“Papers, Please”, um jogo sobre controle de fronteira

Quando a burocracia vira diversão crítica

0
notas
0
likes
0
Tweets
0
Pin it
0
notas
0
likes
0
Tweets
0
pin it

Recentemente falei aqui de “Riot”, um simulador 8-bit de protestos, e de como o florescimento dos games independentes anda produzindo boas e inovadoras ideias.

Um outro criativo trabalho é “Papers, Please”, desenvolvido por Lucas Pope, e que tem uma proposta bem incomum. No jogo você é um inspetor de imigração e, com o poder que os carimbos lhe dão, deve decidir quem pode ou não entrar no país.

Papers, Please

Jamais poderíamos imaginar burocracia como algo divertido, mas o jogo constrói muito bem o cenário para nos manter interessados.

“Papers, Please” se passa em 1983, no distópico estado comunista de Arstotzka, que passou seis anos em guerra com a vizinha Kolechia. Seu objetivo é inspecionar os imigrantes e turistas que desejam entrar no país, tomando decisões – se nega ou concede o visto – baseado-se apenas nos documentos apresentados

Papers, Please
“Papers, Please” recebeu luz verde no Steam, e pode ser baixado de graça na fase beta

Parece fácil, certo? Mas, novamente, o jogo desenvolve inúmeras possibilidades. Além de pessoas procurando por trabalho, há espiões, bandidos e terroristas tentando burlar o controle da sua fronteira. Você deve procurar por inconsistências no passaporte, e lidar com as diversas restrições que são baixadas pelo governo com frequência.

A quantidade de regras, que mudam o tempo todo, vai dificultar o seu trabalho, até porque você não tem tempo ilimitado para verificar detalhadamente as informações. Se falhar no critério, seu salário é reduzido, e você pode morrer de fome. Um indicador no canto inferior direito mostra o seu peso em quilos.

Papers, Please

“Papers, Please” levou luz verde da comunidade no Steam, e em sua fase beta pode ser baixado de graça. Tem pra Mac e PC.

Assista o trailer acima. Já no vídeo abaixo você pode conferir a jogabilidade detalhada desse trhiller de papelada:

/dica do leitor Miguel Castarde

LEIA TAMBÉM
COMENTE