pesquisa

Desigualdade entre gêneros começa dentro de casa

Ferramentas do Instituto Patrícia Galvão ajudam a refletir sobre a divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres

0
notas
0
likes
0
Tweets
0
Pin it
0
notas
0
likes
0
Tweets
0
pin it

A igualdade de direitos entre gêneros é uma luta constante para muitas mulheres, mas que costuma ganhar maior destaque – e por isso mesmo chamar mais atenção – durante o mês de março, quando se estendem as celebrações em torno do Dia Internacional da Mulher. Geralmente, o foco maior está no ambiente profissional, como mostra a campanha realizada pela Kommunal, mas muitas vezes nos esquecemos que o problema começa dentro de casa, com a divisão desigual das tarefas domésticas.

Para entender bem como isso funciona na prática, ou seja, como a combinação dessa divisão desigual das tarefas domésticas mais o trabalho remunerado sobrecarregam a mulher em seu dia a dia, criando uma tensão permanente, o Instituto Patrícia Galvão disponibilizou duas ferramentas online.

share-images-02

A primeira delas, é um infográfico interativo que apresenta os dados da pesquisa “Trabalho Remunerado e Trabalho Doméstico – Uma Tensão Permanente”, realizada em parceria com o Data Popular e SOS Corpo, dentro do Projeto Mais Direitos e Mais Poder, apoiado pela ONU Mulheres. O estudo destaca a percepção feminina de como a presença cada vez maior da mulher no mercado profissional – trabalhando tantas horas quanto os homens – não se refletiu em uma divisão mais justa das tarefas domésticas, nem na criação de políticas públicas igualitárias.

share-images-03

E independentemente se você é homem ou mulher, pode experimentar a outra ferramenta do projeto, o teste “Quanto Você Realmente Trabalha?”, para descobrir qual é real participação de cada pessoa de sua casa na divisão das tarefas do dia a dia, como limpeza e compras, entre outras. O resultado pode surpreender você.

A partir do conteúdo do infográfico e no teste, o Instituto Patrícia Galvão quer incentivar as pessoas a refletirem sobre os papéis que desempenham neste cenário. As pessoas podem compartilhar suas opiniões e sugestões em redes sociais utilizando a hashtag #igualdadeemcasa.

share-images-15
LEIA TAMBÉM
COMENTE