Fechar [X]

Setenta anos Caetanos

11
notas
0
likes
0
Tweets
0
Pin it
11
notas
0
likes
0
Tweets
0
pin it

Poucos artistas sabem envelhecer tão bem quanto Caetano Veloso.

Você pode até não gostar dele, é seu direito. Mas você não pode negar a importância e o peso histórico que esse artista (na minha opinião, quase sempre genial e um dos mais completos da nossa música) exerce sobre nossa cultura e nossa história. Dono de uma obra riquíssima, consistente e que ajudou a definir grande parte da cultura desse país por pelo menos 45 anos, Caetano chega à maturidade gozando da mesma popularidade que sempre teve e se tornando um ídolo também de novas gerações, graças à sua inquietude criativa e seu radar sempre ligado ao que vem pela frente.

É fácil perceber o vigor criativo de um artista pela versatilidade e evolução de sua obra. De Domingo (álbum de estreia, junto com Gal Costa, lá em 1967) a Zii e Zie (álbum recente, de 2009, que traz a ousada formação e sonoridade Transrock), o que Caetano construiu ao longo de sua invejável discografia foi um retrato fiel do que ele vivia em cada momento, não se prendendo ao estilo que o consagrou e não se rendendo a tendências comerciais da indústria fonográfica.

Claro, há centenas de hits. Mas eles são o fruto de um mérito e competência autorais que sobrepujam quaisquer determinações rasas ditadas por esse ou aquele ritmo passageiro da moda. A prova disso está na própria sobrevida de todos esses clássicos da MPB, cuja qualidade ri na cara do tempo e do estilo datado que porventura possa ter ameaçado sua força, cada um à sua época.

Não. Aqui a história é outra. E não importa se você ouve Superbacana, Podres Poderes, Não Enche ou Minhas Lágrimas.

Em qualquer época, Caetano é o mesmo desafiador, o mesmo poeta, o mesmo questionador e o mesmo provocador.

O mais legal da sua obra é perceber que essas características se mantêm intactas independentemente de disco, de fase, de tendência.

Quando ele quer ser politico, desafia a todos nós, ao governo, ao mais requintado dos esclarecidos com obras do quilate de Araçá Azul, Jóia, Transa. Quando ele quer ser “apenas” músico, lhe sobra amplitude, e ele consegue ir de seu lado mais obscuro ao seu lado mais doce sem perder a personalidade e, muito menos, o tino para a melodia. Como ele mesmo diz: “Onde queres prazer, sou o que dói
. Onde queres tortura, mansidão. 
Onde queres um lar, revolução
. E onde queres bandido, sou herói.”

Na música ou na literatura, Caetano tem desafios de sobra para quem estiver disposto a encará-los.

Se você é fã, sabe do que eu estou falando. Se ainda não é, está aí um gigante para você descobrir. Dá para ouvir todos os discos aqui.

Em Araçá Azul, Caetano clamava: “com fé em Deus, eu não vou morrer tão cedo”.

Hoje, aos 70 anos, ele está mais vivo do que nunca. E sua obra já é imortal.

LEIA TAMBÉM
COMENTE
  • Thiago Calazans

    "MTV, bota essa p* pra funcionar direito!"
    - Grande Caetano

    • Marcelo Gastaldi

      Emetevê!

  • Thiago Calazans

    "MTV, bota essa p* pra funcionar direito!"
    - Grande Caetano

  • dorosfilho

    Nobre Baiano da terrinha as vezes genio as vezes chato! Mas Caetano é Caetano

  • http://www.dexxhair.com.br/ Linha profissional

    Quem nunca ouviu caetano né? Eu acho o máximo o caetano…..

  • favorittos

    Troll face !

  • http://filhosdecriacao.blogspot.com Mária

    Caetano, genial e eterno. Parabéns pelo post.

  • joaopsouza

    Muito bom. :D

  • http://ricardogalvao.tumblr.com/ ricardo galvão

    Depois que li "EVERYTHING IS A REMIX" aceitei melhor Caetano…
    ele nunca disse de onde retirou (roubou) o verso: "Saber a dor e a delícia de ser o que é"
    fica a dica pra vocês nos dizerem..e fica aqui o ditado: em terra de cego…quem tem um olho…
    Einstein já dizia: GENIALIDADE É NUNCA REVELAR SUAS FONTES….
    Nisso Caetano superou muitos…

    • Leandro

      Mas que besteira. O cara tem 2 milhões de versos (dos quais muitos são tão ou mais populares que esse) e é criticado porque não declarou a fonte de um deles?

  • http://ricardogalvao.tumblr.com/ ricardo galvão

    Depois que li "EVERYTHING IS A REMIX" aceitei melhor Caetano…
    ele nunca disse de onde retirou (roubou) o verso: "Saber a dor e a delícia de ser o que é"
    fica a dica pra vocês nos dizerem..e fica aqui o ditado: em terra de cego…quem tem um olho…
    Einstein já dizia: GENIALIDADE É NUNCA REVELAR SUAS FONTES….
    Nisso Caetano superou muitos…