemos uma pitada de pimenta, sarcasmo e, pq não, machismo…

    O primeiro comentário ao qual vc se refere, um desabafo de um dos caras que postaram sobre a posição das mulheres em relação à polêmica DORITOS, não deve ser encarada de forma tão agressiva. rs. Realmente, grande parte da mulherada estará ao lado de um gay, até pq, os gays sempre estarão ao lado delas, aconselhando, rindo ou conversando. Que fique claro que isso não é preconceito, é fato! Mulheres adoram os gays e dizem que a amizade deles é mto mais sincera que a das próprias mulheres. Enfim…

    Eles são tão preciosos, brilhantes e sedutores para elas quanto os diamantes. Aliás, os “diamantes não são mais os melhores amigos das mulheres”. Agora são os gays. Portanto, meu amigo, não fique escrachando o post do cara. Ele tem razão…Ele pode ter usado alguns termos agressivos e até preconceituosos, mas cá entre nós…As mulheres adoram os gays e lutarão sim, até contra a publicidade. rs

    Pra encerrar esse assunto, realmente vc tem razão…”Há anos as mulheres lutam pelos direitos”…Tbm pelos esquerdos, pelas faixas centrais, pelas rodovias, ruas, vagas no shopping e podem acreditar, lutam até mesmo contra a buzina, espancando a coitada a cada 2 minutos.rs.
    Brincadeiras à parte, duvido que a mulherada moderna e criativa, que tem dominado um espaço antes monopolizado por homens, se destacando em Criação, Planejamento, Marketing, ou até mesmo fora do mercado, concorda com essa polêmica em torno da campanha da Doritos.

    Vitor, pode me chamar de Marcelo. Não precisa dizer “tal do Marcelo”, até pq não me acho o tal. Simplesmente discordo de algumas bobagens que escrevem por aí. Como as suas e não tenho saco de ser delicado nas respostas. Principalmente qdo acompanhadas de insultos.

    Qto ao q respondeu em relação o meu comentário sobre “sociabilidade”, fico contente que seja feliz, mesmo sendo falso moralista. Dizer que trote é rito de passagem não é o mesmo que ser a favor do “trote universitário violento”. Passei por trote sim, fui chamado de bicho, mas nada além disso. No ano seguinte fiz a mesma coisa. Qual o problema? Seria problema se ao invés de bicho te chamassem de bicha, né…
    A vida é curta, meu amigo, então…Curta!
    Não perca tempo implicando com coisas inverossímeis. Lute por seus direitos, não por coisas que não trará mudanças significativas.


    Valeu pela dica, mas vou continuar argumentando…Talvez eu pare, caso vc se mude para uma caverna sem sua internet, sua TV e seus argumentos babaquinhas. Se é pra ser radical, que seja. Pelo menos na caverna, longe da civilização, com certeza não terá ninguém pra te aloprar, nem argumentar, nem pra te comunicar algum produto por meio de TV, rádio e internet usando “mensagens homofóbicas”. Aliás, se vc não me responder é pq seguiu o meu conselho.


    Humor não depende de escárnio, mas personagens são embasados em tipos, sejam eles gays, gordos, negros, brancos, narigudos, “zoiudos” enfim, será que teremos de banir os programas de humor tbm? Só rindo mesmo.Rs. Será que fazer piada com corno, gays, gordos, entre outros deve ser motivo de tanto barulho? Claro que não! Assiste quem quer. Consome quem quer.

    Só não acho certo privar a todos de ter acesso à informação ou entretenimento, só pq VCCCCCSSSSSS acham aquilo ofensivo. É como eu disse, meu amigo, vai pra caverna, se isola, já que não aceita viver com certas adversidades. Ou se candidata à sequência de “O curioso caso de Benjamim Button”, pq com esse pensamento vc mais parece um velho que precisa se tornar jovem.


    Aliás, vejo Zorra Total sim. TV Senado, Chaves, Fast Shop, Datena…Tudo vira referência pra mim. Na minha concepção isso é ser publicitário. Saber rir de si mesmo, conhecer estereótipos e adequar isso à propaganda. Ou vc acha q o público para o qual vc comunica, se é que é publicitário mesmo, não assiste esse tipo de programa? Ou vc deve ser aquele publicitário que escolhe cliente(utópico). Deve atender as contas da Louis Vuitton, Armani, Diesel, Ferrari.

    _
    Vc tem vergonha de morar no Brasil? Isso é mto fácil de resolver! O seu portfólio é tão RICO q vai agência saindo no tapa pra te contratar…Tem a W+K, BBDO NY, BBH de Londres, entre outras. O foda é que vc vai deixar os seus fãs pobres, que assistem Zorra Total, sem o seu talento nato pra PP. Mó perda…Mas vai firme! Talento é pra ser explorado mesmo!

    _
    “Ser zoado em escala nacional”? Ué, por isso mesmo vc tem a opção de deixar o país. Lá fora a parada é mais amena. Aliás, tem a KesselsKramer em Amsterdã. Puta agência em um país totalmente liberal, cool, gente bonita…

    Bom, valeu por ter me incluído no hall dos boçais…Vindo de um criativo fodão como vc nem há como argumentar, mto menos achar ruim.

    Abraço

  • Marcos 6

    Também não ví preconceito lá não. Bem observado por um cemntário acima do Ricardo Aum, que TODOS NO CARRO ESTÃO OUVINDO YMCA. Isso deixa bem claro, que o estranhado foi a dancinha, nada gay. POdem ser todos do carro, gays e estranharam a dança, ou heteros e estranharam a dança realmente. O que acontece é que a direção não foi Feliz… Essa observação passa despercebido a um olhar menos crítico. Levando a crer que tem preconceito aí.

    Mas desconcordo com o Mesmo comentário do Ricardo Aum que esse ou aquele grupo faz barulho por pouca coisa. Não vamos generalizar. Em qualquer grupo, vai ter um que fala demais e um que fala de menos. Gay não é isso ou aquilo. Este como qualquer outro grupo possui pessoas totalmente diferentes que tem atitudes diferentes. Falar que fazem muito barulho é o mesmo que dizer que preto é vagabundo, loira é burra, mulher é consumista, baiano é lerdo, paraíba é tudo porteiro, enfim isso, sim tona seu comentário PRECONCEITUOSO.

    A midia está aproveitando a ascenção social que o gay está ganhando timidamente para vender notícia só isso. Sempre teve , tem e terpá em todos os grupos, alguém, um que seja, que se sinta ofendido com qualquer coisa, se você visse melhor quantas reclamações existem no Conar, descobriria que praticamente qualquer camapanha veiculada na Tv tem um processo no Conar.

  • Guilherme

    Prezados(as) Srs.(as)

    Informamos que as queixas enviadas pelo(a) Srs. (as) – anúncio “DORITOS YMCA” – Rep.074/09- foi levada a julgamento pelo Conselho de Ética do CONAR, tendo sido deliberado por maioria de votos, em 1ª instância, a sustação da veiculação do anúncio.

    O andamento poderá ser acompanhado dentro em breve, pelo site do CONAR (www.conar.org.br ) em Decisões e Casos (resumo das decisões) .

    Atenciosamente,

    Secretaria Executiva

    CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária

  • Gi

    Pelo menos, criou polemica, todo mundo viu eheh

  • Marcelo

    Em um ponto o post nº214 tem razão. “De boa intenção o inferno está cheio”. Basta vermos o que acontece no Brasil. Não só com a propaganda, mas especialmente com a política, com a cultura, enfim…Continuo achando uma tremenda babaquice essa “retaliação” direcionada a UM segmento da sociedade, quando na verdade, deveríamos atentar para outros de maior importância.

    No Brasil é normal ver político batendo nas costas dos caras pedindo voto em troca de promessas e benefícios, chefe sendo passado para trás, preocupado com empregado “doente” que compra atestado na Sé, enfim, aqui a Lei Gerson impera. Se de boas intenções o inferno está cheio, então podemos concluir que “o inferno é aqui”.

    Aí daqui uns posts surgem os primeiros “senhores(as) da moral e dos bons costumes” dizendo: “ah, mas se for assim não vai ter fim. Se a moralização não partir de nós, ninguém vai mudar”…Balela!
    O país é uma bagunça e o povo não tem a educação necessária pra conviver com certos acontecimentos, que aliás, em outros países passariam desapercebidos, ou seriam encarados com naturalidade.

    Lá fora eles se preocupam mais em reivindicar coisas básicas como educação, saneamento, saúde, entre outros, do que ficar nessa caçada ao pêlo no ovo. Preferem sair às ruas pra lutar por direitos que realmente condizem com suas aspirações. Pagam impostos, trabalham, se divertem e encaram a vida como ela é. Curta e bem vivida.

    Por aqui é mais fácil gritar contra os pequenos. Tipo aqueles brigões do colégio, que só batem nos menores. É mais fácil acionar o CONAR do que ir à mídia reclamar da gigante Globo, que já cansou de cometer gafes envolvendo o homossexualismo, como o vídeo de Bonner imitando um gay, ou o personagem de uma novela que era gay e torcedor do São Paulo. Aliás, homossexualismo e sensacionalismo na TV combinam. É a fórmula.

    Pode até parecer incoerente da minha parte, ter sugerido que um dos postadores insatisfeitos aeh de cima se mudasse para a Holanda, como o fiz em posts anteriores, mas a verdade é que do jeito que a coisa anda no Brasil, é capaz de eu ter de me mudar antes dele, antes que o mercado publicitário se torne cada vez mais “broxante”.

    Aliás, há tempos não se ouve comentários nas filas de supermercado, ou no ponto de ônibus, sobre determinado comercial bacana que passou na TV. Culpa dos publicitários medrosos e sem criatividade, ou do excesso de pieguices de determinados grupos?

    O que o Olivetto disse certa vez, que a propaganda fazia parte da cultura popular, não deve valer mais, pelos menos por aqui. Depois reclamam que nossos hermanos argentinos, que estavam fudidos há pouco tempo, ressurgiram economicamente, além de manter a hegemonia latina nos filmes publicitários nesses últimos anos. Cansei de ver spotzinho argentino tirando sarro dessa coisa dos estereótipos.
    http://www.youtube.com/watch?v=uPmRXKEX9oc
    Nesse aqui os caras olham com cara de reprovação no momento em que o cara vai para o Ballet. Não é a mesma coisa?

    Aliás, não querendo ser pessimista(rs), já imaginaram publicitário trabalhando de homem sanduíche anunciando emprego no centro?
    Já que exageram de um lado, acho que posso me dar o luxo de fazer o mesmo. Viajar na maionese e começar e virar um velho de vinte e poucos anos que reclama de tudo.
    Isso aqui vai virar um país de CONARES, PROCONS e SACS e com um povo com expectativa de vida por volta dos 40 anos. Não é de se duvidar, afinal, vivemos em um país em que a tecnologia de TV digital chega 11 anos depois de outros lugares, como o Japão, e o presidente precisa do porta-voz pra retribuir um elogio(mais falso que rolex da 25) do presidente dos EUA. Aliás, essa ocasião me lembra bastante o comentário feito no início do post 214, que “o inferno tá cheio de boas intenções”…rs

    O FIM DA PICADA(sem trocadilhos infames), foi esse post carregado de orgulho, contendo o resultado unilateral do CONAR. Foi exibido como um troféu por um dos postadores, como se o cara tivesse conquistado algo realmente revolucionário, como a “lei que regulamenta o casamento entre homossexuais”.

    Pra fechar, um outro exemplo de como o povo lá fora encara a propaganda… Com bom humor, sem melindres.

    http://www.youtube.com/watch?v=fpBOYPpXzLI

    Esse comercial, de ANOS ATRÁS, é praticamente uma cópia muito, mas MUuuuuITOOO, mais recheada de signos que, poderiam ser classificados como “homofóbicos”. A começar pela trilha e pelos takes que compõem o spot, inclusive um deles fazendo alusão a cenas românticas do filme “Ghost”. Depois, em seguida, vemos o conceito ser revelado, de forma sarcástica e engraçada. Mto engraçado! É algo que pode acontecer com qualquer um…mas q é ironizado de forma brilhante, mostrando que com determinada companhia aérea ninguém precisa passar por certos tipos de pesadelo. A propaganda fez o seu papel. Comunicou e divertiu. Não foi criado para causar polêmica. Apenas usou uma situação hipotética e engraçada. Será que é difícil de entender? Tem algo de homofóbico? Claro que não!…A diferença, que aliás deveria fazer a diferença, é que este filme seria direcionado a um público mais velho, mais passível de chatices…A Doritos é para o público jovem. E nem por isso algum tiozinho foi reclamar…

    Acho que tá na hora de mudar mta coisa por aqui! Começando pelo slogan de uns filmezinhos institucionais do governo que deveria mudar para: “Brasil, um país de tolos”.

    Em tempo, esse filme da Virgin é brilhante! Mto bom. Não só pela óptica publicitária, mas pela visão de um consumidor que encara a propaganda como entretenimento, cultura, diversão, enfim…

    Bom, deixa pra lá…A campanha da Doritos já foi tirada do ar e eu ainda estou aqui, perdendo o meu tempo tentando mudar a cabeça de uma minoria.

    Aliás, essa discussão está no ar há mais tempo que o período de veiculação da campanha de Doritos. rs :OP

  • Guilherme

    Só para os desavisados e nervosos: O CONAR É PARA E FOI CRIADO POR PUBLICITÁRIOS, ok?

  • Marcelo

    E?…

    Meu amigo, saber, é uma coisa, saber e concordar é outra. Achei unilateral sim. Não é pq sou publicitário e “devidamente” regulamentado pelo CONAR que, obrigatoriamente, deva concordar com suas decisões. Mas se a própria AlmapBBDO, além de seu cliente, PEPSICO, concordaram que esse bafafá todo poderia ser negativo para a marca(sabemos mto bem que foi isso), não há mais o q fazer. Digo unilateral por se basear apenas na opinião de um determinado grupo de “possíveis consumidores”. Foi uma decisão sumária, sem sequer pensarmos em suas reais consequências, tanto para o mercado, quanto para a própria cultura/sociedade.

    Acho inaceitável esse tipo de manifestação, afinal, abre precedentes para que outros segmentos da sociedade comecem a achar que têm total poder sobre o conteúdo que outras têm o direito de receber, que é informação, entretenimento, cultura, entre outros. Se eu for descendente de portugueses posso ficar puto com piada de português em programas de tV? Vou perder tempo processando e tirando o programa do ar?

    Tirar uma campanha publicitária do ar, baseada no que uma minoria acha, não é, pelo menos para mim, a solução para o problema da homofobia. Se for assim, devemos instituir, desde o início, no próprio sistema educacional, que existem diferentes tipos de opções que devem ser respeitadas. Ou vc acha fácil controlar o tipo de educação que um pai tem com o seu filho, apenas tirando uma campanha “possivelmente” homofóbica da TV?

    E por falar em opinião pessoal, eis que surge uma notícia do site da Globo.com, falando que a opinião “PESSOAL” de uma MISS sobre o casamento entre homossexuais lhe custou a coroa.

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1092791-5602,00-MISS+DIZ+QUE+TIROU+LUGAR+POR+SER+CONTRA+CASAMENTO+GAY+NOS+EUA.html

    Ou seja…”É proibido discordar(mesmo sendo opinião pessoal), em qualquer veículo de comunicação, sobre assuntos relacionados á homossexualidade, ou seja, o cidadão deve ser falso e fingir que concorda, pelo menos em frente às câmeras, senão está vulnerável a diversos tipos de retaliação.”
    Seria mais ou menos isso? Se bobear vira lei. É só dar uma formalizada na linguagem.

    A propósito…Não sou desinformado, tampouco nervoso. Só acho que um país e/ou povo, que deseja ser grande, deve, antes de mais nada, agir como adulto bem resolvido. Um país capa da Newsweek com o título de “Brazil. Crafty superpower” não pode abrigar e agir de forma tão antiquada.

    Reafirmo…É OPINIÃO PESSOALLLLLL(sem veiculação em TV)rs

  • Daniel Rodrigues

    Acho engraçado como algumas pessoas que desconhecem por completo o que seja homofobia e o movimento social que o combate enche a boca para falar do que não sabe.

    Por que que, ao invés de reclamar sem razão de que pessoas não aceitam a homofobia, seja em que nível for, não vão lutar por “coisas mais importantes”? Tenho um palpite: é porque efetivamente essa pessoa também está se lixando para essas tais “coisas mais importantes”. A única causa que defende é a completa libertinagem de expressão para que possam cometer os abusos que acharem mais “divertidos” e lucrativos. Afinal, o que importa não é se a publicidade tem algum ética ou respeito, mas sim se ela é um setor “brochante” ou excitante. Respeito não vende, não é mesmo? O discurso do “vai lutar por algo mais importante” tem como único intuito a defesa de que não se combata aquilo do qual ele usa. Se essas “coisas mais importantes” estão sendo ou não defendidas isso não importa.

    E engana-se que acha que as outras manifestações de homofobia são ignoradas, inclusive no âmbito educacional. Mas cada um só tem o conhecimento do que lhe interessa.

    E ninguém até agora dignou-se em demonstar porque a explicitação de que existem São Paulinos que são homossexuiais possa ser algo que deva combatido e ser tirado do ar. Só quem fica ofendido com isso são os São Paulinos homofóbicos. rsrs

  • Guilherme

    Resposta ao Marcelo e outros posts também:

    Novamente, digo que é necessário esquecer um pouco os “egos” e a publicidade pois o mundo não gira em torno dela. A publicidade tem uma parcela de culpa sim na disseminação do preconceito e o cinismo que impera no Brasil. É interessante ver como se torna importante uma publicação de capa de uma revista americana como a Newsweek e uma resolução do “nosso” CONAR é sem credibilidade, e sem respeito. Vocês deveriam se questionar o porque do CONAR ter tido este veredito mas não, agora o CONAR que é um fracasso e a ALMAPDDBO E PEPSCI CO são criativas, vítimas e incríveis. Por Favor!!!! É exatamente por isto, que nossa cultura está como está.

    Agora deixe-me falar um pouco sobre a vida real… sobre as ruas e as cidades do Brasil que não resume-se somente a São Paulo Capital, Rio de Janeiro etc. No interior também vende-se DORITOS, também passa comercial, sabia?

    Será que vocês tem idéia do efeito desta frase: “QUER DIVIDIR ALGUMA COISA COM OS AMIGOS, DIVIDE UM DORITOS?”

    Sabe a importância de um amigo na constituição de caráter de um adolescente e principalmente um homossexual? Somente quem já passou por experiências de vida tenebrosas como sofrer preconceito sabe o que é ser diminuído, excluído e virar motivo de piada.

    Acho engraçado os exemplos: eu sendo português me indigno com piadas de português, ou então, eu sendo loira, ou eu sendo são paulino. Alguém comentou em ser negro? E quanto aos negros que precisam de um órgão como o CONAR para não serem motivo de chacota?

    Um caso de uma resolução do CONAR: um comercial onde duas crianças apareciam no início do filme com a empregada amarrada a uma cadeira. A empregada? NEGRA… rs.

    Voltando novamente a vida real, e digo isso porque precisam olhar além de seus umbigos e prédios monumentais de agências de publicidade e “criativos” premiados.

    Eu sofri “bullying” em toda a minha adolescência por ser gay e sei muito bem o que é isto. Sofri muito. Não foi fácil. E para quem não sabe: “bullying” não é apanhar, tomar porrada ou ser agredido por ser gay, é simplismente piadinhas do tipo: “QUER DIVIDIR ALGUMA COISA COM OS AMIGOS? DIVIDE UM DORITOS ENQUANTO OUVE YMCA!”. É exatamente isto.

    Na hora em que vi o comercial do DORITOS, me senti ofendido na hora. Totalmente…

    Então, para não alongar mais esta discussão: AINDA BEM QUE HÁ UM ÓRGÃO DE PROTEÇÃO! AINDA BEM QUE EXISTE O CONAR! A liberdade de expressão tem de ser sim regulamentada. Os publicitários precisam entender que um filme para vender salgadinhos não é arte! Não está livre de julgamento… A arte sim, é livre, questionadora e revolucionária. A publicidade não. Como alguns aqui mesmo disseram: A PUBLICIDADE DEVE VENDER SALGADINHOS rs.

    Não ofender e estimular comportamentos…

    Só para finalizar acessem estes links e vejam o que uma “piadinha” boba como muitos disseram, ou então “não tem nada de homofobia neste filme”, ou ainda “gay adora ver pêlo em ovo”, pode causar.

    O suicídio de muitos jovens, crianças, etc. Nestas matérias contam o caso de garotos que suicidaram-se devido a pressão por vestirem-se diferentes ou serem chamados gay e talvez porque realmente fossem, não?

    É isto tipo de coisa que queremos? Tenho certeza que não…

    http://www.blackvoices.com/blogs/2009/04/12/anti-gay-bullying-drives-11-year-old-to-suicide/

    http://perezhilton.com/2009-04-22-why-we-will-continue-to-fight-and-be-very-vocal-for-equality

  • Marcelo

    A verdade é que não se trata de um assunto do meu interesse.
    Saber a origem e temas relacionados à homofobia, bem com o drama daqueles que a sofrem, não vão mudar a minha forma de pensar sobre o caso “Doritos”.

    Mas isso não quer dizer que sou preconceituoso, pelo contrário. É inegável que o preconceito existe e há muitos imbecis homofóbicos que praticam atos covardes contra os homossexuais. Só acho exagero dizer que a propaganda incentivou algo nesse sentido.

    O meu desinteresse tbm tem a ver com a forma como encaro a existência dos homossexuais, ou seja, com extrema naturalidade, tanto que tenho amizade com vários e não me envergonho disso.
    É uma opção que deve ser respeitada, mas não martirizada. É mto diferente dos dramas vividos pelas vítimas de minas terrestres em países africanos, ou até mesmo da fome, que deve sim ser mostrada de uma forma explícita para sensibilizar e gerar atitudes construtivas.

    Agora, ficar o tempo todo batendo na mesma tecla, se fazendo de coitadinho, criando motivos para que aqueles que, como eu, aceitam e agem com naturalidade mudem de conceito, é meio que uma atitude pouco inteligente. Não se deve omitir em casos explícitos de repressão e discriminação, aliás, qualquer atitude dessas deve ser abominada, mas ficar tentando culpar a publicidade, atribuindo à ela um fato inverossímil, é no mínimo irresponsável.

    A minha indignação é simples!
    Indepedendente de ser publicitário ou não, lutem por direitos reais, reivindiquem e garantam o direito de serem respeitados, mas sem começar a alardear coisas inexistentes.

    Usar uma “POSSÍVEL atitude homofóbica” para mostrar que têm poder de tirar comerciais do ar não vão garantir a vcs a diminuição da homofobia. Talvez aconteça até o contrário, como aconteceu aqui, de pessoas(não eu) xingarem e demonstrarem claramente que a atitude tomada foi “digna da frescura dos homossexuais”(não foram palavras minhas). É aquela história que a gente sempre ouve, especialmente nas escolas. “Quanto mais se dá importância para certos tipos de aloprações, mais elas se intensificam e acontecem”.

    Pra finalizar, acho que os comentários mais sensatos e inteligentes deste “fórum” foram dos próprios homossexuais que não viram nada de errado com o comercial.

    Parabéns a vocês!

  • Guilherme

    @Marcelo:

    Maravilha, mas no meu ponto de vista sua ignorância é besta e cega. Continua somente olhando o próprio umbigo.

    Sendo assim, continue promovendo comerciais com piadas infames e eu, continuo brigando para eles serem tirados do ar. Cada um vai pelo seu próprio caminho e sua própria consciência.

    Continue cínico, continue com o seus amgios homossexuais e com seus comentários sensatos. E que nada correspondem a realidade da maioria. Que tal pedir aos seus amigos homossexuais que deem um beijo na praia comendo um delicioso doritos? Será que você ainda vai lá ficar sentadinho do lado deles? Ou vai soltar uma: Quer dividir alguma coisa com os amigos? FICA NO DORITOS hahaha.

    E outra, ninguém precisa forçar uma atitude homofóbica, pois ela existe, é real e está aí neste comercial, que é sempre bom lembrar, foi retirado do ar por UNANIMIDADE rs.

    E só para terminar: fico com a frase do ator Sean Pean na pele do personagem MILK na cena antes de morrer:

    Gays com poder… isto dá medo né?

    Qual o problema do povo ter poder? Incomoda né?
    Incomoda que as pessoas ficaram ofendidas com um comercial né?

    Pense nisso… aliás, você está contaminado pelo seu umbigo e não vai fazer isso.

    Como eu disse num post anterior, vamos aguardar a decisão da justiça, porque a PEPSI insiste em afirmar que recorrerá. Coitados… isso sim é dar murro em ponta de faca. E só pelo orgulho desses publicitários que perderam para o povo?

    Isso sim, deveria virar um comercial, é uma PIADA MARAVILHOSA! DIGNA DE CANNES!!!

    Engraçado tsc tsc tsc.

  • Guilherme

    So para acrescentar: OBRIGADO PELOS PARABÉNS! Porque afinal de contas fui uma das pessoas beneficiadas pela decisão do CONAR pois eu fiz uma reclamação formal e me senti profundamente ofendido!

    E ah, a comunidade GLBT está em festa com a decisão! Mais de 50% apoia a decisão.

    E um comentário interessante retirado do site Clube de Criação sobre a resolução do CONAR sobre o Doritos YMCA:

    “Algumas pessoas estão confundindo as coisas. Um comercial não deve sair do ar por ser de mau gosto ou sem graça (motivos subjetivos) e muito menos por ser apelativo (todo comercial é apelativo, oras); ele deve sair do ar por ofender ou discriminar alguém!”

  • Guilherme
  • Marcelo

    Foi bom vc ter tocado no assunto “COMERCIAIS COM PIADAS INFAMES”.
    É…Pq pra gente como vc, o mercado publicitário, especialmente no que diz respeito à criação, se resume a piadinhas preconceituosas, sem contribuição nenhuma para o lado social e cultural da nossa educação. Pois bem, meu amigo, vou postar apenas um comercial, que inclusive já foi publicado e comentado pelo Merigo, que mostra que publicidade vai muito além desse seu pensamento “CEGO E BESTA”. Publicidade é cultura, entretenimento e tbm emociona.

    http://www.youtube.com/watch?v=blzPDwNzdX4

    Por coincidência, esse comercial feito para o Boticário foi criado pela mesma agência que vc criticou pelo “eventual comercial homofóbico”, a AlmapBBDO. O filme mostra a importância da mãe ao mostrar que a vida e a morte devem ser encarada de forma natural, bonita. “Sua mãe ensinou a ver o lado bonito das coisas…”
    São coisas que realmente acontecem na vida da gente. Crianças questionando ou se entristecendo com a morte de um cachorrinho, ou até mesmo de um ente querido. Não seria o mesmo que “aloprar amigos que pagaram mico”? (Fato comum em nossas vidas).

    É um exemplo perfeito para calar a boca de gente como vc, que acha que a opinião de todo mundo deve ser a mesma que a sua(minoria). Enquanto a maioria dos publicitários trabalha para vender e enriquecer marcas, mover a economia, entre outras coisas, pessoas com a “SUA IGNORÂNCIA BESTA E CEGA” ficam tentando culpar um único segmento de algo, que poderia ser de responsabilidade de todos.

    Dê uma olhadinha nos comentários da galera, no youtube, bem abaixo da tela. Esse sim é o tal POVO (“leia-se” consumidores) que vc comenta em um dos seus últimos posts.

    Aliás, a sua incoerência é de dar dó…Fala do egocentrismo publicitário, de olhar para o próprio umbigo e sentencia:

    “E só para terminar: fico com a frase do ator Sean Pean na pele do personagem MILK na cena antes de morrer:

    Gays com poder… isto dá medo né?

    QUAL O PROBLEMA DO POVO TER PODER? Incomoda né?
    Incomoda que as pessoas ficaram ofendidas com um comercial né?

    Pense nisso… aliás, você está contaminado pelo seu umbigo e não vai fazer isso.”

    _
    Por acaso vc se acha porta-voz do povo? – Então vc se acha Deus? – É…pq “a voz do povo é a voz de Deus”, né?…tsc, tsc, tsc digo eu…rs. Só pq VC acha uma coisa todo mundo tem de achar? Se for é bom investir nisso, vc pode se tornar o novo Nizan.

    Um outro ponto ridículo do seu comentário é falar sobre o tal beijo na praia. Vc mesmo caiu em contradição, encarou a coisa como algo de outro mundo. rs. É a primeira vez que vejo um homossexual comentar um assunto, com preconceito de algo que talvez ele mesmo faça. rs.
    Primeiro que meus amigos jamais fariam isso na minha frente só pra mostrar para a sociedade que eles podem e devem ficar se exibindo em público. Segundo, que eu ficaria ao lado deles sem problema. Não tenho vergonha e não sou preconceituoso como vc. hahahahahahaahahaha. Que babaca. rs

    E as trapalhadas não param por aí…O link q vc postou, com a opinião blogueira(agora qualquer um tem blog), talvez de um amigo seu, gay, por sinal(opinião tendenciosa e óbvia), já começa com uma tremenda gafe. Olha o que o cara escreve no título: “Tinha achado tão insignificante e malfeito que nem ia comentar, mas como um amigo que gosto muito se indignou, vamos lá.”, ou seja…O cara talvez nem saiba o que realmente rolou, mas se indigna e toma as dores de outra pessoa. Ele acha insignificante, mas grita como se tivesse sido atingido.(Quanta coerência)

    O cara fala em boicote…Porra, que país é esse?rs. O cara perde tempo pra convocar pessoas a boicotar produtos e marcas via Blog por algo que uma parcela de pessoas, que não o inclui, sentenciou. rs. Vcs são tão engajados, politizados e eruditos que teimam em escrever “DESCRIMINAÇÃO”.rs. Isso mostra que vcs realmente entendem o significado.rs

    Bom, cara, por falar em “próprio umbigo”, vc deveria virar crítico de cinema tbm. com certeza faria ótimas análises de O SEGREDO DE BROCKEBACK MONTAIN, MONSTER(Charlize Theron),CAPOTE, MILK, entre outros que levaram a estatueta abordando o assunto. Mas uma dica importante!!!! Não utilize os mesmos critérios, CRÍTICOS de cinema, para filmes publicitários. Afinal, nem tudo o que parece para vc, realmente é. Filmes declaradamente relacionados ao tema, é uma coisa, filmes publicitários que, do ponto de vista de uma minoria são preconceituosos, é outra.

  • Daniel Rodrigues

    Hum…

    Só duas perguntas:

    Tá, os homossexuais são minoria… mas os publicitários preconceituosos são a mairia de que? Afinal, para reclamar que uma “minoria” quer impor sua opinião, tem que haver um contrapartida: a maioria que discorda dessa opinião. E parece que estão achando que os publicitários pró-doritos e pró-propaganda-babaca são alguma maioria do Brasil! Hilário.

    E outra coisa curiosa… a opinião de um gay é tendenciosa. Hum… Mas a opinião de publicitários pró-preconceito propagandístico é uma opinião imparcial???? kkkkk

    E também numca vi um homofóbico, racista, machista ter culhão para assumir que assim o é. Ninguém acredita que alguém não é nenhuma dessas coisas porque essa pessoa nega que o seja! Tenha dó! Ninguém é tão inocente – ou idiota! O que diz que a pessoa é ou não essas coisas são suas ações e posturas. Elas falam por si.

  • Guilherme

    @Marcelo:

    Bom Marcelo, você realmente é patético e não vive no mundo real. Sem dúvida, já percebi, você tem uma grande dificuldade em lidar com a realidade. O Mundo fantástico do “Marcelo”.

    Sim, a publicidade pode emocionar. Se bem que, tem pessoas que se emocionam com o ZORRA TOTAL e aí? E tem pessoas que ofendem-se com um comercial homofóbico kkkkkkk. Não disse nada, me desculpe.

    Não, você não calou minha boca porque até agora não disse nada relevante com relação a HOMOFOBIA apresentada no comercial em questão que estamos discutindo.

    Não, não me acho DEUS, mas tem publicitário que se acha. Quer apostar?

    Sim, o boicote nos Estados Unidos, Europa, Ásia etc, funciona, porque não funcionaria no BRASIL?

    BOICOTE AO DORITOS E A PEPSI!!! COM CERTEZA ABSOLUTA!!!!! Até emitirem um desculpa pública e formal, coisa que não aconteceu e não acontecerá porque os publicitários da sua agência amada e premiada ALMAPDDBO, não vai deixar, tsc, tsc.

    Sim, á única coisa interessante que disse até agora é que eu posso virar crítico de cinema. Gostei da idéia? Quem sabe não vou para CANNES julgar filmes publicitários!!!!

    Sim, você não passa de um homofóbico que só sabe olhar para o mundo da publicidade. Coitado rsrsrs.

    Sim, o POVO quem tirou o seu comercial favorito do DORITOS FORA DO AR! DEVIDO MILHARES DE RECLAMAÇÕES FORMAIS ENVIADAS AO CONAR!!!!!

    hahahahahaha. Paciência né Marcelo.

    Vou encerrar por aqui, você não me acrescenta em nada. Boa sorte ou não rs.

  • Guilherme

    Nem todo mundo tem sorte rs.

  • Marcelo

    Ãhhhh?…

  • Marcelo

    Realmente não lhe acrescento nada…Diminui-lo me diverte mais.rs
    Principalmente um cara como vc, contaminado com essa mania de perseguição, retrógrado e, por incrível que pareça, preconceituoso.

    Aliás, em momento algum dei lição de moral em vc, ou em qualquer homossexual, dizendo o que muitos ignorantes diriam(“vira homem!”), pra vc vir num blog de publicidade e propaganda me chamar de homofóbico.

    É preciso ter muito cuidado com o que se escreve, ou com o que se diz, pois entrar com ações no CONAR acusando campanhas publicitárias é, de certa forma, simples, agora publicar asneiras chamando alguém que você mal conhece de homofóbico é complicado. É muito fácil não se identificar e sair por aí “pré-conceituando” alguém. Até pq vc não é ninguém pra me julgar.

    A propósito, não é minha a campanha da Doritos, infelizmente. Se fosse minha brigaria em dobro, mesmo que o cliente me convencesse que esse “buzz” geraria uma imagem negativa para a marca. Inclusive apoio totalmente a decisão deles de recorrer. É o mesmo que acusar alguém de um crime que não cometeu.
    Alguns de vcs falaram tanto em achismos, propaganda subliminar, daqui a pouco estão falando em hipnose e ameaças psíquicas ao consumidor.rs

    A mais nova, dos velhos, é a implicância com o comercial da Brahma, estrelado por Ronaldo. Ouvi falar que queriam tirá-la do ar, pois a imagem de um atleta não pode ser usada para vender bebida alcoolica. hahahahahahahahaha. Presidente pode assumir que adora uma birita, mas propaganda com atleta não rola. rs. Acho que ainda não tiraram pq o presidente é corinthiano e o gordinho tá comendo a bola. rs

    Esse país tá ficando babaca demais, com uma mentalidade pequena demais para as pretensões de se tornar grande. Não adianta crescer vertiginosamente, em nível de economia, e continuar com uma parcela da população totalmente alienada.

    Boicote funciona em outros países pq são embasados em motivos reais, construtivos, além do que, os caras são mais politizados, cultos… Aqui não rola, assim como pena de morte pra bandidagem.rs. Do jeito que há injustiça nesse país é capaz de sentenciarem alguém inocente.(“deja vu”)rs
    Se alguém provar, por exemplo, que uma determinada marca de material esportivo utiliza mão de obra infantil em países como China, Vietnã, entre outros, os caras boicotam. Não é “achismo”, nem informação viral de e-mail. É fato! Provou, organizou, boicotou. É assim que funciona. Com organização, inteligência e ações que visam o foco, não os menores culpados. Volto a dizer…Tirar um comercial “possivelmente” homofóbico não vai diminuir a homofobia.

    Lá fora o “boicote” é mais inteligente. Usam até mesmo campanhas publicitárias para incentivar o boicote ao uso de casacos de pele. Ou caras fodões como Michael Moore, que faz filmes brilhantes para dar tapa na cara de quem merece. Por meio deles as pessoas praticam o boicote, não por meio de e-mails virais de “Repassem para os seus amigos”. rs.
    Inclusive, é legal pensar que um país democrático, que era governado por Bush, acusado de fazer parte da indústria bélica, e totalmente pró guerra do Iraque, permita a veiculação de filmes como “Tiros em Columbine” e “Senhor das Armas”. Liberdade de expressão é lindo, né?! Não é à toa que eles cultuam seus símbolos e são totalmente patriotas.
    Aqui no Brasil, ao invés disso, estamos prestes a ver um recorde de bilheteria com um filme contando a vida guerreira de Lula. rs. Eu deveria me sentir orgulhoso, afinal, indiretamente estou “contribuindo” financeiramente para o projeto. rs

    Deixando a política de lado…Por falar em filme, pra ser jurado em Cannes vc precisa conquistar mta coisa no mercado publicitário. Vc, provavelmente, não querendo ser pessimista, tornou-se “persona non grata” com essa histeria sobre o caso Doritos. rs. Comece mudando a sua mentalidade sobre a propaganda, depois crie campanhas memoráveis ou conquiste cases de sucesso. Aí talvez apareça um Guilherme(anônimo do brainstorm9) na cadeira mais desejada do Festival.

    Pra terminar, um filme bacana pra vc começar a se inspirar. É antigo, mas o conceito é atemporal. Preste bastante atenção no finalzinho, no slogan, LOGO e coisa e tal.rs. Tá na hora de pensar um pouco diferente, meu amigo.

    http://www.youtube.com/watch?v=c9v_kzLZVi8

    Abraço

  • Guilherme

    Falo MARCELO!!! A “VOZ” DA PUBLICIDADE!!!! hahahahaha, vc realmente é em cada POST mais hilário e patético.

    Se eu não sou a voz do “povo” porque você seria a voz da publicidade para eu ser “NON GRATO”.

    Acorda hahahaha!

    E você ainda está no BRASIL? hahahaha, vai para a ESPANHA procurar emprego!!!

    Se bem que acredito que o MÉXICO está mais adequado para você no momento!!!

    HAHAHAHAHAHA! Não tem mais como debater NADA com vc!

    POUPE A INTERNET! kkkkk

    um beijo na boca hahahahahahaha

  • Guilherme

    me entretenha mais marcelo…

  • Marcelo

    hahahaahahahah…Agora eu gostei. Até que enfim um pouco de ironia e bom humor.
    Só me poupe do beijo na boca. rs

    É que o meu negócio é esse aqui óh: http://noticias.uol.com.br/album/090428_album.jhtm?abrefoto=1

    Isso sim é protesto e boicote com conteúdo. rs

    Cara, o “problema” é que eu tô mto bem empregado aqui no Brasil. Espanha seria um lugar interessante, aliás, nem precisaria ir muito longe, tem a Argentina tbm. Até eles, antes odiados, são menos boçais. Inclusive tem uma porrada de campanha brasileira seguindo a estética argentina.

    Mas acho que de todas as suas sugestões fico com o México. Prefiro muito mais os “BURRITOS” de lá aos daqui. hahaha. Especialmente acompanhados de uma Jose Cuervo Oro. Pego a tal gripe suína, mas morro feliz. hahahahahahahaha.
    E por falar em burrito, dá uma pesquisada, pois a gripe suína tá se alastrando mais rápido que o seu conhecimento. rs. Já tá no Brasil.
    http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1100827-5598,00-BAHIA+E+O+SETIMO+ESTADO+A+REGISTRAR+SUSPEITA+DE+GRIPE+SUINA.html

    Porra, Guilherme, daqui a pouco vou começar a cobrar, pois além de te entreter tô atualizando o seu HD de conhecimentos gerais…rs

    Abraço…de longe(pra não pegar gripe suína de mim). Melhor prevenir, né.rs

  • Beatriz

    Não sei se alguém vai ler esse comentário mas não posso deixar de observar o quanto o Marcelo levou para o lado pessoal essa história. Ele ficou o tempo todo desviando o assunto da homofobia implícita no comercial e defendendo a agência e o mercado publicitário como se as pessoas estivessem atacando-as. Será que ele só sabe fazer peças publicitárias preconceituosas e ofensivas e está com medo do caso doritos abra um precedente e ele termine ficando queimado também? A propósito, eu sou uma idiota porque não pensei em boicote antes. E olha que eu adoro doritos. E antes que alguém diga que eu sou tendenciosa, eu não sou lésbica.

  • Marcelo

    Na boa…Metade do que vc postou eu não entendi.

    Especialmente o trecho em que fala que puxei para o lado pessoal…rs
    Se tem um lado para o qual eu não puxei foi o pessoal.

    É tanta contradição que, no mesmo parágrafo(único) em que vc afirma que levei para o lado pessoal, vc segue dizendo que defendo a agência e o mercado publicitário. Que eu saiba isso é profissional. rs

    Se está acompanhando toda a “discussão” sobre o tema vai perceber que não tenho nada pessoal contra os caras.

    Quanto ao boicote, fique à vontade… Se VC levou para o “lado pessoal” e, está deixando de consumir Doritos por birra, é mais um motivo para concluirmos que as SUAS opiniões são contraditórias.

    Eu não perco nada com isso. Se fosse a minha agência e o meu cliente talvez perdesse, ou não…rs

    Inclusive, Beatriz, concordo plenamente com vc(sobre ser idiota ao não pensar antes em boicote), afinal, ao deixar de consumir Doritos ou qualquer produto da PEPSICO vc provavelmente não engordará. Ahhh, e nem passará raiva em solidariedade aos seus amigos.

    Como sou um cara de opinião própria e não deixo de fazer algo prazeroso em função do que um amigo acha, ou deixa de achar, ficamos assim… Vc com o seu protesto e o seu boicote e eu com a minha opinião PROFISSIONAL, além dos quilinhos a mais…

    Bjus

  • filbol

    Meu idaiiiiiiii isso é pretesto pra gay ganhar dinheiro !!!

  • Evandro Souza

    Homofobia e uma palavrinha nova que significa aversao aos homosexuais, mas existem outras palavrinhas novas como “copiatitude” q siginifica atitude copiada ou , pessoa sem criatividade e personalidade propria , esse e o grande problema (nao dos homosexuais normais ) e sim dessa categoria de pessoas politizadas em prou de um orgulho descabido, nos que nao somos homosexuais nos divertimos com os homosexuais pois eles pregam a alegria, mas nao significa que sao donos da verdade, e concertesa quem se sente perceguido e quem realmente vive um problema, um prblema de dentro pra fora, nao de fora pra dentro.

  • wendel alves

    Meu deus, quanto barulho por nada! Quanto absurdo ao afirmar que essa campanha é homofóbica!
    ela é simplesmente engraçada e mostra situações ridículas como a da skol em que os cara se fantasiavam de latinhas de cerveja no carnaval.

  • http://nosbastidoresdamente.blogspot.com/ Bárbara

    Não defendo e nem acuso ninguém.

    Acho que aqueles que se sentem discriminados devem lutar por seu espaço e para terem direitos iguais.

    O comercial de Doritos, na minha opinião, quis apenas passar a mensagem do que é fora de moda, talvez até brega. Eu acho graça de YMCA, mas porque REALMENTE é engraçado, NOS DIAS DE HOJE. Mesmo assim, eu já dancei. Rsrsrs. E não vejo mal nenhum.

    Não creio na intenção da Pepsico de causar polêmica, é apenas um comercial. Vamos nos preocupar com coisas maiores, com as mudanças climáticas, destruição da natureza, guerras urbanas, e tantos outros problemas graves que afetam a sociedade atual.

    Vamos mover o mundo melhorando essas questões graves. Do contrário, nem esse espaço aqui, na internet, não mais existirá. Afinal, se a água pode acabar, consequentemente a energia elétrica também…

    Beijos, gente!

    E sejam mais positivos ;)

  • http://prochico.webnode.com.pt não ti

    viviado gosta muito de uma polêmica vai pra casa do carai e apredi a curti as coisas por isso que ninguém gosta dde bicha só eles mesmos !!

  • Renato Domingues

    Bom ,então acho que não podemos mais fazer piada com o Village People, com o Abba, com o Michael Jackson, a Madona, o Restart, o Fiuk ou qualquer pessoa que o público homossexual goste, não importa quão rizilvel seja a pessoa em questão ou o contexto da piada. Até porque dizer que o cara do balão de hélio tem alguma coisa de gay não sei se procede, me parece mais o chato da galera fazendo uma piada sem graça. Até porque a Madona não é gay, por mais que os gays gostem dela. Já o Village People… Pelo amor de Deus, gente! O negócio é brega demais, mesmo que não tivesse uma associação com os homossexuais a piada seria válida. ia ser a mesma coisa se ele estivesse imitando por exemplo o Chuck Norris dentro do carro, os caras iam olhar do mesmo jeito. Mas por sorte o Chuck Norris não canta hauhahau. A verdade é que a sociedade está ficando meio "heterofóbica " ultimamente, me dá até medo, qualquer dia vão me acusar de homofobia se eu não gostar de roupa rosa, se eu não frequentar um bar gay… Imagina se eu disser então que drag queens e que gente afetada geralmente me irrita! Embora minha irritação não tenha nada a ver com a sexualidade dessas pessoas. Para mim a definição de homossexual é uma pessoa que sente atração por pessoas do mesmo sexo, e isso eu respeito. Mas parece que pra ser homossexual hoje em dia a pessoa precisa desmunhecar, ficar falando alto e ser o centro das atenções. Isso pra mim é ser bicha, não homossexual, como muitos dos meus melhores amigos são.

  • Hannah Guarilha

    Sou homossexual e acho que, em relação a estes comerciais, os homossexuais estão depondo contra si mesmos. Um exagero infundado.
    Não achei nada de homofóbico nos comerciais.

  • Kelvin

    Quanta Ladainha/ TODOS VOCÊS.

    vou “dár” (sem ofensas) um novo tema pra voces debaterem

    VERMES vs LOMBRIGAS

    O qe Acham?

  • Rodrigo

    Acho que os gays estão começando a banalizar o termo "homofobia". De fato com essas frescurices eles não estão conseguindo mais do que um "respeito" forçado pelo que podem fazer e não pelo que são…

  • Pedro

    Achei Desnecessário isso!!Véi na boa, não tem nada de preconceito!! Complexados