Unicef: #NoNameMatch

Como usar a paixão dos paraguaios pelo futebol para incentivar o registro de crianças no país

0
notas
0
likes
0
Tweets
0
Pin it
0
notas
0
likes
0
Tweets
0
pin it

Você já deve ter visto campanhas aqui no Brasil incentivando o registro civil de crianças. Afinal, não importa o lugar do mundo, todas as pessoas têm direito a um nome e sobrenome. No Paraguai, 24% das crianças com menos de um ano não têm certidão de nascimento – entre os indígenas, este número chega a 35% – apesar de o registro ser garantido por lei. Há inúmeras situações em que a falta de um nome faz a diferença, mas Unicef e  TBWA\Oniria resolveram apostar em uma que desperta paixões: o futebol.

No final de março, as seleções do Uruguai e Paraguai se enfrentaram no estádio Centenário, em mais uma partida valendo vaga na Copa de 2014. Dois canais de televisão e quatro estações de rádio foram convidadas para enviar a mensagem ao povo e aos candidatos à presidência do país na ação #NoNameMatch.

Durante os primeiros minutos do jogo, a narração foi feita sem citar o nome dos jogadores, apenas o número de sua camisa. Com a atenção do público conquistada, veio a mensagem:

“Assim como esses jogadores, todos nós precisamos de um nome e nacionalidade. No Paraguai, antes de completar um ano, 1 entre 4 crianças não são registradas no cartório civil. O que o seu candidato pensa sobre isso? Pergunte a ele.”

Com a hashtag #nonamematch, o assunto entrou em discussão nas redes sociais e os resultados foram bastante positivos. Segundo a TBWA, a mensagem foi recebida por 4 dos 7 milhões de paraguaios. Com im investimento de US$ 5 mil, a campanha teve um retorno de US$ 800 mil em mídia espontânea, mas publicidade gratuita equivalente a US$ 200 mil. E a Unicef conseguiu que os candidatos assumissem um compromisso para criar ações específicas para crianças e adolescentes se forem eleitos.

Mais um exemplo de que a genialidade geralmente está nas coisas mais simples.

LEIA TAMBÉM
COMENTE